O senador Renan Calheiros, agora de alma renovada, às vésperas de garantir a própria reeleição, recuperou o bom humor, que fez com que – votando a favor do impeachment da presidente Dilma – consagrasse uma expressão jurídico-literária de rara felicidade e conteúdo erudito:  “Depois da queda, o coice”.

Agora, ele acusou os fundamentalistas de querer matar o ex-presidente Lula, numa referência ao lamentável e cretino episódio envolvendo os ônibus da caravana do petista. De fato, aquele foi um ato covarde, de gente que acredita na força das armas para revolver conflitos políticos e até pessoais. Defendem o programa: mais armas, menos mortes.

E onde está a gozação?

Calheiros sabe que os tais fundamentalistas estão nos dois lados , nos extremos, entre os que apoiam ideias e personagens messiânicos – ainda que alguns o façam por puro oportunismo eleitoral.

O que aconteceu – e não podemos permitir que se repita – foi a sinalização de que os tempos em que vivemos se alimentam do ódio, de uma gente que quer fazer do medo uma arma para afugentar os adversários – a quem tratam como inimigos.

Coisa tola, cá para nós, gastar emoções e afetos com personagens tão toscos e pobres, estes que hoje protagonizam a disputa eleitoral brasileira.

Mas, seguramente, o que o senador emedebista não pode esquecer – e deve atacar em discursos contundentes, valentes na defesa da paz -, são os que, por aqui, em Alagoas, matam na disputa política, pelo controle do poder, sem que sejam presos e/ou condenados.

O poder, conquistado com sangue, eles dividem ao fim e ao cabo, com os que sempre estão no comando da máquina pública, estadual e federal, no ‘mais pobre entre os pobres’. Conviver com gente que despreza a vida alheia pode até ser um castigo anímico – mas, neste caso, uma mão suja a outra.

--------------------------------------------------
Solitariedade: a Páscoa dos abiogêneses (uma crônica de Osvaldo Epifanio - Pife)
  • JEu

    Realmente, é preciso por um fim, ou pelo menos, um controle na violência de todos os tipos, inclusive a politiqueira… é preciso que uma “boa força”, a da verdadeira Justiça, seja “forte” o suficiente para “amedrontar” os violentos… por isso menciono alguém que disse um dia: “até o presente momento o reino dos céus tem sido tomado pela violência, porém que não seja assim entre vós outros”, e acrescentou que se deve “amar até os inimigos”… agora, voltando ao caso dos tiros contra a caravana lulista lá pelo sul do país, um perito disse que, pelas marcas das perfurações (e não negou que são de tiros), os dois ônibus deveriam estar parados quando atingidos, pois com os ônibus em movimento, as perfurações apresentariam marcas diferentes… e no entanto os integrantes da comitiva foram uniformes entre si ao asseverarem que os ônibus estavam em movimento e que só observaram as tais perfurações quando pararam os mesmos… isso ficou muito estranho e precisa ser investigado com muito cuidado… retornando ao nosso Estado, o Reinão se esquece dos acontecimentos ainda não devidamente esclarecidos sobre as mortes em Batalha, principalmente a de Neguinho Boiadeiro… e sobre esse ponto, tanto ele quanto o filho dileto se mantêm em silêncio total… e assim também a PC/AL… e mais, essa “tranquilidade” do Reinão é muito frágil, pois ainda não foram anunciados os concorrentes ao senado… é esperar para ver…

  • Assembleiense

    Em Alagoas grande para parte dos candidatos formam a oligarquia coronelista, cujo mandato é passado de forma hereditária. Para que Maior parte desses candidatos possam perpetuar no Poder, é necessário impor a força do chicote, pois como muito deles mesmo dizem: “se tabica e dinheiro não resolverem, é porque foi pouco “. Segue o jogo!

  • Carlos

    Pois é apenas um discurso para uma platéia sem público! Muito bem pensado o nosso estado nunca se libertou dos coronéis da bancada da doze e continua matando os adversários que não são do seu nível de poder dinheiro e tradição no gatilho…O discurso é apenas um discurso já os aliados coronéis tudo podem nas terras dos Marechais e as alianças para salvar papito e filho é a arca de Noé.

  • Luciano Galindo

    Eu não sei, como o Renan, tem coragem de falar de quem quer que seja na política

  • Luis Lins

    Ricardo,primeiro lugar vc não pode falar em atentado q ainda não saiu a perícia,vamos aguardar as investigações tenho certeza q teremos novidades.
    Peço q vc seja imparcial pelo menos nesse momento.
    O Renan manda um recado pra os eleitores do Lula q dependem do Bolsa Família ,mas eles esquece q o próprio votou a favor de Temer,quero lembra lo q o povo do Lula são tão fanáticos q não vão esquecer q ele foi o traiidor agora pousa de aliado se salvar.
    O medo dele é Sérgio Moro o qual ele tem atacado diariamente.

  • Chega

    Renan assim como todos os mandatários das Alagoas são o retrato perfeito dos que desprezam as vidas alheias e têm as mãos sujas, seja pela corrupção ou pelo sangue dos inocentes. Ela todos continuam se alimentando da ignorância de um dos Estados mais pobres do país e lambendo as feridas dos esfaimados.

  • Williams Roger

    Quem rir por último rir melhor!

  • André

    Eu não posso entender e acreditar que o povo sofrido de Alagoas possa fazer desse senhor renan um novo Sarney, reelegendo-o para um novo mandato de 8 anos. Pois o que Alagoas foi beneficiado por este senhor, enquanto senador?. Não é atoa que o Maranhão e Alagoas são os piores estados em todos os níveis sociais.A resposta está no voto.

    • Joilson Gouveia Bel&Cel R/R

      O que há ou o que pode haver de “bom”, num político SEM caráter?
      Ademais disso, nessas “urnas seguras, invulneráveis, invioláveis e imaculadas”, adrede programadas e formatadas para resultar na “escolha” dos mesmos de sempre, independe da vontade do eleitor/cidadão, meu caro “André”!
      Abr
      *JG
      P.S.: “voto nada decide; quem conta os votos decide tudo”(Joseph Stalin) – Hoje, quem computa-os; conforme adrede programado!

  • Joilson Gouveia Bel&Cel R/R

    Atentado? Houve mesmo um atentado?
    Será que foram os mesmos que ceifaram as vidas de Celso Daniel (mais as nove vítimas relacionadas com o caso, que morreram de estranhos “acidentes”), Toninho do PT, tal e qual os “acidentes” de Eduardo Campos, Teori Zavasky etc.?
    Quem lembra do inexplicável “acidente” do “senhor diretas” (Ulisses Guimarães e Mora, sua esposa)?
    Ah! Nos expliquem, se for possível, como um RÉU/CONDENADO/INELEGÍVEL/FICHA-SUJA e “irregistrável”, segundo Luiz Fux, pode andar em caravanas, fazendo campanhas extemporâneas e foras de época, sendo condenado em mais de duas instâncias?
    Apologia aos crimes perpetrados ou ao impune criminoso ou acinte, afronta e escárnio ao povo brasileiro, que quer vê-lo no xilindró?
    Abr
    *JG
    P.S.: ovos na cara dos outros é democracia plena, na minha é grave ameaça à democracia e ao estado de direito, né? 😉 😀

  • Luiz Antônio

    O sr. acredita mesmo no “atentado” à caravana do ex-presidente presidiário quando todas as perícias oficiais ou não indicam o contrário! É um caso de demência ideológica, idolatria a um ícone desmascarado e condenado em todas as esferas judiciais, ou algo mais pragmático relacionado à gratidão e reciprocidade…