Um é deputado federal no terceiro mandato; o outro é senador da República com mais de 40 anos de vida parlamentar.

E são eles os alagoanos que têm conseguido destaque no ambiente político de maior diversidade no país.

É verdade que o senador Collor, único ex-presidente que se mantém congressista, de quando em vez vira notícia – recentemente chegou a ser cotado para o lugar do estranhíssimo Ernesto Araújo.

Tereza Nelma, a única mulher da bancada de Alagoas, enfrenta graves problemas de saúde, mas se mexe e se mete onde pode, mas precisa de tempo para crescer por lá.

Já os demais parlamentares alagoanos parecem absolutamente invisíveis em Brasília.

Assim, Arthur Lira surpreendeu pela velocidade com que chegou à presidência da Câmara Federal, e Calheiros surpreende agora pelo seu retorno ao centro do debate político.

Coisa de profissional num universo peculiar, feito de gente de carne e osso – onde a alma nem sempre é bem-vinda.

Sesau garante que novo lote da Coronavac atende a todos que esperam a 2ª dose
Disputa política local vai parar na CPI da Covid no Senado
  • Mário

    “Política e politicalha não se confundem, não se parecem, não se relacionam com a outra antes se negam, se repulsam mutuamente. A política é a higiene dos países moralmente sadios. A politicalha, a malária dos povos de moralidade estragada – Rui Barbosa”.
    (Raríssimas exceções).

  • Há Lagoas

    Sim, as duas raposas estão sobre os holofotes, inclusive – como não poderia deixar de ser – midiático.
    Mas não nos esqueçamos, existe algumas figuras que espreitam nos bastidores, a espera de uma oportunidade para subir ao palco…
    O triste – com raras exceções, Tereza Nelma é uma delas – é que o resto da bancada não dignifica em nada a nossa pobre Alagoas.

  • Carlos

    Eleitos com compra de votos , não tem compromisso com os reclamos do povo. Rodrigo Cunha, foi eleito pela vontade do povo, quer mudança e no entanto fica na retranca e omisso nos temas nacionais e o pior do nosso estado sempre no silêncio ensurdecedor em relação a saúde dos alagoanos, educação e não esqueçamos os servidores públicos e os aposentados e pensionistas , que vem sendo massacrados pelo desnaturado governador Renan Filho e sua equipe carioca a turma desprovida de empatia. Os idosos passa a gastar mais com remédio para sobreviver além dos salários aviltados foi punido como os desconto de 14%, será que essa turma tem algum sentimento ?

  • Carlos

    Só somos visível para o que não presta na politica nacional ! Cadê desenvolvimento para o estado e no entanto eles não formam um bloco para alocar recursos para desenvolver o nosso estado.

  • ROBERTOPAIVA

    SENADOR RENAN CALHEIROS É RENAN CALHEIROS
    DEPUTADO ARHUR LYRA É CENTRÃO. MAS COM SUA
    DESENVOLTURA POLÍTICA PODE SIM SE TORNAR
    ARTHUR LYRA.

  • ISSO É BESTEIRA!

    O que é a relatoria de uma CPI para quem já conseguiu fatiar um artigo da Constituição Federal no impeachment de Dilma “Estoca Vento” Rousseff, e manobrar, como sempre, para a Ex-PresidANTA continuar com o direito de exercer a função pública?

  • RELEMBRAR É VIVER OU SOFRER?

    Em 1992, em um depoimento de oito horas, o mais longo da CPI instalada para investigar Fernando Collor de Mello, então Presidente da República, e o tesoureiro de sua campanha de 1989, Paulo César Farias, vulgo PC, Renan “Rei do Gado de Ouro” Calheiros, na época pobre e sem mandato (por incrível que pareça!), disse que o então Chefe do Poder Executivo Federal, seu desafeto desde a eleição ao Governo de Alagoas de 1990, sabia do esquema de PC na Presidência da República e acusou outros assessores próximos ao ex-presidente.

  • Dalvo

    Tem besteira maior do que a de quem votou ou defende o capetão que em sabedoria, supera Dilma nós conhecimentos em geografia, língua portuguesa, além da oralidade e conteúdo que encanta serpentes entre as mais venenosas das terras dos Caetés. Maceió superou sua capacidade de raciocínio político quando em sua maioria, votou no mito. O mundo todo já reconheceu a desgraça feita ao Brasil, menos os defensores do capetão.