Assim como conquistou os votos dos seus para ser eleito por (quase) unanimidade presidente da Assembleia – e deverá ser reeleito ainda este semestre -, o deputado Marcelo Victor tornou-se o porta-voz dos parlamentares governistas junto ao Palácio República dos Palmares.

Por lá, ressalte-se, ninguém se nega a conversar com o governador Renan Filho, mas o objetivo – com exceções – é fazer de MV a ponte que leva ao poder.

Não se trata, ao que parece, de mágoas pelo comportamento de Renan Filho nos expurgos de janeiro, mas de confiança conquistada – e não foi por ele.

Como disse um parlamentar governista, “a mão de Marcelo Victor é mais pesada”, seja lá qual for o sentido mais exato da frase.

De Carlos para Jair: "Quem herda não rouba"
Secretário Rafael Brito continuará sendo o que sempre foi
  • CHEGA!

    Estude! Mais quem ganha dinheiro não faz isso! Até quando viveremos nessa inversão de valores?Quando é que teremos uma sociedade que preza a meritocracia? O pior que o nosso estado está inflando de alpinistas sociais. São negociados cargos,diplomas e até vidas….A população precisa de dignidade e respeito.Saude, educação…de verdade.Nao é possível que não exista um único órgão de fiscalização que não seja corrompido.PF bote pocando nesse estado de mer…para que possamos ter a paz ao invés de quererem calar a voz do povo. CHEGA de tanta prepotência! O povo está morrendo à míngua.

  • JEu

    E tudo permanece como dantes no castelo de abrantes… nada novo… sempre a mesma politicagem de sempre e com um único objetivo: se aproximar do “erário público”… e não sei como o mininin vai conseguir sair dessa camisa de sete varas… afinal, sua administração deixa claro o interesse em “se proteger”, senão vejamos o que encontrei alhures:

    JOÃO PEDRO PITOMBO – SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) – O governador de Alagoas, Renan Filho (MDB) nomeou para ocupar cargos em sua gestão pelo menos dez parentes de membros do Judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado.
    Ganharam cargos filhos, sobrinhos, irmão e genro de integrantes de órgãos que têm como função investigar, julgar e fiscalizar as contas do governo do estado. Cinco deles ocuparam cargos no primeiro escalão do governo.
    As nomeações não são ilegais nem se enquadram no entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre nepotismo. Por outro lado, podem gerar questionamentos a imparcialidade dos conselheiros e magistrados que venham a analisar contas, fiscalizar ou julgar casos que envolvam o governador e o governo do estado.
    O governador Renan Filho foi procurado para comentar as nomeações, mas não respondeu aos questionamentos da reportagem.
    No Tribunal de Contas do Estado, três conselheiros têm parentes próximos ocupando cargos relevantes na gestão Renan Filho. O órgão, ligado à Assembleia Legislativa, tem como função primordial fazer auditorias, investigar e julgar as contas do governo estadual.
    O presidente do colegiado, conselheiro Otávio Lessa, tem o seu genro Rafael Brito como secretário de Desenvolvimento Econômico e a sua filha Mariana Lessa como assessora de comunicação do governador.
    A conselheira Rosa Albuquerque tem o seu filho Arthur Albuquerque no posto de secretário do Trabalho.
    Já a conselheira Cleide Bezerra tem o seu sobrinho Luiz Pedro Bezerra ocupando o cargo de chefe do Instituto de Metrologia de Alagoas.
    Lessa informou que não teve participação nas nomeações e afirmou que não vê motivos para se declarar impedido de analisar e julgar contas do Poder Executivo estadual. As conselheiras Cleide Bezerra e Rosa Albuquerque não se pronunciaram.
    As nomeações se repetem no Judiciário estadual, que com frequência julga casos de interesse do governo do estado.
    O desembargador Domingos Neto tem o seu irmão, Coronel Lima Júnior, como secretário de Segurança Pública. O sobrinho do desembargador Otávio Praxedes, Bruno Praxedes, é assessor especial do governador. Já a filha do desembargador Washington Luiz, Melina Freitas, foi nomeada secretária de Cultura.
    Todos negam ter ligação com a nomeação dos respectivos parentes. Domingos Neto diz que o cargo que seu irmão ocupa é resultado da experiência dele na área da segurança pública. E destacou que, desde a nomeação, se absteve de participar de julgamentos de processos que envolvam a pasta por ele comandada.
    Otávio Praxedes informou que seu sobrinho atua na política desde 2004 e não vê motivo para declarar-se impedido de apreciar casos que envolvam o governo de Alagoas.
    Na Justiça Federal, o desembargador do Tribunal Regional Federal da 5º Região, Paulo Cordeiro, tem o seu filho Felipe Cordeiro como chefe do Gabinete Civil do governador. Ele informou que não se manifestaria sobre o assunto.
    Já o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho, Antônio Adrualdo Catão, teve o seu filho Adrualdo de Lima Catão nomeado para a chefia do Detran em Alagoas.
    Também há nomeações de parentes de membros do Ministério Público. O procurador-geral Alfredo Gaspar de Mendonça teve o seu filho Carlos Mendonça Neto nomeado para a Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas.
    Gaspar chegou a ser secretário de Segurança na primeira gestão de Renan Filho (2015-2018), mas foi afastado do cargo após questionamento do STF, que entendeu que um membro do Ministério Público não pode ocupar cargos no Poder Executivo.
    No ano passado, o procurador-geral chegou a ser cotado para disputar uma vaga no Senado pelo PSB, que integra o grupo de oposição. A decisão de não concorrer acabou beneficiando o pai do governador, o senador Renan Calheiros (MDB), que foi reeleito.
    À reportagem o procurador-geral Alfredo Gaspar informou que não teve relação com a nomeação do filho, que “é independente e responsável pelas suas próprias escolhas”. E disse que a nomeação não o impediria de conduzir uma possível investigação que envolva o governo de Alagoas ou o governador.
    “Minha história profissional, com investigações e denúncias em desfavor de inúmeros agentes públicos, demonstra que o meu único compromisso é com a lei”, afirmou.
    Outro filho de membro do Judiciário fez parte da equipe do governador até janeiro deste ano: Christian Teixeira, ex-secretário de Planejamento e Saúde. Ele é sobrinho de Humberto Martins, ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) conhecido pela relação próxima que mantém com Renan Calheiros.

    • Carlos

      Pois é junte-se aos fortes e será mais um. Por isso que governador pisa na constituição e só concede reajuste para este grupo seleto. Cadê o governador que se pronuncia para reajustar os pobres entre os pobres dos servidores,já a assembleia legislativa e o poder judiciário ele adiantou logo no inicio de dezembro de 2018,aproximadamente 9%.

    • Teobaldo

      E isso é o topo da pirâmide. Imagine só os demais que não são mais querem ser e estão espalhados estrategicamente no estado. Tem gente que tem 5 empregos e eu quero ver dar uma hora de serviço. Só aparecem raramente pra mostrar que existe nem que seja na ficção.Quanto ao Marcelo Vítor eu torci pela sua vitória, mas o importante é a sua postura daqui pra frente.

  • João

    Os alagoanos estão esperando de Marcelo Vitor autonomia. Essa é a oportunidade de se construir uma nova ALE.

  • Tatá

    A única instituição, para mim, de confiança em Alagoas é a Polícia Federal, nela que concentro minha esperança, pq os MPs daqui só gostam de prefeitos insignificantes e de traficantes mequetrefes. Falam tanto do MP estadual, mas pelo menos se esforça, mas e o MPF? Enquanto quem estiver na ponta for parente de grandes escritórios o MPF não vai fazer nada, muito menos colaborar com a PF. Alagoas é um dos poucos Estados que não pegou os peixes grandes, mas pq? Por aqui políticos e alguns membros do judiciários moram em imóveis acima de 3 milhoes e ninguém quer saber como esses imóveis foram adquiridos. Aqui em Alagoas os ricos não saõ empresários, são políticos, membros do judiciário, funcionários públicos e lobistas. Ah… mas aqui isso é bem normal . Eu queria que a Polícia Federal colocasse a boca no trombone e falasse pq não consegue trabalhar em Alagoas, pq vários delegados eficientes pediram remoção, pq só assim a população saberia pq essa turma esbanja dinheiro e ninguém faz nada.

    • Carlos

      Exatamente aqui em Coruripe, teve um promotor de esquerda barca furada que vivia mais na casa do dono da cidade do que no fórum. Certa vez foi assistir a explicação de como o estaleiro era o maior empreendimento do estado bateu tenta palmas para os Beltrão que saiu de mão rocha. Resultado do estaleiro fuiiii

  • Carlos

    Pronto os servidores públicos, se já estão ferrados a tendencia é piorar. Esses acordos tem um custo financeiro e por ser lado mais fraco isso significa reajuste zero a esquerda. Grana na terras dos Marechais do contribuinte pobres dos pobres existe só para poderes legislativo e judiciário.

  • Katia

    Relato verídico de uma conversa em faculdade particular do estado.“ Amiga você só precisa pagar as mensalidades, o conhecimento por essas bandas não tem valor é só se aliar as pessoas certas. Fulano e beltrano tem conhecimento com…que podem facilitar seus caminhos acadêmicos e profissionais é só isso que precisamos.Descobrimos suas fraquezas e BINGO!Agente facilita a vida deles e eles a nossa. Uns precisam que massageiem o ego, outros carinho, uns companhia, uns precisam ser populares e outros de laranjas…O que importa é acharem que estão no controle.Quando agente conseguir aquele serviço “comissionado“ sem generalizar…começamos do zero.“É muito triste ver os valores éticos e morais sendo sepultados diariamente.Aonde vamos parar?! Selva!!!

  • Ranier

    Um estado com tanto dinheiro e o povo sem saúde,sem emprego,sem educação. Tanta modernidade e só andamos de ré. Quanto pior para o povo melhor pra eles. Tem gente conhecido na mídia que esta fazendo ate feitiçarias para não perder o serviço comissionado.O Umbral esta esperando…

  • Santos

    É público e notório que Renan Filho é um refém da Assembleia Legislativa e governador nenhum governa sem o apoio dos deputados. Da mesma forma que não faz nada colossal no Estado sem o apoio do Governo Federal. Lamentável a situação dos alagoanos, que a cada dia perde as esperanças de uma Alagoas próspera e feliz, por causa de questões políticas-partidárias, que só interessam a poucos em detrimento de muitos.

  • A novela na saúde continua….

    Em pleno início do carnaval a justiça determinou a transferência imediata de 13 pacientes oncológicos que se encontravam no HGE ,através do Juiz Rodolfo Osório que advertiu que o descumprimento caracteriza crime e desobediência os mandados de intimação foram aos gestores da saúde do estado e município e para a diretora geral HGE. Lembrando que a 5 anos foi determinado em sentença uma liminar que obriga os responsáveis a realizar as transferências com continuidade já que o estabelecimento não é especializado para esse tipo de atendimento.

    • Rogério

      E o pior é que estão mais preocupados com a notícia chegar a mídia do que fazer o que é justo e certo.

  • Jg

    Boa noite.
    Robério Ribeiro, a família dele que o diga.