O Tribunal de Justiça absolveu o deputado Marcelo Victor na sessão de hoje, da acusação de posse ilegal de arma.

A decisão foi unânime, com a ausência apenas do desembargador José Carlos Malta, que não compareceu à sessão do pleno.

A acusação foi feita pela Polícia Federal, que, em 2007 – durante a Operação Taturana – encontrou na casa do ex-deputado Gervásio Raimundo, presidente atual da Assembleia Legislativa, uma espingarda calibre 12 com o cano cortado, considerada uma arma de uso proibido.

Raimundo, em depoimento à PF, disse que a arma pertencia a Marcelo Victor, que passou a responder ao processo.

Doze anos depois, o TJ, considerando a nova legislação – já do governo Temer -, que permite o uso dessa arma, inocentou o parlamentar de qualquer crime.

A tese, aceita por unanimidade, foi apresentada pelo advogado Fábio Ferrario.

Tereza Nelma: cinco vezes câncer, cinco vezes resistência
Justiça Estadual terá novo feriadão a partir de sexta-feira