A relação entre o senador Fernando Collor e o colega dele Renan Calheiros foi definida com exatidão por um ex-amigo (?) de ambos: “Eles convivem juntos, mas um não confia no outro”.

No novo cenário da política local, com Renan Filho correndo sozinho para a reeleição, o ex-presidente aparece como uma assombração para os palacianos, depois que o presidente nacional do PTC, Daniel Tourinho, disse que o partido não terá candidato a presidente da República.

Motivo: as acomodações regionais e a necessidade de fazer deputados federais – principalmente – para sobreviver.

Aliás, o filho do ex-presidente, Fernando James, já está com a campanha à Câmara Federal na rua.

O que o senador fará agora?

Eis uma dúvida que Renan pai e Renan Filho terão de carregar até o final do prazo para a realização das convenções – 5 de agosto (começam em 20 de julho).

Collor sempre contou com o fator surpresa nas eleições que disputa em Alagoas – com exceção da última – e sabe que em 2022, terminando o segundo mandato de governador, Renan Filho será seu adversário, inevitavelmente, ao Senado.

Com a máquina na mão, o mais provável é que o atual e futuro governador entre na disputa como favorito.

E agora?

As pesquisas internas mostram que há um grande espaço para uma disputa agora, com a grande quantidade de indecisos e de potenciais votos nulos e em branco.

Não dá para cravar nada sobre o futuro imediato do ex-presidente – nem descartar.

Ação suprapartidária barra (re)eleição em julho para presidência do TC
Renan Filho reacende esperança de receber R$ 1,7 bilhão da Ceal 'estatal'
  • Chega

    “Eles convivem juntos, mas um não confia no outro” – alguém em sã consciência confia neles???

  • Williams Roger

    Já vi muita frustração com o tal de “já ganhou”!

    • JOTA ALVES

      estou apostando que os votos nulos e brancos, vence renan filho

  • wal

    FORA OS:
    Coronéis do Sertão
    Clãs dominantes
    Sr.Feudais
    Munhecadas
    Navalhos
    Os taturanos / taturaninhas
    OS LAVAJATÁVEIS
    Bem como seus familiares e os mui amigos.
    .
    Trocando em miúdos; FORA – FERNANDO COLLOR.
    .
    VOCÊS VÃO VOTAREM NELES ????

  • Zé da Zeca

    Pega mal defender industria da multa. fica a dica.

    • Luiz Antonio

      Quem defende deve ter motivos sólidos, bem palpáveis e certezas inabaláveis…

    • Lion

      Caros, não existe indústria da multa. Existe uma grande parcela de motoristas irresponsáveis, que não conseguem andar na linha. Existe uma grande parcela que não consegue respeitar a lei. E ainda temos, para tristeza geral, defensores daqueles. Por isso que somos, e ainda continuaremos ser, o mais pobre entre os pobre por muito tempo.

      • Luiz Antonio

        Se não fossem os inocentes úteis o que seria dos governos larápios que distribuem migalhas e se arvoram de pais dos pobres, enquanto a própria familia enriquece sem trabalhar, a destinação dos milhões arrecadados com esse tipo de multa produzidas por seus maliciosos pardais, há um estudo de engenharia de trânsito para a localização dos mesmos, é nebulosa e lesiva a economia popular, a JUSTIÇA constatou isso! Lobista defendendo esse negócio eu até entendo… mas contribuinte é estranho…

    • Daniel

      A indústria da multa só existe porque há farta matéria prima!!! (Se é que vc vai entender)

      • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

        O excerto infra é parte de um texto nosso, datado de 1997, editado em 1999, no Jus Navigandi, a saber:
        “Ademais, de que adianta instalar esses redutores em determinados pontos da via ou estrada, se, logo adiante, estes mesmo usuários excederão à velocidade máxima permitida, para recuperar o atraso gerado por causa do sensor? Será que se busca mesmo preservar vidas? Ou há outros interesses?? Explico.
        E a razão é muito simples: tudo gira em torno do vil metal e do poder econômico, que se alimenta através dessas centenas de milhares de multas e inúmeras empresas de cintos de segurança e de radares ou sensores.
        Se, comprovadamente, é a bebida e o excesso de velocidade que causam acidentes fatais a criminalização destas só age nos efeitos e não na causa, assim como no caso das armas de fogo. Logo, bastante seria inibir e coibir as causas para não haver os efeitos. Vale dizer: fabricar os veículos com a velocidade máxima permitida pelo próprio CTB; proibir o comércio de bebidas alcoólicas, mormente nas estradas e rodovias e, principalmente, proibir e fechar as fábricas de armas de fogo do país. Sendo bastante dar-lhes um prazo para modificarem suas finalidades com vistas a venda de seus produtos, para evitar um problema social. Ou seja: estas passariam a produzir outro bem de consumo que não bélico.
        Todavia, não é a vida humana e muito menos ainda o exorbitante número de mortes que conta ou que interessa aos governos e administração pública, mas sim o quanto se pode arrecadar e espoliar dos usuários e contribuintes, para aumentar mais e mais o bolo da arrecadação; enquanto as estradas, vias, ruas e rodovias permanecem péssimas, esburacadas, intransitáveis e sem nenhuma sinalização, orientação, segurança ou conforto aos seus usuários. Esta é a nossa dura e cruel realidade.
        Porém fica uma questão: onde está e em que é aplicado o montante de dinheiro arrecadado com taxas, notificações, multas e impostos de IPVA, de transferência, de licenciamento etc.? Com a palavra o Poder Público. E uma lembrança: “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”. – Na íntegra in https://jus.com.br/artigos/1750/sensor-fotografico-eletronico
        Abr
        *JG
        P.S.: http://gouveiacel.blogspot.com/2018/06/a-falibilidade-humana-versus-preciosos.html

  • JEu

    Se a única opção de oposição para o governo do Estado for o collorido, então, com certeza, vou anular meu voto… ainda posso votar em Ronaldo Lessa… ou qualquer outro, menos nesses dois: Reinãozinho ou Collorido…

  • Bruno Gama

    #anticalheiros
    #anticollor
    #antibiudelira

    #rodrigocunhasenador

  • Pedro indignado

    Já pensou o castigo em dose dupla. Renan Filho e Collor, candidatos a governador, anular o voto em dose dupla. Vai Ronaldo Lessa, sai da sinuca de bico e com os seus todos os defeitos é no momento o melhor candidato para derrotar este jovem desumano.

  • Sérgio Eduardo

    Se o Calheiros n entra em conversa com o collor com certeza ele sairá candidato ao governo com apoio do bio de lira. O problema é q os Calheiros n querem acumir um compromisso com o collor pois ele quer indica o vice-governador