Todos já viram por mais de uma vez, pelo menos, trechos das falas do presidente da República com seus ministros, na reunião do dia 22.

O nível não é diferente, assim como a linguagem, de alguns comentários que chegam diariamente a este blog e que ganham o caminho que merecem: a lixeira.

A questão jurídica fica para as dezenas de milhares de especialistas no Brasil, mas chamo a atenção para a única proposta para o país apresentada por Bolsonaro: armar os brasileiros, todos, para que enfrentem, inclusive, a polícia quando forem obrigados a cumprir as medidas de isolamento social.

É assustador, e lamento que não seja este o trecho destacado nos telejornais – pelo perigo que representa.

Destaco, ainda, a surpreendente manifestação de sensatez e tranquilidade do ministro Rogério Marinho, em meio a tantos palavrões e metáforas do submundo, que foi claro com seu colega Paulo Guedes – que partiu para a linguagem tosca, com o objetivo de ser aprovado pelo seu chefe -, afirmando que os dogmas liberais perderam seu lugar no mundo de hoje.

Também: a imagem do perplexo ex-ministro Nélson Teich, queixo e lábio inferior caídos, em sua primeira e última reunião ministerial. Qualquer um, sem experiências sobrenaturais, seria capaz de ler a frase que ele não disse: “O que é que eu estou fazendo aqui?”.

Ele mesmo respondeu 20 dias depois.

Em tempo

Hoje, Wanderson de Oliveira deixa a Secretaria de Vigilância da Saúde do Ministério da saúde.

Epidemiologista respeitado em todo o mundo, ele foi o responsável pela elaboração da estratégia – não cumprida – do combate à pandemia no Brasil.

Resultado: brasileiros estão barrados na terra do Trump, aquele a quem Bolsonaro declarou seu amor presidencial.

Pós-pandemia: UFAL lança em junho programa para estudantes que farão o ENEM
Parece, mas não é
  • Há Lagoas

    Um fato que deve ser levado em consideração com relação a Reunião Ministerial em Brasília, é a suposta estupefação dos eleitores de Bolsonaro! Não concordo que alguém foi enganado por ele – principalmente – seus eleitores.
    Bolsonaro não mentiu, nem fingiu em sua essência o que ele realmente era, é, e muito provavelmente continuará sendo.
    Ele vendeu isso em sua campanha, e continua sendo o mesmo, agora como presidente de nossa nação!
    É o que penso.

  • Renato Amorim

    Excluindo o “fator” vírus, todo o resto já era conhecido, desde de antes das eleições, quem votou e aos que continuam a apoiar, podem se co-auto responsabilizar, por todo o cenário caótico e também por cada morte.

  • Antonio Carlos Barbosa

    Bolsonaro jogou de forma a enganar, como sempre, a fala de armar a população para não aceitar o isolamento social, é meramente para desviar sua intenção prioritário e sonhada que é o golpe militar. O isolamento social acabará em pouco dias, a militarização dos milicianos será para sempre. Bolsonaro não quer a população armada contra militares, ele quer armar a população para transformá-la em uma milícia gigantesca, para junto com os militares, atemorizarem população. O golpe está em curso, em marcha, se as forças armadas apoiarem o golpe do Bolsonaro e seus milicianos, se transformarão numa gangue de farda, igual ao que o Chaves fez Venezuela.
    As elites e a classe média brasileira, verão a desgraça que causaram contra os seus interesses e do Brasil, ao apoiarem o psicopata golpista, pois os pobres não serão atingidos por qualquer regime de governo.
    Vejo todos acovardados, autoridades, instituições, oposição e o povo. Falando em político, não poderia deixar de falar da minha decepção como eleitor por duas vezes, do Senador Rodrigo Cunha, que considero um senador de calça curta, infantilizado, não existe sua atuação parlamentar, está em Brasília as nossas custas, desfrutando das benesses do cargo e fazendo turismo, nada mais. Sequer sabemos que ele existe, parece até que foi abduzido, desapareceu, e desde o início do mandato, preventivamente entrou em quarentena e permanecerá até o fim do mandato em quarentena, tem sentido.

  • Julio

    Esse vídeo torna Bolsonaro ainda mais forte para 2022, quem pensa o contrário quer iludir a si próprio. O objetivo de vazar o vídeo foi demonstrar que ele influenciou a Policia Federal, não houve isso.
    Agora se apegar a trechos como o do armamento da população, palavrões, etc, é um boa alternativa para massagear a consciência.

  • Carlos

    Só lembrando não os brasileiros ,que estão barrados na terra do amor do presidente Bolsonaro e sim qualquer passeiro oriundo do Brasil. Assim foi com a China e boa parte d Europa no pico da pandemia e inclusi=ve com a Grã – Bretânia , companheira das grandes Guerras…

  • Patricia

    A única proposta do presidente é a instabilidade e Incapacidade de administrar um pais. Ninguém consegue enxergar o que vem pela frente, mas não da para acreditar em um momento EURECA.

  • marcelo

    Pena que meu comentário foi jogado na lata do lixo…

  • Antonio Moreira

    O Brasil até o governo Temer – Eram muitas denúncias corrupções.

    Eleição 2018, reta final, sobraram Bolsonaro e Fernando Haddad.
    As redes sociais optaram por um homem estilo Lampião.

    Com exceções de alguns concorrentes (inclusive do Bolsonaro), acredito que o Brasil estaria numa situação atual menos ruim na mão de um outro Presidente.

    Para quem tem coração, que tristeza!
    Para quem deseja mal ao próximo, que maldade!

  • Quarentena.

    Eu já participei de muitas reuniões, não com ministros; o que me chamou atenção foi o a ira e a forma do linguaja, baixaria! triste,só DEUS tem mis´´ericordia.

  • Vítor

    É uma pena que ainda tenha gente achando normal o nível da reunião e que isso fortalece o candidato. Espero que esses não tenham filhos e netos. Herdarão o quê desse país? É muita falta de bom senso. É uma estupidez! É analfabetismo de tudo! Nem nas entre linhas sabem ler. Ou melhor, ceguinhos!!! E pior, no meio do tiroteio, né? Juízo!