O presidente da República levanta, voluntariamente, uma injustificável suspeição sobre a operação realizada pela PF no Rio de Janeiro. Não cabe a ele parabenizar a corporação pelas suas ações (que ele criticou no caso do Adélio Bispo), que faz parte do Estado brasileiro.

A instituição não precisa disso – pelo contrário.

A ação foi realizada por ordem do ministro Benedito Gonçalves, do STJ, que viu indícios de participação do governador e/ou da mulher dele no suposto desvio do dinheiro público nas ações de combate à covid-19.

Do ponto de visto político-eleitoral, lembremos: o governador Wilson Witzel é o grande adversário do presidente Bolsonaro na extrema-direita brasileira – esta mais belicosa, armamentista.

O discurso dele do “tiro na cabecinha” de quem ele entende ser marginal, a vibração do governador diante de um corpo de um jovem morto após o sequestrado um ônibus na Ponte Rio Niterói, tudo isso foi comemorado pelos bolsonaristas militantes (aqui mesmo, em comentários iracundos no blog).

A investigação da PF no governo do Rio de Janeiro pode estar prenhe de indícios, como aponta o ministro do STJ, não cabendo, portanto, que a deputada Carla Zambelli anuncie antecipada as ações e o presidente as comemore como se fossem um feito do governo.

Afinal, as instituições no Rio de Janeiro – Executivo, Assembleia (da rachadinha), TCE, TJ, MPE – têm sido um péssimo exemplo para o resto do país.

Mas a PF não é nem se tornará a Stasi brasileira.

Isolamento social cai 12% em Alagoas entre domingo e segunda
Denúncia leva Conseg a suspender promoção por "merecimento" na PM
  • Há Lagoas

    Ao que parece, o maior adversário de Bolsonaro hoje, com relação a eleição chama-se: Sérgio Moro.
    Creio que uma das maiores encruzilhadas, pela qual a nação está passando se refira a nossa sorte em 2022. A saída de Moro foi um golpe para o presidente, e uma sentença de morte para qualquer esperança da Esquerda.
    Mas, ainda tem muito jogo para sabermos quem destes dois – Bolsonaro e Moro – vai dar o xeque-mate.

  • Diego

    Talvez a nível estadual. Witzel é carta fora do baralho num possível embate à Presidência, pois não tem densidade de votos!

  • Sérgio Eduardo

    Se n ocorre o impeachment bolsonaro será reeleito presidente da república. Guarde essa palavra aí no seu arquivo ricardo mota

  • FUTURO PROMOTOR

    Caro Jornalista, ai foi uma questão de sobrevivência mesmo. Se o Presidente não agir primeiro com certeza irão pegar os filhos. Por isso o interesse em trocar logo a PF do RJ. Vamos ver se o MP/RJ e PF/RJ vão ter a coragem de chegar aos filhos do Presidente. Pago para ver.

  • Lima

    Bolsonaro, vai ser reeleito em 2022.
    Mesmo com toda perseguição .
    O problema é q ele enfrenta um sistema q se acostumaram a mamar sem trabalhar.
    Não concordo com algumas atitudes dele.
    Mas o Brasil estava levantando voo antes da pandemia e daí ele se perdeu um pouco.
    Mas não podemos compará-lo a outros governos pois nenhum enfrentou uma pandemia.
    Mas torço pelo Brasil.
    Porq nasci aqui e amo esse país.

    • RICARDO

      TAMBÉM ACREDITO EM PAPAI NOEL MULA-SEM-CABEÇA E QUE OS FILHOS DO PRESIDENTES SÃO INOCENTES E LIMPOS, ALIAS, NUNCA TIVERAM AMIZADE COM MiLiCIANOS….. KKKKK

  • Antonio Moreira

    O Governador Witzel – Suas atitudes parecem que são para agradar pessoas que adoram:
    Bandido bom é bandido morto!
    O Governador dobrou os joelhos para o Gabigol (jogador do Flamengo) e o atleta
    nem deu bola para ele(governador) – No jogo, Flamengo bi campeão libertadores 2019.

    Quem tem bom senso não deseja que ninguém governe de maneira errada.
    Apenas quem têm interesses pessoais, é o caso do Lula. E outros.

    Infelizmente, o que se acha mais forte, mais aparelhado e com mais munições tem mais chance de vencer a guerra e destruir o inimigo.

  • sertanejo cagota

    Esse Witzel vai e ficar na parte de baixo na beliche de Sérgio Cabral.

  • Antonio Carlos Barbosa

    Pois é Mota, a nossa PF está muito longe de se transformar numa Stasi, polícia dos governantes da Alemanha Oriental, bem retratada seu uso e abuso governamental contra seus opositores, na belíssima película ” A Vida dos Outros” que você fez referência hoje no programa Doze e dez Notícias.
    Não entrarei no mérito das investigações, pois não tenho conhecimento, entretanto, a primeira análise dos fatos, não tem inocentes.
    Acredito que a briga Bolsonaro X Witzel seja muito boa para o Brasil, trata-se de briga de gângsteres. São armamentistas, adoram atiradores de elite, que acertam na cabecinha. Espero que ambos concretizem seus sonhos de eliminação mútua.

  • Pedro

    O Brasil é uma bagunça triste! Depois que terminar essa mortandade de pobres, voltam as bocas banguelas a se empilharem para ver os inúteis jogadores suados se abraçando e se beijando dentro campo. Milhares de palermas a desfilarem fantasiados de idiotas no Carnaval. Outra turma briga por políticos corrutus. E o pessoal da saúde? Esses serão esquecidos novamente. Se alguma coisa mudar nessa república de bananas, será para pior.