O senador Rodrigo Cunha fez sua prestação de contas à imprensa, hoje.

Ele continua sendo o político correto e íntegro, pessoalmente, qualidades que o levaram a se destacar na Assembleia Legislativa.

Acontece que ele não é mais o deputado estadual vigilante com os gastos do governo do Estado, em contato direto com um eleitorado que depositou nele toda a – merecida – confiança.

A condição de senador exige dele respostas imediatas em questões de princípio como os direitos fundamentais da democracia, a defesa da liberdade e o combate sem tréguas à intolerância.

O silêncio de Cunha, por exemplo, diante das crises verborrágicas criadas pelo presidente da República não é exatamente uma demonstração de clareza e de coragem política.

É claro que o massacre da turma do Tribunal do Facebook é rápido e há de doer, a cada reação (se vier). Mas fugir do bom embate há de ser imperdoável: o crescimento não acontece sem dor.

-------------------------------------------------------
Rafael Brito surge como o 'poder jovem' palaciano para enfrentar JHC
  • É de confiança!

    Prefiro o silêncio do Rodrigo Cunha a verborragia do enrolado Renan Calheiros!

  • Ricardo

    Intolerância é o assalto que fizeram ao nosso país, deixando 14 milhões de desempregados. É povo sem emprego e morrendo de fome.

  • Lucas Farias

    Prezado Ricardo, o senador Rodrigo Cunha demonstrou coragem e coerência ao votar contra o decreto de liberação de armas, opondo-se à política de velho oeste e de terra sem lei que o presidente da república quis nos impor. Foi um bom começo, mas há outros temas relevantes e decisivos sobre os quais o senador se mantém em silêncio. Por exemplo, o que pensa o senador sobre a (contra)reforma da previdência proposta pelo governo? O que ele pensa sobre a tributação de lucros e dividendos (que desagrada aos bancos e elites financeiras), sobre a instituição do imposto de grandes fortunas (previsto na Constituição), sobre a volta da CPMF (proposta pelo ministro Paulo Guedes)? É a favor ou contra a criminalização da homofobia? O que o senador acha da escalada avassaladora da destruição ambiental, do enfraquecimento do IBAMA e do ICMbio, da extinção de multas e punições sobre crimes ambientais? O senador acha certo que a FUNAI seja extinta, que terras indígenas e quilombolas sejam devastadas e que os povos originários sejam expulsos e assassinados por invasores, madeireiros, grileiros e mineradores? O que o senador pensa sobre os poderes investigativos do COAF sobre movimentações financeiras suspeitas, como aquelas que implicam o senador Flávio Bolsonaro, protegido por uma liminar do presidente do STF (e que suspendeu investigações no país inteiro)? O senador vê na indicação de Eduardo Bolsonaro pelo próprio pai como embaixador nos EUA um caso de nepotismo? O senador é contra ou a favor de medidas propostas pelo presidente que extinguem direitos trabalhistas? O senador apóia o fim de conselhos de controle social e participação popular sobre políticas públicas? O senador apóia o estrangulamento orçamentário das universidades públicas e dos institutos federais? Como o senador enxerga as ameaças às liberdades de imprensa e de informação, e as tentativas de amordaçamento dos críticos ao presidente? O que o senador pensa sobre as constantes violações de sigilo de investigações e ameaça de destruição de provas praticadas pelo governo federal? Tomara que o senador Rodrigo Cunha demonstre amadurecimento para se posicionar concretamente e de forma clara sobre as questões que afligem nossa fragilizada democracia.

  • José Carlos

    Rodrigo Cunha, senador de um mandato só. Anote.

  • Alagoano

    Honestos ou ladrões nossos políticos se preocupam apenas com as coisas mais importantes do mundo: eles e eleição deles. Sob esta ótica Rodrigo Cunha não difere em nada de Collor, Renan, Arthur, etc.

  • Há Lagoas

    Alguém já disse: “Não basta se decidir, é preciso se posicionar”.
    Além de defender princípios pelo quais ele foi eleito, Rodrigo Cunha precisa ocupar o espaço deixado por Biu de Lira com relação a verbas federais em Alagoas. Buscar investimento do palácio do Planalto para um dos Estados mais pobres da Federação.
    Inclusive, buscando destravar as verbas que já foram empenhadas, como a expansão do VLT até a Mangabeiras.
    Mas do que um discurso bonito, o jovem Senador precisa ser um pouco mais pragmático, sem perder a essência, é claro.
    Já tem muito alagoano com saudade do velho Biu de Lira…

  • JEu

    Gostaria de saber mesmo é o que o Rodrigo Cunha pensa sobre o pacote anticrime e anticorrupção que até agora não foi apreciado pelo congresso e que tem uma grande maioria querendo desnaturar e desqualificar o projeto… o que ele acha sobre a reforma tributária, que vai somar, e muito, ao processo de recuperação financeira do governo país (inclusos Estados e Municípios); o que ele pensa sobre a quebra do monopólio do gás, que vai alavancar a indústria e beneficiar cada cidadão com a queda do valor do gás de cozinha e gerar uma quantidade imensa de empregos; o que ele pensa sobre a opinião de alguns que querem liberar o condenado em 3ª instância que, apesar das condenações e dos processos (mais 10) ainda insiste em dizer que é “inocento”? Também deve-se lembrar que hoje o IBGE divulgou uma queda no desemprego (que caiu de mais de 14 milhões para 12,6 milhões – ainda é demais, é claro,) e o aumento do número de contratados com carteira assinada, o que demonstra que o país aos poucos (são só 7 meses de governo) está reentrando nos trilhos da recuperação da economia… agora ficar com mi, mi, mi, sobre assuntos de menor relevância, que não põe pão na mesa do brasileiro, isso sim, é ter visão pequena… isso sim é torcer contra o país e o povo brasileiro… coisa de “dor de cotovelo”… é melhor aceitar que dói menos…

  • John Francys Lee

    Jose Carlos tu és ilário, realmente senador de meio mandato pois o mesmo sera nosso Governador por Alagoas 2022 #REAJALAGOAS

  • Luiz Antonio

    Ele precisa contribuir com um governo honesto e patriota votando
    para aprovar as leis que contribuam para o progresso e as liberdades civis como o direito as armas por exemplo, depois de 16 anos de governos corruptos, um ex Presidente encarcerado, cumprindo sentenças, e muita coisa pra ser revelada ainda, o Senador daria uma grande contribuição propondo uma CPI dos empréstimos do BNDES, me parece mais relevante descobrir o destino de mais de 300 bilhões de reais, isso de oposição menor as provocações e revelações que o Presidente faz deixa que as viúvas do petê o fazem, queiramos ouvir ou não!

  • Paulo

    O que o nobre senador precisa fazer é legislar,motivo pelo qual foi eleito.se posicionar sobre asneiras dita pelo presidente não farão dele um senador melhor.o cidadão fala que precisa acabar a divisão a intolerância no país.mas que obrigar o senador a se mostrar contra ou à favor do governo. Eu quero ver é trabalho não falácia.

  • EX ELEITOR

    GOSTARIA DE SABER DESSE BLOG, ONDE ANDA O CRITICO FERRENHO DO MINISTRO SERGIO MORO E DA LAVA JATO O SENADOR RENAN CALHEIRO? DEPOIS DAS PRISÕES DOS HACKERS SUMIU.

    • Hélio

      E, cá pra nós, sempre acreditei que os dados e conversas apresentados eram fruto da ação de algum hacker – os defensores da corrupção pensavam o contrário – envolvidos em crimes dos mais variados , e a tal fonte deixou de ser anônima!
      E agora?

  • JUNIOR

    Ele é só mais um, só vai aparecer mesmo na proxima eleição,não tem opinão propria vota como o partido manda, para mim mais um parasita em Brasilia

  • Eudimar Magalhães

    Não sabia, prezado Ricardo, que um senador, do nível de Rodrigo Cunha, precisa, para acharem que ele cumpre bem o seu papel, ficar rebatendo ou batendo de frente com o presidente. Essas coisas são para jornalistas, o senador Rodrigo tem muito mais o que fazer!

  • Maria

    Ter a imagem avaliada todos os dias faz parte da política e isso é bom. Rodrigo Cunha tem consciência do seu papel e não precisa de “trampolim”. Nesse momento é preciso ter cautela…Isso não quer dizer que não tenha opiniões,mas que não se faz necessário “holofotes” e muito menos fazer campanha antecipada. RC não precisa se transformar no que as “redes sociais” pedem…