As sucessivas decisões sobre o prende ou solta Fabrício Queiroz mostram o quanto a “hermenêutica” é elástica no Brasil.

A lei não diz nada por aqui; os julgadores é que dizem o que ela diz, ainda que eles tenham as posições mais antagônicas – e as têm.

Não vou me atrever a dizer quem está certo, até porque nem mesmo os magistrados guardam um mínimo de identidade entre eles.

Enfim, somos e continuaremos a ser o país do “cada cabeça uma sentença”.

Fica valendo a última.

Pelo menos até a seguinte.

Família Filho quer aumentar seu poder na política alagoana
MP do Trabalho já bancou R$ 6,8 mi em ações emergenciais da Covid em AL
  • Há Lagoas

    Pois é, claro blogueiro!
    Mas, não podemos nem nos manifestar a respeito dos deuses do STF, sobre pena de sofrer algum processo por difamação!
    Eles estão acima do bem e do mal, nós, como míseros mortais é que não compreendemos os seus designios…

    • Laskdo

      Vc pode sim; dizer que não concorda com a decisão e que é inconstitucional, na sua opinião. Que o julgador não analisou o mérito, enfim pode dizer um monte de coisas sobre o caso, mas sobre a pessoa que julgou o caso, vc não pode dizer, nem sobre ele e nem sobre ninguém, a não ser que vc tenha provas de algum ilícito da pessoa dele. A Juíza que condenou um homem, entre muitos argumentos, disse que ele era bandido por causa da sua raça. Essa sim, vc pode dizer que foi extremamente preconceituosa, pois a ela atestou com seu próprio punho. Pra mim, seja de esquerda ou de direita, se for condenado, pela hermenêutica jurídica qualquer tribunal, paciência, infelizmente faz parte do jogo, cuja regras estão nas leis que eles aplicam.

  • Luiz R S Filho

    Tinhamos antigamente aquele personagem, na sátira humoristica, “Vai pra casa Padilha”….. Esta sátira nunca acaba, vai sendo renovada, muda o personagem mas não a essência ideológica legítima, afinal a LEI com a colaboração interpretativa à feição do dono (Legislador) que busca e se resguarda nas Doutrinas Existentes quando não Criadas.
    Torna-se a Jurisprudência que acaba substituindo ou completando o texto da LEI.
    Minha mãe me dizia…meu filho faça Direito!!!!!!….Teimosamente não segui o conselho e Nada tenho a Declarar.

  • Chega

    Permitimos que o país chegasse onde está. O errado é certo, o certo é errado. Alguns podem falar e fazer o que quiserem, para outros é crime. Famílias mandam e desmandam… desembargadores, governadores, deputados, secretários disso e daquilo, encostados… políticos ee conveniência, legisladores de causas próprias… enquanto isso, os desdentados e os de sorriso amarelo mal contam os dias até seu miserável fim, defendendo aqueles que sempre enriqueceram às custas da miséria. Que vidinha desgraçada. Parabéns e tchau.

  • Carlos

    Exatamente mesmo crime no caso da rachadinha do Rio de janeiro, existe vários parlamentares envolvido e no entanto a família Bolsonaro e o Queiroz, são os destaques.

  • Marcelo Silva

    Sou a favor de um projeto de Lei que eleva o ministro Gilmar Mendes a santo, Santo Protetor dos Corruptos, não entendo o porquê ele não estende a sua bondade a milhares de prisioneiros pobres acorrentados às masmorras brasileiras, muitos dos quais em prisão provisória à espera de um julgamento que não chega por lentidão do judiciário e gozam dos mesmos males e têm os mesmos direitos inalienáveis dos corruptos de cepa graúda soltos por Gilmar Mendes.

  • kika

    pau que dá em Chico dá em Francisco!! A princípio vamos vê qual interesse está por trás disso tudo, com certeza não é para satisfazer a família Bolsonaro.