O resultado esperado se confirmou: a BRK Ambiental, que vai assumir por 35 anos os serviços de água e esgoto da Região Metropolitana de Maceió, avisou à prefeitura da capital que vai pagar R$ 1,4 bi ao governo do Estado.

A empresa, lembremos, venceu a licitação da “venda” (outorga dos serviços) da Casal no ano passado, oferecendo um ágio de R$ 2 bi – já pagou R$ 613 milhões.

A prefeitura, conforme postamos aqui esta semana, encaminhou ao presidente da empresa, Fernando Ariani Mangabeira Albernaz, uma Notificação Extrajudicial solicitando que o pagamento da segunda parcela – em 1º de julho – deveria ser feito numa conta judicial.

A BRK Ambiental, na resposta datada de 10 de junho, comunicou à procuradoria-geral do Município que consultou o Estado e resolveu bancar a decisão anterior: vai mesmo fazer o pagamento à Fazenda Estadual, cumprindo o contrato firmado em dezembro de 2020.

Lembrando que a Casal passará a ser fornecedora da água que a empresa vai vender à população.

Desdobramento

A Prefeitura de Maceió já decidiu que vai à justiça, tentar reaver o que acredita que lhe pertence.

Pelos montantes envolvidos, é processo a se perder no tempo dos homens.

Buraqueira na parte alta mostra Maceió como "terra de ninguém"
Arthur Lira toca pacote de reformas do Planalto em meio à pandemia
  • Bruno Carlos

    E se depender da justiça brasileira, a Prefeitura vai receber no final da odisseia terrestre.
    Fico imaginando que em todas as esferas da justiça, todos os dias chegam uns seiscentos processos. Por que eu mesmo tenho um simples, de danos morais por cobrança indevida que já tem sentença, porém nunca recebi e já fazem três anos. Aí me pergunto: por que eu acionei a justiça mesmo ?

  • Alves

    Passaram-se anos décadas o abastecimento o saneamento tanto na Capital com na região meteopolitana nunca recebeu a devida atenção, entrou dinheiro vivo na jogada ficam tudo ensandecido pra colocar a mão no dinheiro. Com a palavra o prefeito de Rio Largo, e o da Capital.

  • Interiorano

    O problema que eu vejo é que em alguns locais quem produzia, tratava e fornecia a água eram os SAAE´´ S (Prefeituras) e a CASAL (Estado), porém, cujas outorgas eram das Prefeituras e aí, o Governo vendeu a outorga! Por isso, as Prefeituras estão entrando com ações! E estão certas!