O deputado Arthur Lira não tem descansado neste final de ano, em busca, é claro, do seu objetivo para 2021: a presidência da Câmara Federal.

Além dos seus pares, com quem conversa permanentemente e promete dividir fraternalmente o bolo, o líder do Centrão vai ampliando seus laços.

Na semana passada, ele se reuniu com um grupo de 270 investidores, que babam pelas propostas palacianas que poderão abarrotar os seus cofres privados – a depender de como a Câmara Federal pode ajudá-los.

Mas Papai Noel foi generoso com o parlamentar porque ele se comportou bem durante todo o ano. O “bom velhinho”, no caso, é o presidente Bolsonaro, que deu a Lira um mapa de 500 cargos federais, a serem distribuídos (Lauro Jardim) com os coleguinhas que se mostrarem dispostos a ser amiguinhos de infância dos já dois já velhos amigos de infância.

O clima de Natal vai até o dia 1º de fevereiro do próximo ano, quando acontece a eleição para a presidência da Câmara Federal.

JHC pede e vereador João Catunda muda de lado na eleição da Câmara
Lembrando Celso Tavares
  • Laskdo

    Diante do exposto, com essa “nova” política, sabendo do “patriotismo” dos parlamentares, não tenho dúvida, o homem está eleito! Se não for é porque não acreditam em “papai Noel”.

  • CICERO FREDERICO DA SILVA

    Coisa linda, desde todos os tempos os presidentes fazem isso. E claro os nossos parlamentares gosta e gostem muito.
    No poder e com a máquina o presidente tem tudo prá eleger o seu candidato.
    Ricardo esse afago é por liberação das verbas do governo e aval dos ministros.

  • PORTUGUÊS DA PADARIA

    Esses presentes na politica é normal, faz parte da Democracia. viva a Democracia