Cada caso de morte na pandemia, narrado por pessoas conhecidas, amigas e confiáveis, me causa algum impacto.

Mas trato aqui, especificamente, de casos graves e até de mortes provocadas por Covid-19, de pessoas que poderiam ter se vacinado e não o fizeram.

Infelizmente, ao contrário das narrativas sobre gente vacinada e que contraiu a doença – o que é absolutamente passível de acontecer –, estes não prosperam nas redes sociais. Como um alerta, mesmo preservando a identidade das vítimas.

São duplamente vítimas: da doença e do negacionismo, expresso na perversidade e na ação criminosa de quem espalha informações mentirosas sobre as vacinas e a vacinação.

Falo de pessoas que têm morrido, mas que poderiam estar vivas, se tivessem tomado a vacina – qualquer vacina.

Claro, ninguém é Deus para garantir que essas pessoas não morreriam mesmo vacinadas, mas não podemos descartar a possibilidade de que elas sobreviveriam se tivessem se imunizado.

Lembro, mais uma vez, o estudo feito em Serrana, estado São Paulo, que teve 75% da população imunizada com a Coronavac, e as mortes por Covid-19 na cidade caíram 95%.

Todo mundo há de ter direito à vida, mas a tragédia não pode ser provocada por uma mentira.

José Maria Constant: "Não entendo como um médico pode recusar a vacina"
Buraqueira na parte alta mostra Maceió como "terra de ninguém"
  • Carlos

    Existe uma vala que separa muito os que tomaram a vacina e os que ainda não tem imunizante motivos diversos como : Não chegou na faixa etária, rejeição o imunizante . A probabilidade desse grupo é vulnerável ao vírus de forma grave e no entanto estão na mesma vulnerabilidade de contaminação agora como vai se comportar em cada um é um loteria. Então vamos de vacina no braço.

  • Antonio Moreira

    O fanatismo e a inteligência nunca moraram na mesma casa, disse Ariano Suassuna.

  • Laskdo

    Os riscos de quem não foi vacinado e de quem não quer só tem aumentado. Porque quem já foi vacinado, está confiante que não pega, por isso está se expondo cada vez mais. Essa semana um veio me abraçar, quando recuei ele disse que não tinha problema, pois já tinha tomado as duas doses. Ele só entendeu quando expliquei, que ele, embora imunizado ainda podia contaminar e que devemos continuar com as mesmas medidas de prevenção, até que todos sejam vacinados. Por isso a morte dos vovôs está diminuindo e dos netinhos aumentado. É o que mostra os últimos números sobre a Covid.

  • MARCOS VINICIUS

    Nõ acreditar no benefício da vacina. é coisa de anencéfalo.

  • Fernando.

    Ricardo, você já procurou saber como é o tratamento que estão dando aqui em Maceió para as pessoas mais necessitadas? Vou te relatar um ocorrido com minha secretária. Na segunda feira passada minha secretária apresentou sintomas de covid. Mandei-a para casa de uber e que fosse a UPA do Tabuleiro. Ela foi com febre e tossindo bastante. Chegando lá, encaminharam para o Trapiche para fazer o exame. Foi de ônibus e fez o teste que fica pronto daqui a 10 dias. A médica que a atendeu mandou dar dipirona injetável e depois fosse para casa. Fiquei inconformado e revoltado. Mandei imediatamente para um laboratório particular que constatou que era realmente covid como eu suspeitava. Graças a Deus desde o primeiro dia ela começou a tomar azitromicina e outras medicações após fazer uma consulta com o médico particular que eu contratei. Minha duas reflexões são as seguintes. O que estão fazendo nas Upas está matando muita gente infelizmente. Esse é o verdadeiro genocídio porque com o atendimento que deram a minha secretária para esperar o resultado em 10 dias para depois tomar as providências,, ela já estaria morta porque possui muitas comorbidades. A segunda é que ela nesse trajeto de buscar ajuda fazer exames ela deve ter contaminado várias pessoas. Isso sim é genocídio. O tratamento das Upas é um genocídio e ninguém fala nada ninguém apura nada a começar pelo MS , PF , MP etc

  • Abrahão

    Fernando discordo com você, tive covid-19, fui para UPA do Tabuleiro, e o atendimento foi humanitário, fizeram o teste, me medicaram , nao pelas medicações indicadas pelo Dr. Bolsonaro,numa sexta-feira, e o resultado sairia com dois dias, fui para casa e fiquei isolado enquanto aguardava o resultado.
    Fiquei curado e já tomei a primeira dose.
    E na Secretaria Estadual onde trabalho foi assistido até hoje, por isso acho muito estranho esse fato narrado por você.
    PARABÉNS AO SUS E A TODOS OS PROFISSIONAIS DA SAÚDE.

  • Douglas Bronkvist

    Tá correto o Fernando!