O projeto que antecipava para julho a (re)eleição para a presidência do Tribunal de Contas foi descartado na sessão de ontem da Assembleia.

E sem votação – por falta de quórum.

A Casa entrou em férias (escolares?), só retornando em 1º de agosto, em plena campanha eleitoral, quando a ausência dos deputados em plenário será ainda mais marcante.

Outro projeto do TC, criando 36 novos cargos em comissão por lá, também ficou para depois, mas sabe-se lá quando – e pelo mesmo motivo.

A extinção do projeto eleitoral do palácio de vidro da Fernandes Lima só aconteceu graças às emendas apresentadas pelo deputado Rodrigo Cunha.

Mas os corredores da Assembleia dizem que o Palácio República dos Palmares aproveitou a oportunidade para empurrar a matéria ladeira abaixo.

A explicação é lógica: se Rosa Albuquerque fosse reeleita já – e não em dezembro, conforme o Regimento Interno do TC -, o irmão dela, Antônio Albuquerque, estaria ainda mais fortalecido para a campanha eleitoral e para novas negociações com o Palácio.

Assim, o primeiro-tio Olavo Calheiros teria comandado o esvaziamento do plenário da Casa de Tavares Bastos.

É briga de gente grande.

O deputado AA, presidente do PTB, pode até tentar uma sessão extraordinária, mas não deve ter sucesso.

É aritmética: acidentes aumentam 40% em Maceió sem os pardais
Fora da disputa presidencial, Collor vira assombração no Palácio
  • JEu

    Finalmente e por motivos puramente pessoais e politiqueiros (entenda-se por pressão da opinião pública…) o restante dos deputados estaduais, liderados, como dito acima, pelo Olavo Calheiros (em defesa dos interesses do clã) resolveram apoiar (indiretamente) a ação de Rodrigo Cunha e afastar (por enquanto) a concretização dos desejos (inconfessáveis) do AA… agora é o povo continuar de olhos bem abertos contra essa turma “manhosa” que só tem por interesse o próprio benefício… Parabéns, mais uma vez, ao Rodrigo Cunha, nosso futuro senador…

  • Sérgio Eduardo

    Se o Renan filho n se ligar vai passar os próximos quatro anos refen do Antônio Albuquerque como o Ronaldo lessa ficou.

  • Carlos

    SAI DA TOCA RONALDO LESSA. É O MOMENTO CERTO PARA GOVERNAR O ESTADO PELA TERCEIRO VEZ! FORA GOVERNADOR DESNATURADO.

  • Antonio Carlos de Almeida Barbosa

    Pois é, velho Mota, Jeu e caríssimo João, nada de concurso público para o Tribunal de Contas, todos pela janela da imoralidade, passou da hora da realização do concurso público limpo e decente, quando será que uma gestão irá fazer justiça para a nossa sociedade e realizar concurso público, que é a única forma justa e democrática de preenchimento de cargos, quando todos os cidadãos tem direitos iguais de concorrência, adentra-se pela meritocracia, sem indicação, sendo independente, com autonomia de ação, e não sendo escravo do dono do cargo indicado, fazendo maus feitos para não perderem o cargo, prejudicando a sociedade, requer-se uma ressalva, concurso limpo.
    Chega de cargos comissionados, pois todos os servidores do TC são de cargos comissionados, pois nunca houve concurso público para o TC, com exceção dos Procuradores, que são em meia dúzia.
    Basta, concurso público para o Tribunal de Contas, digo mais, aquele Presidente que conseguir realizar o concurso publico no TC, direi que o impossível no TC não mais existirá, e o Gestor ficará na História.
    Espero uma ação do Ministério Público do trabalho, Ministério Público Estadual, e apoio dos Procuradores do Tribunal de Contas, exigindo que seja realizado o primeiro concurso no TC.
    Vamos manter as esperanças, apesar de que em Alagoas, a esperança é a primeira que morre, infelizmente.