Três ministros da Primeira Turma do STF – são cinco – votaram pela permanência de Arthur Lira como réu em ação penal por corrupção.

O caso: o líder do Centrão e candidato a presidente da Câmara Federal foi acusado pela PGR de ter aceitado propina no valor de R$ 106 mil em troca de apoio político para a manutenção no cargo do então presidente da CBTU.

O inquérito é de julho de 2012, anterior à Operação Lava Jato.

Votaram contra Lira: os ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Marco Aurélio Mello (rejeitando o recurso da defesa e pela manutenção da ação penal) confirmaram a decisão da mesma turma do Supremo em outubro do ano passado.

Pediu vista o ministro Toffoli, sem data para retomar o julgamento – e ainda falta o voto de Rosa Weber.

O que vai acontecer não é difícil de deduzir, o problema é saber quando.

Nada, porém, que possa impedir que ele se eleja presidente da Câmara Federal em fevereiro do próximo ano.

Para onde vão os 210 mil votos descartados no 1° turno em Maceió?
Deputados federais são excluídos do guia eleitoral de Maceió
  • Há Lagoas

    Sendo pragmático, isto é uma verdadeira lástima, já que ele é o único parlamentar a defender a manutenção e expansão do VLT em Maceió!

  • VELHA E SOFRIDA CBTU!

    Estou ficando velho, amigo Ricardo Motta! Sou do tempo em que a CBTU era feudo do Renan Calheiros Pai (MDB), O Rei de Murici, e de lá ele até tirou “um laranja”, de iniciais AB, para a campanha de 1998 ao Governo do Estado de Alagoas!