O próximo Corregedor Nacional de Justiça, cargo estratégico no CNJ, será o ministro alagoano Humberto Eustáquio Martins, atual vice-presidente do STJ.

A carreira dele na magistratura teve início no Tribunal de Justiça, quando foi escolhido desembargador pelo Quinto Constitucional.

Político habilidoso e articulado, condição essencial para se chegar a qualquer tribunal no Brasil, o ministro Humberto Eustáquio sempre foi muito ligado ao senador Renan Calheiros.

Muita gente avalia que a chegada dele ao cargo de corregedor no CNJ, em agosto, vá favorecer a alguns magistrados encrencados em Alagoas.

Mas pode ser o inverso (inclusive em relação ao conjunto do Judiciário local).

A lembrar: o passo seguinte para ele será a presidência do STJ.

"Não dá mais para o Rui não ser candidato", afirma deputado
Comportamento de Marx Beltrão preocupa aliados eleitorais
  • ALAGOANO

    “Muita gente avalia que a chegada dele ao cargo de corregedor no CNJ, em agosto, vá favorecer a alguns magistrados encrencados em Alagoas.”

    Não deveria ser assim, não deveria, juízes que se misturam com políticos, perde a credibilidade. Aqui em alagoas um certo senador continua fazendo escola nesse quesito, competência, honestidade e caráter que se explodam , aliás sendo assim não atende as necessidades de políticos enrolados com a justiça. UM velho juiz aposentado, demorou muito para ascender ao TJ como desembargador, advinha porque?? RESPOSTA: seu maior defeito era ser honesto e justo e não se curvar perante a classe política.

  • Alagoano Ilustre

    Um nome que honra Alagoas por possuir competência e ser exemplo de julgador. Irá continuar o seu profícuo trabalho. Hoje é Ministro do STJ por possuir qualidades que faltam nos políticos alagoanos que são verdadeiros parasitas e que nos envergonham por serem listados em falcatruas. É lamentável.

  • Waldson Santos

    Meu DEUS!

  • Eduardo Lopes

    Grande alagoano e grande homem público que pautou seu trabalho na eficiência da prestação jurisdicional. Sem dúvidas fará um excelente trabalho.

  • Diógenes Paes

    Caro Jornalista Ricardo Mota, espero que o futuro ministro corregedor do TJ não seja parcial, principalmente com os tal magistrados encrencados em Alagoas, não só magistrados, lembremos que alguns conselheiros do TC, podem ter suas benesses atendidos pelos laços históricos de apadrinhamento no Poder Judiciário, espero que não seja semelhante a Corregedoria local, será que o W.L de piranhas vai voltar ao trono….