O procurador-geral do Município de Maceió Diogo Coutinho faz questão de deixar claro que “não há uma disputa política em jogo”, mas ressalta que objetivo do Decreto de Calamidade no Pinheiro, Mutange e Bebedouro “é chamar Estado e União à responsabilidade”.

Ele ressalta:

– Nenhuma capital do Brasil tem condições de resolver um problema dessa dimensão sem a participação de todos os poderes, em todos os níveis.

No próprio texto publicado hoje, ele, Diogo Coutinho afirma:

“A calamidade mostra que todos os poderes têm que dar as mãos para evitar danos. O Município, por si só, não tem condições financeiras e técnicas de enfrentar uma situação dessa gravidade. Com a decretação de calamidade, fica formalmente evidenciado que Maceió precisa de apoio financeiro, de pessoal técnico capacitado e, primordialmente, da união de esforços para enfrentar esse problema, que é sem precedentes.”

Para o procurador-geral do Município “a gente tem que se preocupar com a solução do problema. Não há espaço para disputa política, apenas para a união dos esforços. O que nós vivemos, aqui em Maceió, é uma calamidade que a própria CPRM nunca experimentou no Brasil.”

Fala com serenidade, mas com a maturidade (que tem faltado por aqui).

Sugiro a leitura de matéria postada aqui no TNH1 sobre o Decreto Estado de Calamidade Pública.

Justiça bloqueia R$ 473 mil das contas do Estado para compra de medicamentos para HIV/AIDS
Defensoria quer explicações da Equatorial Energia sobre apagões
  • Julius Robert Hoppenheimer

    Repito: “Outro abalo sísmico, acima daquele de março de 2018, vai arrebentar toda capital, principalmente às partes baixas???”

    • Sofredor

      É este tipo de comentário sem nenhum embasamento,que prejudica os moradores dos bairros.

  • Morador de Bebedouro

    (BRASKEM). Gente como é que, todo o estado de alagoas, sabe que essa empresa. Está prejudicando centenas de famílias e agora 3 bairros. E ninguém na audiência pública teve coragem para denunciá-la. Como também os órgãos públicos do nosso estado. Temos 27 deputados estaduais, 9 federais e 21 vereadores. E todos eles estão calados, e vendo os bairros sendo desvalorizados e a população em panico. vivendo a base de remédios. e a BRASKEM em pleno funcionamento furando mais poços em BEBEDOURO. Como se nada estivesse acontecendo. Todo mundo já sabe que quem causou e está causando todo esse problema é essa empresa. E ninguém faz nada, todas as casas dos bairros: Pinheiro, Mutange e Bebedouro. Estão condenadas, valorização zero. E a Braskem em pleno funcionamento. Está furando outro poço ao lado de um hospital psiquiatrico em Bebedouro. Cadê o ministério público para parar essas atividades imediatamente. Daqui a pouco, toda a maceió estará comprometida com os problemas causado por essa mineradora. Que está desafiando todas as autoridades do estado de alagoas.

  • Há Lagoas

    “Para o procurador-geral do Município ‘a gente tem que se preocupar com a solução do problema. Não há espaço para disputa política, apenas para a união dos esforços. O que nós vivemos, aqui em Maceió, é uma calamidade que a própria CPRM nunca experimentou no Brasil.'”
    Não conheço o procurador, mas convenhamos, a uma inocência cândida em suas palavras… Mas gosto dos otimistas, mesmo aqueles que ultrapassam o limite da razão.

  • Luiz

    Caro Ricardo.
    Percebo claramente que existe um medo do poder público em responsabilizar os verdadeiros causadores dessa iminente tragédia, sabe-se por a+b que a Braskem é a bola da vez na cadeia de responsabilidades, visto que a própria produção da TV Pajuçara constatou em matéria veiculada, produziu um mapa sobreposto entre as minas da Braskem e a área vermelha. O resultado é que todos os 36 poços estão na área vermelha. É de causar espanto que nem o governo Federal e Estadual até o presente momento não tomaram qualquer medida proibitiva de paralização da extração de salgema pela Braskem.
    Por que será?

  • Morador do Mutange

    (BRASKEM). Gente como é que, todo o estado de alagoas, sabe que essa empresa. Está prejudicando centenas de famílias e agora 3 bairros. E ninguém na audiência pública teve coragem para denunciá-la. Como também os órgãos públicos do nosso estado. Temos 27 deputados estaduais, 9 federais e 21 vereadores. E todos eles estão calados, e vendo os bairros sendo desvalorizados e a população em panico. vivendo a base de remédios. e a BRASKEM em pleno funcionamento furando mais poços em BEBEDOURO. Como se nada estivesse acontecendo. Todo mundo já sabe que quem causou e está causando todo esse problema é essa empresa. E ninguém faz nada, todas as casas dos bairros: Pinheiro, Mutange e Bebedouro. Estão condenadas, valorização zero. E a Braskem em pleno funcionamento. Está furando outro poço ao lado de um hospital psiquiatrico em Bebedouro. Cadê o ministério público para parar essas atividades imediatamente. Daqui a pouco, toda a maceió estará comprometida com os problemas causado por essa mineradora. Que está desafiando todas as autoridades do estado de alagoas.

    • Gilberto Silva

      Tá sabendo mais que os geólogos? Vai parar atividade da empresa por suposição? E se forem os aqüíferos que foram drenados por anos pela casal sem nenhum tipo de contenção deixando o espaço oco embaixo da região?

    • Xavier

      Fácil! A empresa depois de causar todo esse problema, continuará empregando famílias e gerando renda[impostos], assim como possíveis acordos. Muita gente aí não quer perder a “mamata”. Muita gente perdeu tudo que investiu na vida, mas “eles” não podem perder nada, ou seja, Braskem precisa continuar bancando…

  • Oliveira

    “A calamidade mostra que todos os poderes têm que dar as mãos para evitar danos”É realmente isso que a população espera,mas que sinceramente ainda não está acontecendo de fato. Se cada um fizer sua parte a seu modo e a seu tempo não vai existir união. A situação vai além do lado financeiro da população e não se sabe onde isso tudo vai chegar…Primeiro a vida das pessoas e depois que seja esclarecido de quem é a culpa.

  • ALAGOANO REVOLTADO

    A matéria vinculada ontem, no Pajuçara Noite trouxe a seguinte manchete: Relatório da CPRM mostra que outro bairros estariam afundando. Sou morador do Farol desde 1985 e após essa matéria estamos preocupados e ao mesmo tempo, nós estamos tensos. Diante do que foi exposto, quero saber se os moradores do Farol também serão obrigados a deixarem para trás os seus imóveis? Nós teremos direito ao aluguel social? Uma vez que, o geólogo foi categórico ao afirmar que os bairros de Bebedouro, Mutange, Chã da Jaqueira, Pinheiro, Sanatório, Farol e Cambona corre o risco de desabar. E como a gente iremos ficar diante disso? Perguntar não ofende!

  • JEu

    Volto a dizer o que sempre disse: todos os politiqueiros do Estado (com raras exceções), em todos os níveis, estão de “mãos atadas” pois, com certeza, têm alguma “dívida de gratidão” para com a Brasken (leia-se Odebrecht)… assim, sabe-se que “em boca fechada não entram mosquitos”… agora, em “bolsos abertos” sempre podem cair alguma “ajuda”… senão, como alguém já disse acima, todos estariam exigindo uma investigação policial para a responsabilização dos responsáveis… hoje vi nas redes sociais um vídeo de uma cidade na Rússia onde também fizeram mineração de salgema… e o destino da cidade foi triste… afundou em tantos buracos sem fundo que dá pena de ver… além de ver surgir um grande lago salgado no local…

  • Israel Melo

    Impressionante, com uma empresa tem tanto poder sobre o poder público. A situação é completamente grave, não moro nas proximidades, mas percebo que a situação pode se agravar, não só naquela localidade mas em bairros como Vergel do Lago, Levada, Ponta Grossa, Trapiche da Barra e ´Pontal da Barra e quem sabe decimar uma cidade inteira uma vez que, a Braskem está em seu pleno funcionamento. Uma situação completamente desesperadora e sentimento de impotência terrível. Oque nos resta é pedir a Deus misericórdia e ter Fé que as coisas fiquem bem !

  • Observador

    Pessoal, eu analiso a coisa pelo lado humanitário! Se as autoridades competentes têm alguma informação que a coisa é gravíssima e pode haver mortes, então, já deveriam estar agindo urgentemente! Ver qual é a área total a ser afetada; Ir providenciando o cadastro de todos, visando a retirada de todos o mais breve possível da região sujeita a catástrofe; Já ir vendo urgentemente junto a CEF onde existem imóveis desabitados (apartamentos e casas), seja do Minha Casa, Minha Vida ou não; Ir providenciando urgentemente Auxílio Moradia para outros e que não haja atraso no pagamento do mesmo; Ir analisando e já ir definindo como vai ficar o tráfego/rota de veículo devido a interdição desta ou daquela via, antes que a mesma desmorone com veículos transitando ; Inclusive, pelo que se nota no mapa, até o deslocamento do VLT vai ficar prejudicado; Já ir estudando um local para construção de um grande bairro/conjunto residencial com toda infraestrutura (energia elétrica, internet, saneamento básico, escola, hospital, farmácia, hospital, panificação, etc.) para abrigar todos os moradores passíveis de ser atingidos por esta, digamos provável tragédia! Se realmente a coisa for gravíssima e não houver o quanto antes, uma tomada de decisão pelas autoridades competentes e ficar só nessa de reunião prá lá, reunião prá cá, protesto prá lá, protesto prá cá, não vai se resolver nada e os danos serão eternamente irreparáveis! Eu não moro nos bairros (Bebedouro, Mutange ou Pinheiro), mas, me sinto angustiado vendo o sofrimento daqueles moradores! Quando começa a chover, eu já fico pensando na situação daquela gente!

  • Eduardo Lopes

    Braskem acabou com o bairro do trapiche e agora vai acabar com os bairros do Pinheiro, Mutange e Bebedouro.
    E NINGUÉM faz nada!

  • Sertanejo Cagota

    Bolsonaro entrando é sinônimo de problema resolvido.