No final da tarde de ontem o Ministério Público Federal encaminhou ao governo do Estado de Alagoas e à Secretaria de Saúde uma recomendação para que tenha início imediatamente “a vacinação para povos e comunidades tradicionais quilombolas e ribeirinhas, consoante ordenamento dos grupos prioritários definidos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19”.

A MPF explica a iniciativa afirmando que já tramita “na Procuradoria da República no Estado de Alagoas o Procedimento Preparatório no 1.11.000.000486/2021-80, visando garantir, no Estado de Alagoas, a vacinação de grupos prioritários, tendo em vista a notícia de omissão, no Plano Estadual de Vacinação contra a COVID-19, quanto à inclusão das populações quilombolas nos grupos prioritários, bem como recente distribuição da Notícia de Fato n.o 1.11.000.000547/2021-17, que noticiou a não aplicação de vacinas destinadas aos quilombolas em Alagoas”.

Ou seja: o governo de Alagoas não vem cumprindo o que determina o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-9, que “estabeleceu a ordem de prioridade dos povos e comunidades tradicionais ribeirinhas e quilombolas, após as pessoas das faixas etárias de 75 a 79 anos, mas antes das faixas de idade entre os 70 e 74 anos”.

Alagoas já está vacinando pessoas a partir de 60 anos de idade, além de outros grupos considerados prioritários.

O MPF foi provocado por entidades representativas das comunidades quilombolas, tristemente marginalizadas no país, e agora cobra do governo cumprimento da medida considerada fundamental do ponto de vista epidemiológico.

Assinam a recomendação pelo MPF: Bruno Lamenha Lins, Roberta Bomfim, Julia Wanderley e Niedja Kaspary (procuradores da República).

Rodrigo Cunha defende CPI da Covid-19 e afirma: "Chega!"
PT e PC do B discutem com Renan Filho a permanência no governo
  • William

    Prioridade maior seria para quem trabalha, não? Jornalistas, policiais militares, motoristas…

  • Tony

    Quais são os argumentos técnicos para a vacinação emergencial dos povos e comunidades quilombolas e ribeirinhas?
    Quem trabalha, principalmente aqueles que possuem morbidades precisam tomar a vacina com mais urgência, independente da idade.
    Policiais, profissionais da saúde e educação já estão sendo vacinados, mas cadê a vacina para os demais servidores públicos que estão diariamente nas ruas, prestando serviços e tendo contato com a comunidade?
    Os profissionais rodoviários que diariamente tem contato com pessoas de todos os tipos e idades?
    Os motoristas profissionais devidamente comprovados na CNH?
    Se fosse continuar a relacionar quem realmente precisa, passaria horas teclando.
    O MPF deveria se preocupar em defender o povo das áreas atingidas pela mineradora Braskem e não fazer acordo beneficiando a causadora do fenômeno que já retirou mais 40 mil pessoas de seus lares e negócios.

  • PORTUGUÊS DA PADARIA

    quando vejo essa avocação para classes como prioritárias, lembro -me do ditado, “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Não faço parte dessas categorias, mas não vi ninguem pensar nos trabalhadores de farmácia, que atendem a todas as pessoas acometidas de doença que lá vão comprar seus remédios( inclusive pra covid) e os caixas e funcionários de supermercados, que se expoem diuturnamente ao risco, pois todos nós precisamos comer . E o que dizer da cadeia de transporte público? cobradores, motoristas, etc. Com todo respeito às classes envolvidas, em algumas delas ( como jornalistas, prof de educação fisica, por exemplo) não vejo essa urgência e prioridade pra se colocar a frente de outras tantas mais ” perigosas”. se bem que jornalista é uma classe que detem um imenso poder de (desin)formação de opinião, daí onde volta de novo o bordão: farinha pouca, meu pirão primeiro

  • Professor

    E ninguém se manifesta sobre a prioridade dos profissionais da educação. As escolas públicas estão fechadas há mais de um ano. O descaso com a educação é revoltante!

  • Bel

    PRIORIDADE É TODO MUNDOOO!

    • HEREMBERG

      Idosos até 60 anos são prioridade. O resto é igual.
      Se eu não for vacinado e morrer, quem vai chegar para minha filha e dizer” Seu pai não era prioridade”?

  • Carlos

    Vejo falando de grupo A e grupo B, vocês estão olhando para os funcionários de supermercados,que estão no dia a dia li dando com a falta de educação de pessoas que se recusam a usar mascaras ou não usam corretamente dentro dos estabelecimentos?