Muita gente duvidou que Alfredo Gaspar de Mendonça, o procurador-geral de Justiça, não tivesse interferido no andamento da Representação feita por ele, em 2015, contra a jornalista Maria Aparecida, que foi presa na última segunda-feira.

Deixo aqui dois argumentos para reflexão, que vão ao encontro do que afirmou o chefe do MP Estadual:

– Um das justificativas apresentadas para o pedido da prisão da jornalista foi o de que ela nunca era encontrada para a citação, nos processos a que responde, nos endereços mencionados. O serviço de inteligência do MPE, sabe-se, é o mais eficiente no âmbito estadual e poderia muito bem, com a ordem de Mendonça,  localizá-la.

– O decreto de prisão de Maria Aparecida é de 27 de março, dez dias antes do PGJ decidir que não seria candidato a senador, contrariando a expectativa geral. Se decidisse o contrário, começaria a sua campanha sob o bombardeio amplo, geral e irrestrito de uma parcela significativa a população, como ficou claro agora.

Pode haver contestação ao que está exposto acima, mas eu não consigo ver Alfredo Gaspar – independentemente de outros julgamentos – como um servidor desprovido de inteligência.

O erro, está claro, foi cometido. Há de se questionar por quem.

Celyrio Adamastor libera "taturanas" condenados pelo TJ para disputar eleição
Prisão de jornalista foi baseada na Eumenêutica brasileira
  • Até tú ?

    Nunca me enganou !

    • ANA LUIZA

      Nunca me enganou 2

    • Semana: 1 leão ao DIA, rotariano sobremesa DOID@ demais-quaGe REI!

      ôI, ‘Até tú” entrando em briga de CACHORRO GRANDE? … rsRs
      > Na casa do Expedito, cheia de mosquito: macumba?
      – Meus ÓI esquisito, urucaca da velhaca: pata trapaça!
      > Das braba n’arengada de mulata: cachaça venenosa?
      – Cangibrina maldosa abrideira aca açu KaÑha pinga Copa 2018
      > Engasga-gato cUm medo: caxôRRo grande no PAGODE Ruço]
      – ½ Nôte fogo PORRE: carraspana chuva ema fogo ganso gata jornÁ
      [Engasga GATO], K Dinucci
      https://www.letras.mus.br/kiko-dinucci/1645147
      E ‘tú Até’ com 2 (dois) acentos um no ‘E’ e ôto no Úi?
      > Malunga água de briga marafu maria branca
      – Entoava na subida e 3 tombo na barranca [IbIdEm]

  • Joao Pedro

    Ricardo, é fato gravíssimo, como é que a pessoa não é encontrada para ser citada e é determinada sua prisão? De toda sorte é gravíssimo. Há outros meios de se encontrar uma pessoa, JAMAIS prisao. Aos ofendidos há danos morais, não prisão preventiva.

    • Ellson Teixeira

      A prisão preventiva é uma prisão cautelar que tem o objetivo de evitar que o acusado cometa novos crimes ou ainda que, em liberdade, prejudique a colheita de provas (destruição de evidências, intimidação de testemunhas, por exemplo) ou perigo de fuga segundo termos dos artigos 311 a 316 do Código de Processo Penal.

      Se ela foi notificada citada mais de uma vez e não se apresentou espontaneamente. Se configura fuga e se faz preciso a execução dessa medida coercitiva para garantir o julgamento.
      O artigo quarto da LINDB obriga o juiz a julga mesmo que a lei seja omissa de norma jurídica o que significa que o juiz tem que julgar de todo modo. E se para que o julgamento ocorra, seja necessário o uso da ferramenta prisão preventiva. Não se tem o que questionar, tem que se usar e pronto.

  • Joao Pedro

    Agora 05 promotores para oferecer uma ação privada? Vou te contar viu…

  • maceioense atento

    Caro Ricardo, eu particularmente não votaria no Alfredo Gaspar de Mendonça. Não duvido que ele foi um bom secretário, mas fez parte de um governo em que precisava estar, e parece sem indignação nenhuma, com uma secretária investigada pelo MP (e outras figuras que os alagoanos esclarecidos bem conhecem). Quanto à prisão da jornalista, acho que ele podia usar, para se defender, o mesmo meio que ela usou para acusar. É fato que o MP Estadual não anda tão rápido com as ações de “pessoas comuns”. Espero não ser processado pela minha opinião aqui colocada.

  • JEu

    Para mim, e devido ao meu pouco conhecimento jurídico, se a jornalista era difícil de ser encontrada, a citação poderia ser feita através de publicação em DOE e nos principais jornais do Estado… depois disso, o processo correria à revelia… o que não cabe, no caso, é a prisão preventiva, creio, por se tratar de crime de injúria, calúnia e difamação… se houve erro, que assumam e se retratem… tenham dignidade para fazê-lo… para que o povo não perca, ainda mais, sua esperança na Justiça… libertem a jornalista para que responda em liberdade… se ela usa de linguagem baixa e despudorada, isso só destaca qual é o seu caráter o que é lamentável… mais é problema dela… de foro íntimo… ninguém tem nada com isso… o que ela tem que enfrentar é o processo legal cabível para o caso… se o que ele fala é mentira, todo mundo sabe que mentira tem pernas curtas e, portanto, ninguém deve temer… é só vir às claras e demonstrar a mentira… ou usar a disciplina do silêncio dos inocentes, pois tudo será revelado no final…

  • Neide Pinheiro

    Conheço bem o comportamento dessa “jornalista”. Vive elaborando dossiês para chantegear as vítimas. Já sofreu várias ameaças de morte por esse seu comportamento. Responde a vários processos. É uma mulher do mal.

  • junior

    Agora ninguem vota no cara, poucos dias antes , ele era o CARA, correto, honesto, o melhor secretario, e tudo mais, agora ninguem vota , ele já não é tudo aquilo de bom, para mim ele tá certo , a lei é para todos, ninguem tem o direito de defamar sem provas.

  • Déspota Esclarecido

    O despotismo esclarecido é uma expressão que designa uma forma de governar característica da Europa continental da segunda metade do século XVIII que, embora partilhasse com o absolutismo a exaltação do Estado e do poder do soberano, era animada pelos ideais de progresso, reforma e filantropia do Iluminismo, mas, por outro, não eram aceitas todas as ideias do Iluminismo, com a definição entre a combinação desses diferentes ideais e a sua concretização pertencendo ao próprio déspota. A expressão “despotismo esclarecido” não foi contemporânea aos acontecimentos, tendo sido forjada mais tarde pelos pesquisadores.

    Hum………………. É a ditadura esclarecida do Judiciário mostrando suas garras de forma mais contundente.

  • Fernado Trigueiro

    Não sei porque tanto alarde, essa jornalista, falou demais, esculhambou, denegriu a imagem dos servidores públicos, como secretario, delegados, o procurador, enfim, se ela tiver provas como disse que tem , que se defenda,jornalismo se faz com seriedade,competência e veracidade dos fatos.

  • carlos

    Se foi rápido no gatilho que me parece corporativismo e um recado para que não se menta com quem tem a lei não mão. Ficou feio. Cadê ou melhor onde anda a denúncia de nepotismo do município de Coruripe. Não estou defendendo que fez a faz calúnias. Doutor Alfredo Gaspar , o senhor mandou apurar aproximadamente 4 meses…Será que preciso fazer DNA.

  • carlos

    parabens procurador muito bom quero ver agora essa dai lhe defamar vc e familia.

  • Thiago

    Foi pedido até quebra de sigilo telefónico.. Pena que aqui no espaço não tenha aquele emotion que tapa o rosto com mão. Serve de lição para muitos que defendem (inclusive ela) que todos que estão nos presídios merecem a prisão e que não há falhas – ei a famosa frase proferida pelo senso comum: “Ali só tem santo!”. E as Marias e os Josés que não tiverem ampla repercussão em seus casos???

  • Carlos

    O MP está corretíssimo. Ai de todos nós se houvesse um órgão para por limites nas atrocidades que fazem alguns.
    Parabéns ao MP!

  • Sebastião Roberto

    “Dois argumentos a favor de Alfredo Gaspar de Mendonça”

    Ricardo, faltou você consignar o fundamento legal para a decretação de ordem de prisão nos casos em que um cidadão não é encontrado para realização de um ato citatório? Que tal na próxima oportunidade você fundamentar para justificar sua assertiva: “Dois argumentos a favor de Alfredo Gaspar de Mendonça”? Haja paciência!

    Resposta

    Diz a OCDE – Banco Mundial – que o Brasil só alcançará o padrão de compreensão de leitura dos países civilizados daqui a 260 anos.
    Tristes tempos!
    Mas vou tentar explicar: não há no texto – pequeno, mas que lhe parece enorme – nenhuma justificativa para a prisão “injustificável”.
    Lamento, pois, que eu não saiba desenhar.
    Mil perdões.

    • Sebastião Roberto

      Ricardo, parabenizo, de início, em razão de você ter publicado meu comentário.
      Não me alongarei.
      De fato, na edição de ontem, você entendeu que a prisão, in casu, foi “injustificável”. Nesta edição, contudo, você da azo ao leitor a entender que o decreto de prisão foi “justificável”, isto porque, já no intróito da matéria está consignado “Dois argumentos a favor (…)”. A favor, destaque-se.
      Mais adiante você afirma: “(…) que vão ao encontro do que afirmou o chefe do MP Estadual:” Veja a expressão utilizada: “vão ao encontro”.
      No meu humilde entendimento se a prisão foi “injustificável”, como você afirma, ao invés de utilizar a expressão “ao encontro” deveria ser utilizada “de encontro”, traduzindo-se por oposição, contrariedade ao que afirmou o chefe do MP que foi “favorável” à prisão da jornalista.
      O próprio título da matéria, repiso, diz textualmente: “Dois argumentos a favor (…). A favor ou ao contrário dos argumentos do chefe do MP Estadual que representou pela prisão da jornalista? Pena que você não saiba desenhar e nem escrever!

      Resposta:
      Vamos tentar de novo.
      O que o texto tenta “justificar” é o fato de que o PGJ disse que não sabia nem interferiu no pedido de prisão da jornalista.
      E só.
      Crdeio que não é muito – ou é?

  • Otacílio

    Caro Ricardo,

    Eu li o texto da blogueira, onde fala do procurador Alfredo, e nesse texto a blogueira faz uma comparação entre ele, Alfredo, e seu avô que foi desembargador do TJ/AL em situações que ela, Maria Aparecida, afirma serem semelhantes, e no texto ela diz coisas que se forem verdades são absurdas pelo uso indevido de dinheiro público e outras coisas.

    Mas, analisando o texto que ela escreveu e a medida extrema tomada, a prisão, só me vem uma coisa na cabeça, e espero estar errado por isso, será que essa medida da prisão não foi uma forma de tentar calar a blogueira? será que a blogueira não frustrou um plano em curso com seu texto?

    Explico.

    Em breve será realizado concurso no MP para 01(um)cargo, apenas um, para comunicação do órgão, por isso minha indagação, será que a blogueira frustrou um suposto plano em andamento para “aprovação” neste concurso da personagem citada no texto em seu blog?

    Por que tantos promotores estão envolvidos nesta questão contra a blogueira?

    É de se estranhar tudo isso, e de se pensar se realmente a algo nos bastidores que nós, simples mortais, não sabemos.

    Será o “mecanismo” dentro do MP?

    Acredito que o tempo nos dará as respostas.

    • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

      REMÉDIO ALÉM DA DOSAGEM TAMBÉM É UM VENENO LETAL
      Joilson Gouveia*
      Concordando em GNG com o observado, assestado e esposado pelo leitor atento, observador e diligente “Otacílio”, mormente na parte em que refere-se ao texto “maldito, indigitado e ofensivo” da destemida, abelhuda, intrometida e “despudorada” (para alguns indignados, por usar de uma linguagem chula, baixa e infensa, na visão dos mesmos) retrata astutas, argutas e sarcásticas comparações e “coincidências” do “empoderamento” feminino, de então e do atual, cujas ascensões saltaram aos olhos de lince, da jornalista, cujos fatos são de conhecimento sabido, notório e público, de todos.
      Entrementes, destaque-se ao brilhantismo literário do nosso arauto “Peninha” ao comentar o indecoroso arbítrio abusivo ilegítimo e ilícito da clausura injustificável da jornalista, sobretudo ao responder ao leitor contrariado – incapacitado de entender ao discorrido, posto e exposto -, a saber:
      “Resposta
      Diz a OCDE – Banco Mundial – que o Brasil só alcançará o padrão de compreensão de leitura dos países civilizados daqui a 260 anos.
      Tristes tempos!
      Mas vou tentar explicar: não há no texto – pequeno, mas que lhe parece enorme – nenhuma justificativa para a prisão “injustificável”.
      Lamento, pois, que eu não saiba desenhar.
      Mil perdões”. (Sic.)  😉 – Rindo aqui até 2022, na próxima copa mundial.
      Doutra banda, fato irreprochável, induvidoso, insofismável e inquestionável é que, por mais ofensivos, injuriosos, caluniosos e difamadores que sejam (ou tenham sido) seus “relatos” e comentários, NÃO cabe a prisão onde a lei prevê penas de detenção e multas, dês que comprovados tais crimes, e já mencionamos isso:
      a) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2018/04/onde-imprensa-e-livre-e-todo-homem-e.html;
      b) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2018/04/prisao-quando-pena-e-detencao-e-excesso.html, e;
      c) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2018/04/aos-amigos-os-favores-aos-inimigos-lei.html.
      É que uma dose de remédio excessiva é veneno letal a quaisquer pacientes!
      – A lembrar um dito popular: “quer ver o vilão, dê-lhe o bastão”!
      Aliás, como já havíamos discorrido outrora, a saber:
      Tudo isso faz-me lembrar daquele outro, também cotado para disputar uma vaga, no certame eleitoral passado, ao senado, numa situação similar e que fora secretário de segurança pública, o qual tem usado as redes sociais e mídias caetés para dizer da inelegibilidade do atual, a saber:
      http://www.cadaminuto.com.br/noticia/316760/2018/02/23/eduardo-tavares-diz-que-alfredo-gaspar-e-inelegivel-apos-polemica-com-resultado-de-enquete
      Em síntese, ambos descumpriram à LEI, ao assumirem à pasta da segurança pública estadual, com vistas à ascensão na carreira política, sob os holofotes da ribalta midiática, fazendo dela um mero trampolim!
      Enfim, os fiscais da lei espezinharam, desdenharam, descumpriram e menoscabaram-na, para sua “glória brilhante” e “ascender”. Ou seja, seus mais comezinhos interesses pessoais, individuais e umbilicais são muito mais importantes que seus deveres-poderes enquanto membros do Parquet! Ou não?
      Irão servir à Sociedade em chegando lá? – Já postado aqui, no “Blog do Peninha”
      Ademais disso, o leitor “Carlos” já questionou reiterada vezes quanto ao nepotismo de “Coruripe” – sem êxitos e sem respostas plausíveis.
      Encerro: “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”, inciso II, do Art. 5º, da CF/88, e mais:
      “LIII – ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente;
      LIV – ninguém será privado da liberdade ou de seus bens SEM O DEVIDO PROCESSO LEGAL;
      LV – aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;”
      Abr
      *JG
      P.S.: Thomas Jefferson deve ter se revirado em seu túmulo devido ao affair.

  • Luiz

    Justiça faz justiça com as próprias mãos.A justiça não é cega ela enxerga quando se quer usar para limitar ou intimidar.Abusar da justiça é interferir sem dar ao indivíduo o seu devido direito .Ninguém é culpado até que se prove ao contrário.Aonde está o direito de ampla defesa?Aonde está à justiça?

  • ARTUR GAIA

    Essa jornalista tem coragem de mamar em onça, certa feita assisti seu programa e era de arrepiar sua coragem e seus comentários.
    Respeito qualquer jornalista combativo e investigativo mesmo sabendo que contraria muita gente que se sente ofendida e sabendo também, que erram em algumas investidas.

  • paulino lopes

    Essa história está muito mal contada, prisão sem justa causa e agora, quem vai reparar os danos causados a jornalista. A jornalista é uma mulher de coragem e uma profissional que sabe o que faz, cabe a ela provar ou não o que diz. Deve existir outros interesse, que não sabemos quais, e que deveram ser esclarecidos.

  • carlos

    Muitos elogios para o Dr. Gaspar e merece respeito e pode errar que ninguém é perfeito.Uma historia com prisão sem o esclarecimento deixa muitas dúvidas.MP, vem sendo a esperança do povo Brasileiro e o Ministério Público Federal,vem anos luz dos Ministérios Públicos Estaduais. O estadual só prende os calças frouxas e ainda não tenho conhecimento de uma grande operação do MP, de Alagoas,prendendo tubarões e só prende piabinhas. Um simples exemplo: Aqui em Coruripe, o nepotismo corre a céu aberto e nada vezes nada acontece e só silêncio.

    • Onofre da Pindorama

      Gostei Carlos, disse tudo MP, precisa ser menos seletiva. “Calças frouxa e piabinha”,eles não tem perdão cadeia neles. Realmente quem sabe de alguma grande operação da ministério público e política civil?…Para prender tubarão.

  • José Ivaldo de Andrade

    Cabe mesmo prisão cautelar, nos crimes de Calúnia, Difamação e “Coação à testemunhas”? Esse último, destaquei, pois achei estranha essa parte. Bem, vamos para frente, não? Não quero ser preso ou até fuzilado, por isso paro por aqui. Ah, mais Maria Aparecida, você é “doidinha” de mexer com esse povo pobre do poder alagoano?

  • D.D

    Caro Ricardo, eis aqui uma colocação técnica e objetiva acerca do tema. O crime de CALÚNIA tem pena prevista de DETENÇÃO DE 6 MESES A 2 ANOS; O crime de DIFAMAÇÃO tem pena prevista de DETENÇÃO DE 3 MESES A 1 ANO; O crime de INJÚRIA tem pena prevista de DETENÇÃO DE 1 A 6 MESES. TODOS ESTES SÃO CRIMES CONTRA A HONRA. Contudo, nesses casos, IMPOSSIVEL É A DECRETAÇÃO DE PRISÃO PREVENTIVA EM RELAÇÃO AOS RESPECTIVOS TIPOS PENAIS, pois em crimes cuja a pena cominada seja de DETENÇÃO não cabe prisão preventiva, apenas em crimes que prevê pena de RECLUSÃO. Outrossim, impossível a decretação da preventiva por conta do quanto de pena previsto no tipo penal, pois SÓ CABE PRISÃO PREVENTIVA EM CRIMES CUJA PENA É SUPERIOR A 4 ANOS DE PRISÃO.

    Assim sendo, o que se vê, é um verdadeiro abuso que ocorre recorrentemente no estado de Alagoas por aqueles que se utilizam das instituições aos quais fazem parte, para praticar verdadeiros abusos de autoridade e violação as leis.

  • Francisco

    É preciso que o Sindicato dos Jornalistas do Estado de Alagoas tome um posicionamento a respeito do caso. Se necessário, uma representação no Conselho Nacional do Ministério Público -CNMP contra essas autoridades .

  • Obsevador

    Notícia para Fantástico,Folha,Veja….

  • fabio

    jornalista que só faz caluniar as pessoas, péssima profissional, tomara que agora aprenda.

    • MARCOS ANTONIO

      FABIO, NÃO SE PODE CHAMAR ISSO DE JORNALISTA, ESSA FIGURA VIVE FAZENDO DOSSIÊS PARA EXTORQUIR AS PESSOAS, TODA MACEIÓ SABE DISSO.PENA QUE A JUSTIÇA NÃO SE APROFUNDE NAS INVESTIGAÇÕES PARA COLHER DEPOIMENTOS DE PESSOAS QUE JÁ FORAM VITIMAS DE EXTORSÃO POR PARTE DESSA LOUCA.

  • Elenita Silveira

    Apresento o meu repúdio a esse cidadão.

  • Dona de casa sem orgulho

    Com certeza, Sr. Ricardo, o PGJ Alfredo de Mendonça “não é desprovido de inteligência”. Essa mulher não mexeu somente com ele – que, para mim, faz um excelente trabalho como procurador do estado de Alagoas -, mas com o brio de muitos poderosinhos desta terra. Ofender procuradores, juízes, governadores, servidores públicos, delegados (no falar dela: “deleguetes), policiais, etc., etc.,… surpreende-me ela ainda estar por aqui…!
    Jesus, dá juízo a quem não tem… ou o deslocou!

  • ARTUR GAIA

    Parabéns Ricardo pela entrevista, firme e esclarecedor. Gostei também da humildade do Dr. Alfredo quando reconhece que pode voltar atras.

  • CICERO FREDERICO DA SILVA

    É o poder de mando que nunca se acaba. Prova-se agora.
    Se houve erro. Há ele não assumiu.
    Cuidado jornalistas alagoanos vocês sabem quem é ELE.