Marcos Holanda é uma novidade no movimento sindical alagoano, pelo menos para o grande público.

Médico, cirurgião do HGE, ele é o atual e vigilante presidente do sindicato da sua categoria, que andava silente desde tempos diluvianos.

O que ele diz sobre os hospitais públicos de Alagoas:

– Havia abastecimento normal no período eleitoral. Depois das eleições, em novembro do ano passado, tudo começou a mudar. A UNCISAL, que administra os hospitais, deixou de receber os repasses regulares e o caos se estabeleceu.

Convidado do Ricardo Mota Entrevista desta semana, Marco Holanda até elogia “as visíveis” melhoras no HGE, mas protesta e reivindica em nome dos seus colegas condições dignas de trabalho: “Queremos coisas simples: fios para sutura, medicamentos indispensáveis etc. Às vezes, um centro cirúrgico fica dois, três dias sem ar-condicionado”.

Para ele, “mesmo não sendo gestor”, não é difícil solucionar estes problemas do cotidiano das unidades de saúde pública:

– Se a gente sabe do que precisa, é possível planejar e executar as soluções, mas não é o que acontece há muitos governos, infelizmente.

O cirurgião é médico do serviço público estadual desde 2003, quando foi realizado o último concurso para a profissão em Alagoas.

Quanto recebe?

“Meu salário é de R$ 4.700,00. Ainda temos uma pequena gratificação, mas que vai embora com o imposto de renda”.

Qual a opinião dele sobre a precarização do trabalho médico?

O que ele pensa da terceirização dos serviços estaduais de Saúde?

São respostas que você pode conferir na boa conversa que vai ao ar no domingo.

Mas posso adiantar: do HGE, ele garante que “é o melhor hospital de urgência de Alagoas?”

Estou convencido de que sim.

Ricardo Mota Entrevista

Domingo, às 10h30, na TV Pajuçara

Convidado: Marcos Holanda – presidente do Sindicato dos Médicos

---------------------------------------------------
As 'boas novas' para o Planalto não são criações do governo Bolsonaro
  • williams Roger

    https://www.cadaminuto.com.br/noticia/336236/2019/03/22/usuaria-do-sus-denuncia-que-e-preciso-ir-a-justica-para-garantir-realizacao-de-exame

    Fato. Verdade. Muito lamentável.

    Há 4 meses não faz endoscopia. Só como exemplo. Avalie tantos outros exames. Um vergonha para o governo. Pior para os usuários.

  • JEu

    É mais uma voz que se ergue e aponta para o que é indiscutível por estas bandas: tudo o que o governador mininim fez, ou disse que fez, no ano passado teve um único fim: garantir a reeleição para ele e o papito… depois disso, o que é muito óbvio, tudo caminhou rapidamente para o caos total na saúde do Estado… talvez volte a ter alguma melhora quando 2022 chegar… até lá, que Deus tenha piedade do povo alagoano…

  • Ronaldo

    Deixe-me discordar um pouco… O HGE não É e sim sempre Foi…Excelentes profissionais, equipamentos modernos e etc.Infelizmente esta perdendo a meu ver a sua identidade. ”essência”.Não estou falando de pessoas que entram e sai da instituição e sim de outros fatores essenciais para o bom funcionamento. Daqui a pouco ta virando uma Upa.Lista quilométrica para cirurgias e pessoas que estão na upa precisando ir urgentemente para o Hge e não são transferidos.continua…

  • Ronaldo II

    … Onde está o hospital de urgência e emergência??? Outro detalhe importante é a maneira em que as mudanças ”visíveis” estão acontecendo. Gestores precisam “Abraçar a causa” sem remendos e teatro.Trabalhar diariamente em prol do bem comum: valorizando, motivando e principalmente ser humilde e ter empatia.” 100% dos clientes são pessoas, 100% dos empregados são pessoas.Se você não entende de pessoas, você não entende de negócios” Simon Sinek- Simples assim

  • Dignidade

    Dinheiro tem e de sobra, afinal o nosso país tem as maiores cargas tributarias do mundo. O que acontece é que só querem saber do povo na hora do voto. A tal historia é a seguinte: Se os outros estados vivem na calamidade porque seremos diferentes? Esquecem que a saude é um direito de todos e dever do estado. Quanto as mudanças “visiveis” percebe-se que a população e os profissionais não estao mais omissos e coniventes, salvo é claro em alguns casos.E que economia significativa não deve ser feita tirando de um lado e gastando o triplo em outro. O povo paga os impostos e não aceitam mais esmolas. Que venha 2022 Jeu!

  • RUI

    MUDANÇAS DO TIPO REALIZADAS DEPOIS DAS FISCALIZAÇOES E DENUNCIAS SIND.POLICIAIS, COREN/COFEN,DEFENSORIA/MP,POPUPULAÇÃO,SERVIDORES,FORNECEDORES EM TEMPO DE ELEIÇÃO NÃO CONTA NÉ? INDEPENDENTE DE A OU DE B É OBVIO QUE SERIAM EXECUTADAS. EU QUERO SABER É DEPOIS DAS ELEIÇÕES O QUE MELHOROU? SE NÃO VAI PRECISAR DE DENUNCIAS? OU SER EMCOBERTO A REALIDADE? OPSS! CONTINUAM REGULARMENTE AS RECLAMAÇÕES. PARABENS AO SR. MARCOS HOLANDA PELA INICIATIVA JUSTA

  • Carlos

    Precisamos saber o porquê da exoneração do secretário da saúde e não foi aproveitado até presente data no governo Renan Filho. Comentários se foi é preciso o ministério público por ter assinado a liberação e assumido dívidas com os hospitais uncisal e o governo é que está por trás da realidade de sufocar essas unidades e o dinheiro ser direcionado para o novo hospital geral e no entanto o preço todos sabem falta de medicamentos, pagamentos dos fornecedores entre outras perversidades com os pobres dos pobres que precisam do sistema público de saúde. Muita coincidência o secretário submergido. É bom investigações para esclarecimentos.

  • Silva

    Reduzir custos só faz sentido quando a qualidade dos serviços e a segurança dos pacientes não são comprometidas.

    • Renato

      Antes o HGE era um hospital de “portas abertas” e hoje é de “portas fechadas”, e esse é o motivo da diminuição de pacientes nos corredores. Seria um excelente trabalho se não existisse filas para cirurgias,pacientes mandados pra aguardar em casa sem tratamento ou que as upas e os municípios tivessem equipamentos e medicamentos necessários para diversas especialidades ao ponto de não existir negligências.

  • JUNIOR

    Os governantes precisam entender de uma vez por todas que a saúde é um direito e não um negocio.

  • Carlos

    Quem está enterrando ainda mais a cabeça de boi na saúde é o atual governo Renan Filho, com o tempo às coisas vão clareando. Olha às unidades de saúde da uncisal, sempre tiveram dificuldades e no entanto nesse governo a coisa ficou insuportável. Tem fundamento o dinheiro está sendo usado no novo hospital a um custo para saúde do pacientes e fornecedores muito alto.

  • carlos cesar

    Essa prefeitura de maceió é uma calamidade publica, ha 3 anos que eu reclamo que tem uma uma boca de lobo em frente a minha casa que está com a tubulação quebrada e já esta formando uma cratera e ninguem toma providencias. Já liguei tanto para INFRAESTRURA e nada. inclusive já falei mais de 5 vezes com tal de engenheiro que resolve nada e diz que vem toda semana e nada. Moro na rua antonio sebastião das neves 176, conj. eustaquio gomes de melo I. Espero providencias

  • JOANA

    A PF já está de antena ligada em alguns hospitais aqui do estado e com os H. públicos não vai ser diferente, vamos aguardar a bomba estourar completamente e ver as figurinhas famosas nos meios de comunicação de todo o país e saber CADÊ O DINHEIRO QUE ESTAVA AQUI? “Esta em curso uma das maiores operações ja realizada na esplanada dos ministérios , com o alcance no governo passado e atual…Para a organização criminosa investigada pela PF e ministério publico com apoio AGU,saúde não tem preço, tem custo”.

  • Injustiça

    Os funcionários públicos são taxados de descansados e preguiçosos por pessoas que não tem competência de passar em concurso na sua área,mas não é bem assim…muitos de nós somos extremamente qualificados,mas para o governo isso não importa,tanto é que não paga nossas progressões e direitos. E ainda temos que ver “comissionados” sem experiência ganhando o dobro para servir apenas de olheiro. Os funcionários públicos precisam ser respeitados.

  • Gentil

    A realidade da nossa saúde pública é essa da reportagem e muito mais…Excelente matéria e reportagem. Faz tempo que não vejo tanta sinceridade.Obrigada por ser um dos poucos defensores da população alagoana.

  • Fornecedor desesperado

    3 Secretarios de Saúde no governo Renan Filho e nada de pagar aos fornecedores! Quero só ver se esse Alexandre vai fazer igual a Cristian Teixeira o gestor mais arrogante de toda gestão do Governo Renan Filho. Alexandre Ayres pague aos poucos todos nos fornecedores precisamos receber o que esta em atraso desde 2014/2015/2016/2017/2018