A última pesquisa do Datafolha mostra que o brasileiro ainda tem muito medo do novo coronavírus  – que, aliás, aumentou, segundo o instituo:

Na pesquisa realizada nos dias 23 e 24 de junho, 47% dos entrevistados disseram que tinham muito medo da Covid-19; 31%, um pouco de medo.

Entre as mulheres, sempre mais prudentes, 53% afirmaram ter muito medo da doença que está mudando o mundo (entre os homens, 41%).

É interessante comparar com o índice de isolamento social apontado pela empresa Inloco, que faz esse acompanhamento desde o início da pandemia. No dia 23 – 24 foi feriado -, o índice chegou a 37,8%.

Ou seja: a necessidade e o desejo/cansaço venceram o medo por ampla margem.

Veja o que abre em Maceió com o novo decreto de Renan Filho
Conheça a campanha: "Fecoep precisa ajudar os mais pobres na pandemia"
  • ANDRE

    A irresponsabilidade em Alagoas está muito grande. Se fosse só a quebra do isolamento para sobreviver, estaria justificado. Porém, o que vejo são pessoas batendo perna e fazendo festa.

  • Tojal

    O povo não tem culpa, a questão é cultural, os políticos eles agem de acordo com as conveniências e oportunidade, mas graças a revolução tecnologica estamos vencendo a distância, dos que tentam ocultar os dessabores das informações, trazendo alento a população carente do nosso estado, mesmo tendo um censo crítico limitado por conta do analfabetismo alarmante em nosso estado.

  • Pedro

    Nesse primeiro momento, sai a demanda reprimida. Haverá uma contaminação em massa, consequentemente uma mortandade maior. Vem o impulso natural de outopreservaçao, recolhimento por medo de contaminar e matar parentes frágeis. Conclusão: queda violenta nas vendas. O comércio fecha as portas para minimizar o prejuízo. Fora bozo desumano! 60 mil Brasileirinhos para sua conta e sua “gripezinha”!