O primeiro parlamentar a falar na Câmara Federal, nesta quarta-feira, foi o deputado tucano Paulo Abi-Ackel, relator da Comissão de Constituição e Justiça, que defendeu que o atual presidente da República não deve ser investigado – não é condenado, é investigado – por corrupção.

O argumento que ele usou: pode-se se dizer tudo de Temer, mas não se pode deixar de reconhecer que a economia do Brasil está melhorando. Seria uma nova versão do clássico “rouba, mas faz”, tão repetido pelo país afora?

Aliás, uma das presenças mais marcantes na sessão, que ficará registrada como o Dia do Nada, foi a do deputado Paulo ‘rouba, mas faz’ Maluf – condenado à prisão pelo STF, por corrupção. Um dia, o de hoje, em que não se ouviu em todo o país nem um minuto de silêncio, em protesto pelo que estava acontecendo em Brasília. Os deputados federais lá dentro; nós, do lado de fora, inclusive da história.

É preciso ressaltar que a Câmara Federal representa o conjunto do povo brasileiro. Já o Senado é a representação dos estados da federação. O que significa que os deputados federais, são, no final das contas a média do que nós somos como nação. Por mais que rejeitemos esta identidade, ali estão os parlamentares que nós escolhemos para nos representar.

E se não aconteceu nada nas ruas do Brasil, apesar das conversas de corredor de presídio entre o presidente e o empresário Joesley Friboi, os deputados não haveriam de se sentir incomodados pela posição majoritária assumida por deles – pró-Temer.

E se 81% do povo brasileiro querem que a investigação continue, haveremos de perguntar: que povo?

Muito se disse hoje que a sessão da Câmara Federal bem parecia um espetáculo de circo. Mas o enredo deste espetáculo só haverá de mudar quando nós entendermos quem são os palhaços.

 

Cícero Almeida vota a favor de Temer: "Amável com Alagoas"
Joãozinho Pereira constrói ponte entre os Calheiros e os De Lira para 2018
  • Cidadao

    Somos nós caro Ricardo, nós somos os palhaços deste picadeiro.

  • Jorge

    Fora a quadrilha Dilma/Temer ! Não podemos mais aceitar tanta corrupção Dilma , aecio , Temer , lula e outros corruptos sem vergonha !!! Lula , Aecio e Temer na cadeia !! Fora gangue ptralha e pmedbista!

  • mario jorge

    Eu odeio o Estado islâmico. Mais hoje eu desejava um homem bomba. Dentro da câmara Federal. So de ver o cinismo desses deputados. Felizmente e Graça a Deus não existe Estado Islasmicos. Tenho certeza que este e o pensamento da maioria do povo Brasileiro. Bando de palhaços. Que esta la com o voto do povo. Principalmente o que vende o voto. Esse cidadão que vendeu seu voto. E o verdadeiro culpado. Do que esta acontecendo no Brasil.

  • Rubens Mário

    A triste e vergonhosa verdade é que ninguém está preocupado com a decência. Só se fala em economia. O desinteressante é que o atual presidente tem 95% de rejeição, e, os votantes, a maioria pró Temer está representando o povo, ou seja, os 95% de reprovação! Como pode? É vergonhoso vermos um ladrão, condenado – Paulo Maluf – votando a favor de outro contraventor e contra os seus eleitores que o elege sempre, dizendo que ele é ladrão, mas, faz muitas obras, mesmo que superfaturadas. Infelizmente, estamos numa selva sem nem um inofensivo gatinho pra nos defender! O pior de tudo é que a maioria que reprova o corrupto Temer, absolve o outro corrupto, Lula, com a mesma justificativa do Maluf. Anotem aí: a maioria que votou contra os desejos do povo, vai se reeleger.
    Se algum forasteiro oriundo de um país decente, ler o que escrevi, vai achar que eu sou um doente mental.

  • Há Lagoas

    Conta a história que há mais de 2000 anos atrás, quando o filosofo grego Diógenes de Sinope andava pelas ruas de Atenas em pleno dia com uma lanterna acesa, perguntaram a razão para tal atitude, este respondeu: que estava à procura de um Homem Honesto.
    Quantos eleitores honesto existe em nosso Brasil?
    Que vote não por pragmatismo ou ideologias apaixonadas, mas por convicção de escolher o menos ruim para o bem comum?

  • wal

    Não gostei do ( NÓS ESCOLHEMOS ). Eu não votei em nem um dos que estão nos cargos. Meus candidatos não se elegeram. Comigo não tem boquinha.

  • JEu

    O pior de tudo é que todos nós sabemos quem rouba e como se rouba e nada fazemos para mudar o status quo de toda essa situação nojenta… somos, sim, um povo fraco, conivente e oportunista… afinal, brigamos por verbas para carnavais e outras festividades… gostamos de tirar vantagens em todas as situações em que haja a possibilidade… adoramos infringir as normas de trânsito… achamos que perturbar o sossego e o silêncio é nosso direito pessoal de impor nossos gostos pessoais por essa ou aquela música… dizemos que não odiamos os traficantes para, depois, às escondidas, adquirirmos drogas para “diversão pessoal”… enfim, somos mesmo é grandes hipócritas… onde, então, a virtude que pode mudar toda essa condição viciosa em que vivemos? está dentro de nós mesmos… rejeitando e desprezando tudo o que é desonesto, anti-ético, imoral e desprezível… veja que estou falando de valores e não de pessoas… se a grande maioria passar a viver de forma correta, os demais serão obrigados a seguir os exemplos, pois se sentirão deslocados, verdadeiros “estranhos no ninho”… então, toda a solução está em nossas mãos… procuremos fazer o que é certo, a partir das mínimas coisas, e tudo mudará para o melhor… comecemos votando de forma correta, ilibada e honesta, em 2018, expurgando aqueles que tiverem rastros na justiça e na polícia com a corrupção e outros crimes… o futuro melhor está nas nossas mãos… nós é que temos que construí-lo… ou vamos viver ainda um longo tempo chafurdando na lama…

    • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

      Oooops! Alto lá! Fale no singular, na primeira pessoa e por si, não tens procuração para usares o plural tampouco falar por “nós”! Ok!?
      Abr
      *JG

  • Giorgio

    LULA, DILMA, RENAM, TEMER, MAIA e outros … sem OPÇÃO!
    DEIXA DO JEITO QUE TÁ!
    2018 TEM ELEIÇÃO!
    VOTAR EM QUEM? NUM SEI… TÁ DIFÍCIL!

  • Ednaldo

    Tenho vergonha disso tudo, mas a culpa maior é do povo que não tem vergonha na cara.

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    ONUS PROBANDI VERSUS DICERE ET NON PROBARE ET NON DICERE
    Joilson Gouveia*
    As absortas, embevecidas, inebriadas e malogradas carpideiras escarlates esquerdistas de sempre, como sói acontecido e soi-disant impolutas, intrépidas e solidárias defensoras dos interesses e, sobretudo, dos direitos da Sociedade, dos trabalhadores e, mormente, dos pobres e da pobreza, ou, especialmente, de uma “democracia”, mas aquela imanente aos seus modos, modelos e esquadrias socialistas/comunistas iguais às de uma Cuba, Bolívia, Venezuela et al dentre outras tantas tiranias africanas, i.e., “democracia é quando eu mando em você; quando você manda em mim é ditadura”, como bem assestado por Millôr Fernandes.
    Posto isto, após mais uma fragorosa derrota: uma na CCJ e, dessa feita, no plenário do Parlamento; tem-se as mesmas e de sempre alienadas, alienantes e alienistas senão ignaras, ignóbeis e ignorantes ou ingênuas, pueris inocentes-úteis-da-linha-de-frente, que é constituída de universitários, secundaristas e integrantes de escamoteados movimentos sociais e dos mais de 17.700 sindicatos e centrais sindicais et caterva da súcia matula que venera, apoia e defende a “alma mais onesta” do planeta, numa insidiosa, oprobriosa, inescrupulosa e criminosa apologia ao crime e ao criminoso, e já RÉU/condenado em vários processo-criminais – olvidando que o famigerado, odioso, odiado, temido, temerário e traidor (golpista, fascista, corruPTo ou corruPTor – adrede indicado, por duas vezes seguidas, pelo “asceta de prístinas virtude e presidente de honra” daquilo que hoje se sabe ser uma verdadeira ORCRIM) porquanto ser o vice ideal Michel Temer, escolhido a nove dígitos e lá posto pelos mesmos que choramingam, lamentam e protestam.
    De lembrar que “protesto é coisa de quem não tem poder”, Geraldo Vandré. Onde os supostos 54 milhões de votos obtidos pela chapa vitoriosa, no maior estelionato eleitoral da História mundial?
    Outra coisa: os mais de 14 milhões de desempregados, que perderam seus empregos/trabalhos no último quadriênio, jamais foram defendidos por essas mesmas carpideiras, quais os motivos, as razões e os porquês?
    Ah! Seria hilário ou tragicômico senão fora nefasto, nauseabundo e ininteligível, abstruso e abjeto vê-los e ouvi-los, arribados em seus tamancos, bramirem: “Diretas já, para presidente”!; como se não tivesse havido, em 2014.
    – Aliás, nesse sentido, como já dito, reiterado, replicado e desafiado antes, tenho certeza não ter havido eleições limpas em face das fraudes, propinas e estelionatos que ensejariam nulidade absoluta do pleito eleitoral, e até, por conseguinte, a assunção e posse do vencido – que é (ou seria) tão ou mais “criminoso” (conforme e segundo às janotices, janotadas e janotarias do paladino Rodrigo Janot) quanto aquela defenestrada, derribada e apeada do Poder, numa tecida, tramada e urdida “queda sem coice”, que causou a imediata ascensão do terrível MT: a sucedida perdeu os anéis e não os dedos; e seu VICE (autocognominado decorativo) alçou ao trono e ganhou o cetro do Poder. [“Não serei coveiro de provas vivas; posso até participar do velório, mas não carrego o caixão”] Lembram?
    Em verdade, ex vi verborum et ex vi legis, se fôssemos uma democracia de verdade, séria, serena e sincera ou oxalá! um real, veraz e concreto Estado Democrático, Humanitário e de Direito, aquele subsumido, submetido, subjugado e jungido ao império imperativo da Legalidade, onde todos são iguais perante a lei e a isonomia aplicável a todos equitativa, igualitária e indistintamente, sem odiosas imunidades e oprobriosas, inescrupulosas e criminosas prerrogativas de foro por exercício de cargos ou funções, aí sim não estaríamos assistindo a essa ópera bufa nem seríamos o que temos sido, desde a debacle redemocratização, uma republiqueta tabajara numa democracia tupiniquim, sob o jugo da escamoteada, dissimulada, vil e sórdida tesoura escarlate, desde os idos daquele ilustre “professor de Sorbonne”. Ou não?
    Enfim, pois, o que vimos e temos visto, nessa opereta pífia de subliteratos: uns investigados, denunciados, processados, julgados e condenados, e até presos, por reiteradas vezes, serem considerados “inocentes e heróis”, justamente por desviarem, doarem e roubarem ao Erário, riquezas, divisas e “verbas públicas”, conforme verve e práxis de todo “partido revolucionário”; e outros, citados em delações-premiadas, ainda não atestadas, comprovadas e corroboradas, num devido processo legal, serem prejulgados ou pré-condenados sem culpa formada ao arrepio ou detrimento do onus probandi (que compete ao acusador provar aquilo que acusa) ou esse verdadeiro estrupo midiático, urge lembrar ao seguinte aforismo romano: “dicere et non probare, et non dicere” – dizer e não provar, é não dizer!
    – Não votei neLLes, e, por falta de opção, votei no “vencido”, e que, uma vez, comprovadas [como comprovadas foram as imputações daquela arriada do Poder e as de seu “criador”, que já é RÉU por três vezes, com seus “bens” bloqueados (coitadinho!), além de investigado, denunciado e processado noutros processos-criminais, e até em Portugal] todas as imputações contra o dito cujo “derrotado”, porém anelo vê-los todos no xilindró, nas celas e masmorras das cadeias, presídios e penitenciárias, que são os merecidos abrigos de todos e quaisquer corruPTos, corruPTores, bandidos, ladrões e criminosos, mormente de black-ties e colarinhos brancos, dês que empós o devido processo legal; bem díspar, diverso e diferente desses lamuriosos inocentes “manifestantes” escarlates que querem-nos de volta ao Poder! Ou não?
    Abr
    *JG
    P.S.: Onde esteve mister Janot que nada viu, ouviu ou soube sobre eLLa e seu “criador”, nesses quatro anos de reinado?

  • Adilio Faustini

    Eu não vejo Vereador, Deputado Estadual Deputado Federal e Senador em que eu tenha votado, metido em falcatruas, o povo tem que começar a escolher bem antes das eleições e não no dia da votação.Votei no Aecio, no menos pior, e se em 2018 ficasse para segundo turno, Aecio e Dilma repetiria o voto jo Aecio, ainda é muito menos pior para o país que a Dilma.