Eu acredito que a interferência da Justiça Eleitoral nas questões internas dos partidos deve ser reduzida drasticamente, até para que seja levada a sério.

Ressalto: os partidos – no mundo todo – são organizações autoritárias, em regra, comandadas pelos caciques.

Nem os “novos tempos” conseguiram mudar esta realidade, muito menos a errática interpretação da Lei Eleitoral pelo TSE – a cada eleição.

Basta ver o que determina o calendário eleitoral de 2018 para constatarmos que estamos diante de uma fake news oficial.

O que está escrito é para inglês ver.

E o que diz o tal calendário?

Que a propaganda intrapartidária dos candidatos, sem uso do rádio, televisão e outdoor, só é permitida a partir de 5 de julho.

A balela é autoexplicativa.

As convenções partidárias, que definem as coligações e os nomes dos candidatos, acontecem de 20 de julho a 5 de agosto.

Eis uma meia-verdade, porque a verdade (quase) inteira só aparece quando dos registros das candidaturas, em 15 de agosto.

No dia seguinte, 16 de agosto, os candidatos estão autorizados a começar a campanha de rua, inclusive na internet (!!!!).

É uma piada

Mulher e tucana: a possível suplente de Rodrigo Cunha ao Senado
Servidores estaduais devem perder promoções do governo GB
  • Juliana

    Como tudo nesse estado uma piada de mau gosto.

  • marcelo

    verdade!!

  • JEu

    Ou seja, a lei no Brasil (e não só eleitoral) só serve mesmo é para cobrar impostos do cidadão… o resto, assim como quem elaborou, votou ou interpretou as leis, é somente “resto” mesmo…!!!