A Defensoria Pública já decidiu que vai continuar atuando na Justiça Federal no caso Braskem/Pinheiro.

É lembrar que há cerca de dez dias o juiz Pedro Ivens, da 2ª Vara Cível da Capital, encaminhou a matéria para a Justiça Federal (está na 4ª Vara, com o juiz Sebastião Vasques), após manifestação do Ministério Público Federal – a questão trata de mineração, área da União.

Se o MPE não pode mais se manifestar na JF, a Defensoria entende que este não é o caso da instituição.

Então, é mãos à obra.

Desemprego cresce em Alagoas e Renan Filho segura o orçamento
Os bolsonaristas foram às ruas - e ponto
  • JEu

    Parabéns, mais uma vez, à Defensoria Pública do Estado, por sua dedicação e compreensão do alto dever que tem sobre os ombros, perante o povo alagoano, defendendo o interesse, sempre, dos mais fracos e desvalidos da sociedade alagoana… falta, ainda, a ação dos próprios moradores, como já o disse aqui mais de uma vez, tomando a iniciativa de fazer manifestações em frente da sede da empresa e dos locais de extração do minério, com bloqueios nas entradas, para demonstrar sua insatisfação e chamar a atenção da mídia nacional e, também, da internacional, para o caso…

  • WAL

    Se eu fosse um dos Moradores do Pinheiro ou bairros atingidos eu RESARIA E MUITO & COM MUITA FÉ NA JUSTIÇA DIVINA, pela minha família, não se enganem, essa novela, vai se arrastar por anos…igual as novela mexicanas.
    .
    Meu processo contra uma seguradora de UM CELULAR que cobrou uma garantia estendida, valor R$ 325,00. reais. se arrasta a quase 3 anos, no juizado de pequenas causas, na UFAL. e a empresa só tem um advogado, e a BRASKEM, tem um esritório em peso.
    .
    DEUS SEJA LOUVADO.

  • Johann Sebastian Bach

    O laudo da CPRM, “é a mancha de batom na cueca!!!”
    KKKKKKKKKKKKKKKKK…