Foram 29 os senadores que votaram pela manutenção do COAF no Ministério da Justiça, que era a proposta original do governo.

Todos pediram que seus nomes fossem anunciados pelo presidente do Senado. Rodrigo Cunha foi o único alagoano a fazer parte desse grupo, que teve, também, Randolfe Rodrigues (da Rede) e não teve o Major Olímpio, do PSL.

Embora haja uma desconfiança generalizada quanto à questão, há de se imaginar que um possível uso político do COAF pode se dar em qualquer ministério.

No final das contas, prevaleceu a carta do presidente Bolsonaro, que só a história há de explicação com sua motivação e consequências.

Cá pra nós: ser favorável ou contra o projeto original não há de fazer diferença nenhuma (salvo para Moro).

Raquel Dodge denuncia Collor ao STF por negócio que favoreceu João Lyra
Renan Filho convida Davi Davino a se filiar ao MDB e ser opção em Maceió
  • wal

    DEUS tenha peidade dos eleitores dos srs. COLLOR, CIÇO, PEDRO VILELA, ARTUR LIRA, MAX BELTRÃO, RENAN PAI,

  • Johann Sebastian Bach

    O povo brasileiro está maduro para se governar a si mesmo. Os políticos é que regrediram à idade das fraldas.

  • Carlos

    Não é nenhuma novidade a posição retilínea do senador Rodrigo Cunha,que está sintonizado com os anseios da sociedade . Só não foi novidade o voto do deputado Marx Beltrão,que é um camaleão politico dos grandes . Aqui em Coruripe, estou de olho em 2022,Rodrigo Cunha e Edinho do Hélvio (esse sim até presente data é oposição há cerca de 30 anos e nunca se vendeu a este grupo).

  • sertanejo cagota

    Só isso é pouco. Está muito tímido. Só foi eleito pq escondeu que era contra o Bolsonaro.

  • JEu

    O voto do Rodrigo Cunha foi coerente com o esperado por seu eleitorado… e ele sabe disso… afinal, recebeu “algumas dicas” daqueles que lhe confiaram o voto nas últimas eleições e adotou o procedimento adequado… quanto ao COAF ter saído do ministério da justiça e retornado ao ministério da economia, nada mais foi do que o resultado da “articulação” do governo Bolsonaro, que abriu mão dessa mudança em troca da aprovação da Reforma Administrativa… bem melhor que o “toma lá, dá cá” com o erário público… além do mais, o mais importante foi retirado das mudanças, que foi a permanência do direito dos integrantes do COAF comunicar ao MPF e à PF, sem passar primeiro por uma “autorização judicial”, a existência de “movimentações” financeiras suspeitas na rede bancária do país, para possíveis investigações e, por consequência, a abertura de processos… como diz o aforismo popular: foram-se os anéis, ficaram os dedos… então, não é nada demais, e o Sérgio Moro, em sua grandeza de caráter, que inclui o senso de dignidade pessoal, não se sentiu, nem precisa, se sentir diminuído, como querem apresentar alguns “interesseiros”…!!!

  • Thiago

    Ue, foi só jogar para a torcida pois já era algo definido que o COAF ficaria na tutela de Guedes e muito me estranha o senhor se iludir com isso

  • Glorioso

    Quem não deve não teme o ministro Sergio Moro – O probo.

  • Luiz Testa

    Não foi moleque, nem venal, nem bobo, só os corruptos temem as ações do Ministério da Justiça sob a batuta do Moro!

  • Alagoano Sonhador

    Senadores por Alagoas: Rodrigo Cunha (atual – continua), Alfredo Gaspar (2022) e JHC (2026)! Ainda verei esses nomes juntos no senado federal! Orgulho para os alagoanos!