“Traidor!”

Esta é a palavra mais usada dentro do Palácio República dos Palmares, sempre que alguém se refere ao vice-governador Luciano Barbosa.

A acusação parte, principalmente, do baixo clero, a turma que vive de elogios e “vivas” ao governador (que gosta).

Mas há, sim, aqueles que mantêm a sensatez e pensam no dia seguinte, apostando na reconquista de Barbosa pelo grupo dos Calheiros, a quem ele sempre foi intimamente ligado (esqueçam esse discurso de amigo sincero).

Ao apostarem na volta do candidato do MDB a prefeito de Arapiraca ao ninho palaciano, eles projetam dois caminhos possíveis – ambos, por óbvio, com Barbosa não obtendo êxito na sua pretensão de comandara a prefeitura da capital do Agreste.

São eles:

– Barbosa perde na Justiça Eleitoral o direito de ser candidato;

– Barbosa perde a eleição, em sendo candidato.

Eles teriam, portanto, um ano e meio para convencer o vice-governador que tudo não passou de um mal-entendido e que deve prevalecer o interesse de todos (?).

Hoje isso pode não parecer possível, mas ninguém há de projetar o futuro com muita certeza, mas as probabilidades existem, principalmente quando se fala a mesma língua.

 

Decisão de Tutmés Airan leva servidores aposentados a "pagar pensão"
Arthur Lira lidera movimento pelo perdão de R$ 1 bi de dívidas das igrejas com a Receita
  • Jorge

    na festa da lama, todo mundo é porco, sai todos sujos de merdalhas…

  • Sampaio

    O político que tiver a intenção de ganhar alguma eleição, afaste desse governador é sua equipe . O único que serve o palácio com todo fervor ainda é o presidente do tribunal de justiça. Mais esse tem razão,o seu mandato acaba em novembro. Tem que aproveitar até lá. Aposentados é pensionista e todos os funcionários público é parentes tá chegando a hora.

  • Consigliere Alagoano

    ***

    NÃO SE ILUDA: UM INIMIGO JAMAIS PERDOA OU ESQUECE
    Nem LUCIANO e muito menos MARCELO VICTOR – Estão a NUTRIR a HORA exata
    .
    Se possível, NÃO DEVEMOS ALIMENTAR ANIMOSIDADE contra ninguém, mas observar bem e guardar na memória os procedimentos de cada pessoa, para então fixarmos o seu valor, pelo menos naquilo que nos concerne, regulando, assim, a nossa conduta e atitude em relação a ela, sempre CONVENCIDOS DA IMUTABILIDADE DO CARÁCTER. Esquecer qualquer traço ruim de uma pessoa é como jogar fora dinheiro custosamente adquirido.
    .
    No entanto, se seguirmos o presente conselho, estaremos a proteger-nos da confiabilidade e da amizade tolas.

    ENTENDAM:
    .
    A política, por sua inescapável natureza competitiva, e mais ainda pela publicidade que assume, é um campo de atividades onde proliferam adversários e inimigos. Só não tem adversário ou cria inimigos quem é politicamente inofensivo. Os que têm ambição e lutam por seus objetivos por certo terão adversários e talvez, ao longo da carreira, adquiram inimigos.

    Não é preciso gastar tempo para analisar os adversários: são participantes do jogo da política, competidores por vezes duros e até desleais, mas o que desejam é vencer a eleição e ocupar o cargo.
    .
    Não os move o ódio pessoal, nem o desejo de destruição, que são sentimentos exclusivos dos inimigos. Já sobre estes sempre há muito o que falar e ainda mais para aprender. Inimigos podem surgir na vida pessoal e ser transportados para a política – ou podem surgir nesta própria área. Não importa a origem: o inimigo alimenta sempre um sentimento negativo para com você.
    .
    Este governo, tem o DOM(DNA) de criar problemas com seus ALIADOS.

    ***

  • Valfran dos santos lima

    Meu caro repórter tudo é farinha do mesmo saco só pensa no bolso deles é uma corja de ratos o mas tolo tira a meia sem mexer no sapato se você juntar tudo não dar para escapar nenhum tem que fazer um buraco colocar todos estes ratos colocar gasolina e tocar fogo e depois meter o concreto para não escapar nenhum.