Envolvida em outra questão aqui em Alagoas, já bastante conhecida, a Braskem anunciou (Folha de São Paulo) um pagamento adicional de R$ 410 milhões, no acordo de leniência firmado com a CGU (Controladoria Geral da União e a AGU (Advocacia Geral da União).

O pagamento é a complementação de outro acordo, firmado em dezembro de 2016, com o Ministério Público Federal (MPF), o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a SEC (Securities and Exchange Commission) e a Procuradoria Geral da Suíça – totalizando quase US$ 1 bilhão (cerca de R$ 4 bilhões) pelo seu envolvimento na Lava-Jato.

O novo valor adicional será pago em duas parcelas, em 2024 e 2025.

A Braskem foi alvo de ação coletiva nos EUA sob acusação de fazer declarações falsas e pagamentos ilícitos, o que complicou a vida da empresa na Bolsa de Valores de Nova Iorque.

Dirigentes do PDT já defendem saída de Ronaldo Lessa do governo
"Fumacê é solução politiqueira no combate à dengue", diz infectologista
  • JEu

    E ainda tem gente que defende que a empresa é um “mar de inocência”…!!! é só lembrar de quem é a maior acionista: Odebrecht… ainda bem que, parece, o povo acordou e começou a fazer as necessárias manifestações no Mutange… espero que se espalhem para a sede da empresa e para todos os locais de extração do minério… e se isso ainda não for capaz de fazer “acelerar” as decisões judiciais, que se estendam também para o TJ e para bairros que não foram atingidos, como Ponta Verde, Farol, etc, etc, etc…

  • Santos

    A QUEM VAI SER DESTINADO ESSES VALORES? Aos proprietários de imóveis danificados?
    E os imóveis que foram desvalorizados e que ninguém consegue comprador pelo preço justo?
    E os moradores que estão em depressão devido os problemas causados pelo problema do Pinheiro, vão ser indenizados?
    Os comerciantes que faliram, como ficam?
    E … … … … etc.

    É POUCO DINHEIRO PARA TANTOS DANOS CAUSADOS!

  • Carlos

    Quem é servidor público da velha guarda sabe… Faleceu o melhor governador que realmente se preocupava com os servidores públicos e foi em termos salarial e negociações que respeitava os acordos. Geraldo Bulhões, descanse em paz. O servidor está de luto.