A eleição para prefeito de Arapiraca, independentemente do resultado, é a própria negação da atividade política.

Até porque as eleições são o grande momento dessa atividade, que pode e dever ser nobre.

O embate entre Luciano Barbosa e seu velhos aliados é político, mas descambou para uma briga na justiça, território que o MDB – dos Calheiros – sempre rejeitou para resolver suas pendências.

Poucos líderes locais são tão encorpadamente animais políticos quanto o senador Renan Calheiros. Um profissional do ramo como poucos no país, que saiu de uma situação de extrema humilhação – no governo do ex-presidente Collor – para chegar à presidência do Senado, por quatro vezes, e até ministro da República.

Agora, por subestimar a capacidade – seja para o que for – de Barbosa, ele demonstrou não ter força para  resolver pela via política um problema da seara que domina.

Daí?

Pediu socorro ao Judiciário, território muito menos previsível do que o político.

Arthur Lira se consolida como herdeiro político de Renan em Brasília
Candidatos a prefeito de Maceió abrem mão da medalha de Escoteiro do Ano