A delegada Fabíola Prado anunciou hoje que a Polícia Federal vai criar um grupo de repressão a crimes cibernéticos para atuar nas eleições deste ano.

Ela participou da reunião realizada no TRE, pela manhã, convocada pelo desembargador José Carlos Malta, presidente da instituição.

A ideia é integrar todas as forças que vão atuar no pleito deste ano, começando desde já, portanto.

O novo foco – tema bastante atual no mundo todo -são as chamadas fake news, nome internacional dado à mentira que circula pela internet.

Malta pretende que Alagoas dê exemplo para o país na repressão a esse tipo de crime cada vez mais comum.

Por óbvio, a PF terá papel fundamental nessa ação.

Representantes da Segurança Pública também participaram do encontro, em que o presidente do Tribunal comunicou oficialmente a redução do número de zonas eleitorais em Alagoas (pelo TSE) este ano: de 55 passamos a ter 37.

O prejuízo maior será para o Sertão.

MP quer anular decisão de Celyrio Adamastor que beneficiou taturanas
Números da violência crescem com impasse entre governo e militares
  • Williams Roger

    Tomara que não vire “instrumento” de censura e caça às liberdades de opinião e expressão!

    As redes sociais, INCOMODA, e muito, quem anda errado!

    Pois só com as redes sociais, é que podemos saber das verdades, de compartilhar informações e externamos as nossas indignações e opiniões. Além de alertamos os outros cidadãos.

  • Maceioense Oprimido

    Você tem razão Williams Roger, por outro lado a população que não mente vai ficar cada vez mais esperta e inteligente e vai denunciar mesmo e com provas que não é difil de ocultar quando se faz o errado.O que pode ser uma opressão, vai ser a melhor arma do povo. Seremos nossos proprios detetives e nosso proprio defensor, sempre olhos abertos)Provar e exigir que a justiça se cumpra da parte deles.” Quem com fogo fere,com fogo será ferido”.

  • JEu

    Gostaria que a PF também abrisse um canal para encaminhamento de vídeos e áudios nos casos de compra de votos, como denúncia anônima, para melhorar a apuração desses casos de crimes eleitorais… assim, quem sabe, já poderíamos contar com um maior nível de lisura no pleito e permitir que candidatos que não se utilizam desse “recurso” tenham uma melhor chance…