Adam Smith, autor do clássico A riqueza das Nações, criou uma expressão que se popularizou muito além dos economistas: “a mão invisível do mercado”, disse ele, atuava de forma imperceptível, sem a presença de qualquer órgão que representasse os interesses do conjunto da sociedade – o Estado, por exemplo – regulando este mesmo mercado.

Mas esqueceu de dizer, o filósofo e economista britânico que esta mesma mão invisível, sempre que pode, sem o controle das leis e dos que devem vigiá-la, entra no bolso do contribuinte e de lá retira o que puder.

Eis uma das necessidades do Estado: controlar a cobiça daqueles que têm a oferecer o que as pessoas precisam, mas cobram delas muito além do que seria justo.

Vejam o que aconteceu hoje com o preço da gasolina, principalmente ela, depois que o glacial ministro da Economia – ou da Fazenda, como queiram – Henrique Meirelles anunciou mais um pacote de maldades, aumentando impostos – o PIS/Cofins – dos combustíveis.

Mais rápido do que ligeiro, alguns postos da capital subiram o preço da gasolina, como se  tivessem pagando o produto na distribuidora já com aumento.

Ao protesto de alguns consumidores, empresários do ramo mandaram reclamar com o bispo. Pedir a fiscalização dos Procons, órgãos que são respeitados, mas que demoram – como toda repartição pública – a encontrar soluções emergenciais?

É um caminho. Mas não uma solução.

Uma utilidade prática que as redes sociais, que tanto infantilizam adultos, poderiam ter: espalhar feito rastilho de pólvora uma campanha de boicote aos postos que não demonstram respeito aos clientes que os procuram – nem os que lhe são fiéis.

Quanto ao Sindicato dos Postos de Combustíveis, bem que poderia dar um bom exemplo, ajudando o consumidor na sua escolha mais honesta, não deixando que todos caiam na vala comum.

O que vemos hoje não é mão invisível do mercado – é o mais escrachado oportunismo de mercado.

Despoluição da Praia da Avenida vai demorar 8 meses e custar R$ 25 milhões
Precatórios do Fundef geram "guerra" dos escritórios de advocacia
  • Cidadao

    Estamos correndo em alta velocidade rumo ao caos

    • Luiz Henrique

      A Meretriz Maceió é terra de larápios, oportunistas que mendigam esperando o momento de dá o golpe ! Tudo aqui tem o seu preço, sentenças, traições e até para tirar vidas !
      O povo devia fazer esses donos de postos quebrar, a medida é simples e precisa, é só abastecer nos postos de supermercados, onde não há mistura de combustível e onde geralmente o valor pago é menor ! Claro que isso faria com que as filas fossem frequentes, mas valeria a pena, pois os outros postos iam quebrar por não ter a quem vender o seu combustível. Vamos lá pessoal, convoco a todos os motoristas alagoanos a fazer isso, e acabar com esses usurentos, deixando-os com todo o seu combustível estocado e sem venda !!! Dessa forma faremos com que baixem os seus preços, ou vão fechar as portas !!!!

    • joao carlos

      OS POSTO JA RECEBERAM COMBUSTIVEL NA SEXTAFEIRA COM AUMENTO DAS DISTRIBUIDORAS E OS POSTOS DA SHELL , MANDARAM A DIFERENÇA NO SABADO PARA OS POSTOS DA SUA REDE , PORTANTO NAO HOUVE NENHUM APROVEITAMENTO, POIS JA ESTAVAM PAGANDO OS IMPOSTOS ANUNCIADOS PELO GOVERNO FEDERAL. É FACILCRIMINALIZAR OS OUTROS SEM SABER DIREITO OS FATOS.

  • NÃO VOTO NO ‘PT’ !!!

    ‘NÃO VOTO NO PT.’

    Voto na Besta Fubana
    Em Lampião ou Corisco
    Troco meu voto num risco
    Numa garrafa de cana
    Numa casca de banana
    Numa lata de Nestlé
    Num livro que não se lê
    Numa sopa de concreto
    Chova canivete aberto
    QUE EU NÃO VOTO NO ‘PT’.

    Voto em governo golpista
    No raio da silibrina
    Em quem recebeu propina
    Em candidato fascista
    No derradeiro da lista
    De militar a Civil
    No político mais vil
    Voto até num saruê
    SÓ NÃO VOTO NO ‘PT’
    Que assaltou o Brasil.

    Quero ser um caboré
    Um criador de intriga
    Capacho de rapariga
    Porteiro de cabaré
    Um sapato com chulé
    Ser frio ser calculista
    Puxa-saco de cambista
    Posso morrer mas não nego
    Quero ser guia de cego
    MAS NÃO QUERO SER PETISTA

    O diabo me carregue
    No dia da eleição
    Não tenho outra opção
    Se eu não votar num jegue
    Quero morrer num albergue
    Deitado num banguê
    Tapicuru me roer
    Numa noite de inverno
    Ir direto pro inferno
    SE EU VOTAR NO ‘PT’

    Boa noite a todos e um bom fim de semana.

  • Claudio

    Basta a prefeitura chamar o sindicato dos postos e dar o recado: ou eles param de combinar preços ou a prefeitura vai dar licença para quem quiser abrir posto é um santo remédio, aproveitando esse sindicato impediu a abertura do posto do Bompreço do Iguatemi, na justiça, um bom momento para liberar o Bompreço para vender combustível.

  • indignação

    Os donos de postos mandam nesse Estado, nem o governador conseguiu detê-los, imagine o Procon. Não adianta recorrer ao Procon, MP, Câmara de Vereadores, Governo. Lamentável, a quem recorrer?
    Sem falar na cara de pau desse Presidente em tratar o povo como idiota, aumentando impostos para cobrir a roubalheira e as mordomias desses cidadões de bem

    • JOAO

      INFELISMENTE SAO RESTOS A PAGAR DO PT , VCS QUE VOTARAN NELES TEM QUE ASSUMIR A CONTA

  • Antonio Navalha

    Ainda bem que o aumento não foi de R$ 0,20.Porque senão eu ia chamar meus amigos e vestir as nossas camisas da CBF. Aí o Temer ia ver o gigante acordar.

  • Vivo

    Mota

    Maceió sempre teve uma mafia de postos de combustível.

    Vamos à definição:

    Máfia

    “substantivo feminino
    qualquer associação ou organização que, à maneira da Máfia siciliana, usa métodos inescrupulosos para fazer prevalecer seus interesses ou para controlar uma atividade”.

    É isso ou não é?? Alguém tem dúvidas??

    Já vem de tempos. Proprietários de postos de combustível usam e abusam dos preços. A diferença é minima, coisa de centésimo de centavos.

    Quem poderá nos ajudar? Nem o Chapolin Colorado …

  • Luciano

    Voltar a abastecer 0,50 centavos e pedir cupom fiscal…dar prejuizo e pressionar esses postos ladroes a respeitar o consumidor…certamente esses estoques dos postos ainda são com preços antes do ajuste…quando eh para baixar o preço a desculpa eh o estoque que ainda foi comprado com preço antigo, mas para aumentar o preço os donos dos postos não esperam o estoque deles acabar…
    Malandros!

  • wal

    Besteira; temos:
    A coisa mais linda do mundo foi ver as janelas do prédios,fazendo o PANELAÇO, Nas ruas o BANDEIRAÇO, as CARAPINTADAÇO,FORA DILMAÇO. E por fim a cidade do interior de Alagoas SANTANA DO IPANEMA, fazer uma festa para receber RENAN FILHO, e sua turma; com beijos abraços,e muita festa.
    SÓ DEUS NA CAUSA…

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    COMBUSTÍVEIS DA TRÍADE PODEROSA: A TESOURA ESCARLATE
    Joilson Gouveia*
    O escólio ou douto ensinamento de Adam Smith sobre tais garras invisíveis bastante perceptíveis, sentidas e sofridas pela Sociedade, sobretudo na sua “parte mais sensível” ou no “bolso do cidadão”, consoante escólio do mestre citado, mas, aqui na república tabajara, é chamado, alcunhado e apelidado generosa, cínica, dissimulada e equivocadamente de “contribuinte” porquanto mero aviltado, espoliado e escorchado “pagador de impostos, tributos, taxas e contribuições”, nenhuma valia tem “nessepaiz”, que tem dominado e “controlado o Estado”, por eLLes; arraigados no Poder desde os idos do “professor de Sorbonne”, numa desbragada, oprobriosa, inescrupulosa e, principalmente, criminosa alternância de lâminas afiadíssimas da esfarrapada “TESOURA-ESCARLATE”: onde os dois maiores “partidos” fingem duelar tal e qual iracundos inimigos figadais, com o suporte essencial, apoio central e fundamental de sempre do “partido” do atual presidente, cujo ministro da economia fazendária tem sido o mesmo de sempre; ou não?
    A tríade poderosa ata e desata, manda e desmanda, faz e desfaz conforme os umbilicais interesses da CAUSA socialista/comunista, que só funciona graças à grana brasileira, especialmente de apenas “14,4% de pagadores-de-impostos”, i.e., somente 29,3 milhões de brasileiros e de brasileiras honestos, honrados, dignos e decentes trabalhadores, literalmente PAGAM, para sustentar toda a súcia matula et caterva escarlate incrustada nos três Poderes até o terceiro escalão; eis a dura, nua e cruel verdade veraz.
    Por que não um único imposto sobre rendas de apenas 10% para todos, salvo os que auferem menos de dois salários-mínimos? Ver: http://gouveiacel.blogspot.com.br/2016/01/para-endireitar-e-salvar-nossa-patria.html e http://gouveiacel.blogspot.com.br/2016/01/para-endireitar-e-salvar-nossa-patria.html.
    As poderosas leis do mercado livre ou livre mercado, mormente da “oferta e procura”, que deveriam se submeter ao livre nutro, necessária escolha e espontânea vontade do consumidor, sucumbem ante o Império da tesourinha ditador dessas regras impostas pelo Estado mercê de seus mandatários escarlates, que remontam e já excedem aos dois “quintos dos infernos”, a saber:
    a. http://gouveiacel.blogspot.com.br/2015/05/o-quinto-dos-infernos-e-fichinha-diante.html;
    b. http://gouveiacel.blogspot.com.br/2015/08/o-brasil-e-seus-dois-quintos-dos.html;
    c. http://gouveiacel.blogspot.com.br/2017/01/mais-opressao-ao-oprimido-escalpelado-e.html, e;
    d. http://gouveiacel.blogspot.com.br/2017/03/reforma-da-previdencia-nada-prudente-e.html.
    Alternativa, saída ou solução: boicote ao “abastecimento” imediato e temporário ou até mesmo uma generalizada desobediência civil senão a imprescindível, imediata e urgente intervenção marcial castrense federalizada tal e qual nos idos da década de sessenta até meados da década de oitenta quando fomos felizes, e como “éramos felizes”: http://gouveiacel.blogspot.com.br/2016/11/eramos-felizes-ah-como-eramos-felizes.html.
    Fora disso é navegar na maionese.
    Abr
    *JG

  • Ele

    Não era isso o que queriam? Pintem os rostos de azul e amarelo, se armem com vossas panelas e vão às ruas…

  • Breno jucá

    Verdade

  • Cabeça

    O estrago causado pelo PT ainda repercute . Tudo isso para cobrir o rombo deixado por 13 anos de lulismo .

    • Italo

      Está mais para cobrir o rombo das emendas parlamentares com o intuito de permanecer no poder. #votanoPMDBparavcsefuder

      • JOAO

        RESTOS DOS PETISTAS , ITALO VC VOTOU ASSUMA.

  • FEIJÓ

    MUITOS COMENTAM DE MANEIRA INOCENTE,É SABIDO QUE OS POSTOS DE GASOLINA DO ESTADO ,SÃO TODOS ( 100%), PERTENCENTES A POLÍTICOS E ELES MANDAM NAS ALAGOAS. LEMBRO-ME QUANDO ALGUNS POSTOS FORAM FECHADOS POR ADULTERAR GASOLINA,UNS BOTAVAM ÁGUA,OUTROS SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS,TEVE UM NA CAMBONA QUE UMA SEMANA DEPOIS VOLTOU A REABRIR E COM TODAS AS REGÁLIAS.SE FOSSE TOMADA AS DEVIDAS PROVIDÊNCIAS NO FECHAMENTO E OS SEUS PROPRIETÁRIOS PERDESSEM AS CONCESSÕES,COM CERTEZA TERÍAMOS POSTOS FECHADOS SEM DIREITO A REABRIR.ELES CONTROLAM ATÉ OS PREÇOS E NUNCA SERÃO PRESOS…….

    • Italo

      Só faltou vc falar que o PROCON tbm já foi comandado por uma política recentemente que o pai possui posto de combustível.
      O atual gerente do PROCON acredito que só quer saber de filas de espera em bancos. Certamente possui um carro oficial do governo e não paga um centavo de combustível.

  • Luciano

    Engracado…nao sou favoravel a nenhuma classe ou partido…mas o outro governo tambem nao tinha nenhum Santo..que o diga as contas de energia elétrica…

  • JEu

    Realmente estamos precisando de uma manifestação verde e amarela (sem partidos, siglas ou ideologias baratas) nas ruas… com todos participando com o único interesse de exigir que os deputados da câmara federal para aceitar a denúncia da PGR o que, por consequência, vai afastar o temeroso da cadeira mais alta do planalto… lógico que assume o tal do Maia (que deve ter seus podres também), porém vai chegar lá com o rabo entre as pernas, pois saberá que o povo vai estar de olho nele… vamos também exigir que o governo federal corte na carne, reduzindo em, pelo menos, 50% da máquina pública, com igual redução de cargos comissionados… isso com certeza, já dará uma folga de mais do que os 10 bilhões esperados com o aumento desses aviltantes impostos sobre os combustíveis…

    • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

      Voltemos à tesoura-escarlate.
      Percebam bem: eLLes expõem-nos dois ou mais “antagonistas” ou pseudos oponentes, adversários ou “inimigos figadais” (apenas de e na aparência ou da boca-para-fora, numa apresentação cênica teatral digna de exímios atores, atrizes e celebridades globais), onde brigam em público e se aninham em colóquios noturnos, soturnos, sombrios e sinistros, mormente maquiados pelos gênios do mal: os marqueteiros; que os transformam em candidatos cândidos, ideais ou vestais (ascetas de prístinas virtudes), daí terem nos enganados, ludibriados, ultrajados e frustrados aos mais de “54 milhões de eleitores”, que neLLa teriam votado, bem como, também, aos mais de 51 milhões eleitores, que votaram no adversário da mesma estirpe, naipe e laia, como se depreende das reveladoras delações-premiadas da Operação Lava-Jato. Destes, louve-se os votos nulos, brancos e abstenções, os quais não se deixaram lograr!
      Com efeito, sem opção, sem direito de escolha entre os melhores, e para não fugir ao dever cívico, democrático, civilizado e cidadão, todos fomos logrados!
      Enfim, a única substancial, fundamental e supina diferença é que todos nós (enganados e usurpados pelo pseudo adversário deLLa) queremos todos eLLes atrás das grades amargando pelos seus crimes; enquanto uns outros atoleimados, alienados, alienantes e alienistas se comprazem em continuar sendo logrados e ainda preferirem apoiá-los e defende-los, como ingênuos torcedores de time de futebol. In http://gouveiacel.blogspot.com.br/2017/05/abaixo-tesoura-escarlate-ou-tributo-as.html, na íntegra.
      Abr
      *JG

  • santos

    Parabéns ao cordelista, arretado! Quanto aos empresários em questão, isso chama-se mau-caratismo.

  • Williams Roger

    Não. Os descontos sempre foram dados pelo governo via refinarias.
    Os empresários, sem generalizar, foram que sacanearam com os consumidores.
    Aí o governo cortou a imunidade de impostos.

  • ANTONIO HONORIO

    O governador Reinanzinho, quando os postos baixaram os preços dos combustíveis, mais do imediatamente foi pras redes sociais dizer que o “pai” da proeza tinha sido ele. E agora o que ele vai dizer?

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    QUEM FOI QUE INVENTOU O BRASIL*. OU: O MAIOR ERRO ESTRATÉGICO DO CONTRAGOLPE!
    Joilson Gouveia*
    Ressabido, público e notório que um “país se faz com homens e livros”, conforme assestado por Monteiro Lobato nos Século e Milênio findos, quando o nosso Brasil ainda não havia sofrido uma inescrupulosa, ignominiosa, insidiosa ou criminosa, monstruosa, ampla, irrestrita e degenerada “Invasão Vertical dos Bárbaros”*- tão bem retratada por Mário Ferreira Santos.
    A dita cuja ter-se-ia implementada aqui no Brasil, através dos paulatinos, sorrateiros, dissimulados e tenazes tentáculos dominadores e dominantes do sonso, insólito e sórdido escólio de Antonio Gramsci, os quais substituíram aos ensinamentos, estratégias, métodos e práticas subversivas terroristas leninistas/marxistas/stalinistas, que foram impostos por Guevara e Fidel Castro, naquela ilhota caribenha desde 1959, por vias de guerras de guerrilhas (rural e urbana), as quais, aqui restaram derrotadas por diversas vezes e nas várias intentonas comunistas, mormente nas décadas de trinta a sessenta: quando fomos salvos pelos intrépidos, aguerridos, honrados, honestos e bravos militares patriotas, que atenderam aos apelos instados pela odiada classe média ou burguesia e Congresso Nacional de antanho, com o incontinenti contragolpe ao iminente golpe do proletariado urdido, anelado e intentado por comunistas/socialistas, em 1964.
    O contragolpe dos militares de 1964, o qual proporcionou-nos a todos cidadãos e cidadãs mais de 21 anos de evolução, educação, crescimento, desenvolvimento, progresso, tranquilidade e segurança social: éramos felizes; e como fomos felizes até a anelada debacle redemocratização.
    – Reitere-se: Fomos felizes, de 1964 a 1985. Havia homens e livros nessa época, mas nem todos os homens leram a todos os livros, revistas e jornais.
    Entrementes, a despeito de fragorosamente derrotados nas diversas lutas armadas, os comunistas jamais desistiram da CAUSA: do anelado comunismo.
    E “Comunismo”, como bem lecionado por Olavo de Carvalho, in “O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota”, senão vejamos, a saber:
    “é apenas uma construção hipotética destituída de materialidade, um nome sem coisa nenhuma dentro, um formalismo universal abstrato que não escapa ileso à navalha de Occam. Não existiu nem existirá jamais uma economia comunista, apenas uma economia capitalista camuflada ou pervertida, boa somente para sustentar uma gangue de sanguessugas politicamente lindinhos.”
    Diz-nos mais ainda:
    “Se todos os meios de produção são estatizados, não há mercado. Sem mercado, os produtos não têm preços. Sem cálculo de preços, não há planejamento econômico. Sem planejamento, não há economia estatizada.”
    “Desde que Ludwig von Mises explicou essas obviedades em 1922, muitas consequências se seguiram.”
    “Os líderes comunistas, por mais burros que fossem, entenderam imediatamente que o sábio austríaco tinha razão, mas não podiam, em público, dar o braço a torcer. Tolerando doses cada vez maiores de capitalismo legal ou clandestinos nos territórios que dominavam, continuaram teimando em buscar um arranjo que maquiasse o inevitável. Eduard Kardelij, ministro da Economia da Iugoslávia, chegou mesmo a imaginar que seria possível uma comissão de planejadores iluminados determinar um a um, por decreto, os preços de milhões de artigos, desde aviões supersônicos até agulhas de costura. A ideia jamais foi levada à prática, porque se assemelhava demasiado ao método português de matar baratas jogando uma bolinha da naftalina em cada uma. Os soviéticos permitiram que o capitalismo oficialmente banido continuasse na sombra e respondesse por quase 50% da economia da URSS. Daí o enxame de milionários que emergiram da toca, da noite para o dia, quando da queda do Estado soviético: eles jamais teriam podido existir num regime de proibição efetiva da propriedade privada.
    Alguns grandes capitalistas ocidentais tiraram da demonstração de von Misses algumas conclusões mais agradáveis (para eles próprios). Se a economia comunista era impossível, todos os esforços destinados nominalmente a criá-la acabariam gerando outra coisa. Essa outra coisa só poderia ser um capitalismo oculto, como na URSS, ou um socialismo meia-bomba, uma simbiose entre o poder do Estado e os grupos econômicos mais poderosos, um oligopólio, em suma. As duas hipóteses prometiam lucros formidáveis, aquela pela absoluta ausência de impostos, esta pela garantia estatal oferecida aos amigos do governo contra os concorrentes menos dotados. Se a primeira ainda comportava alguns riscos menores (extorsão, vinganças pessoais de funcionários públicos mal subornados), a segunda era absolutamente segura.
    Foi então que um grupo de bilionários criou o plano estratégico mais maquiavélico da história econômica mundial – inventaram a fórmula assim resumida pela colunista Edith Kermit Roosevelt (neta de Theodore Roosevelt): ‘A melhor maneira de combater o comunismo seria uma nova ordem socialista governada por ‘especialistas’ como eles próprios’. Essa ideia espalhou-se como fogo entre os membros do CFR – Council on Foreign Relations, o poderoso think tank nova-iorquino. A política adotada desde então por todos os governos americanos (exceto Reagan) para com o terceiro mundo, na base de combater a ‘extrema esquerda’ mediante o apoio dado à ‘esquerda moderada’, foi criada diretamente pelo CFR. O esquema era infalível: se os ‘moderados’ vencessem a parada, estaria instaurado o monopolismo; se os comunistas subissem ao poder, entraria automaticamente em ação o Plano B, o capitalismo clandestino. A ‘extrema esquerda’, apresentada como ‘o’ inimigo, não era na verdade o alvo visado; era apenas a mão esquerda do plano. O verdadeiro alvo era o livre mercado, que deveria perecer sob o duplo ataque de seus inimigos e de seus ‘defensores’ os quais, usando o espantalho da revolução comunista, o induziam a fazer concessões cada vez maiores ao socialismo alegadamente profilático da esquerda ‘boazinha’.
    Reduzir o leque das opções políticas a uma disputa entre comunistas e socialdemocratas tem sido há meio século o objetivo constante dos bilionários inventores da nova ordem global. O Brasil de hoje é o laboratório dos seus sonhos.” (Sic.) – Loc. cit. p. 167/168 “Quem foi que inventou o Brasil”. Zero Hora, 11 de junho de 2006.
    No Brasil, além de olvidarem ou desdenharem, menoscabarem ou, na pior das hipóteses, não entenderem Ludwig von Mises e à “Invasão Vertical dos Bárbaros”, os homens de então deixaram-se levar pelos renitentes, tenazes, sequazes séquitos gramscistas ao tolerarem (aquiescendo ou cedendo ou não evitando nem proibindo – apesar da alegada censura) às ideias de redemocratização, reabertura política, a anistia ampla, geral e irrestrita aos guerrilheiros evadidos e, sobretudo, ao aceitarem, permitirem e reconhecerem a “criação” de um partido que se dizia dos trabalhadores.
    – Eis que, Golbery do Couto e Silva, grassa erro crasso ou ignaro e pueril ao não vislumbrar e até sugerir uma terceira opção político-partidária, mormente ao olvidar:
    “onde quer que um partido imbuído da ambição revolucionária de mudar a sociedade de alto a baixo ascenda ao poder, usando para isso os pretextos mais respeitáveis da moralidade convencional – como o fez o PT ao longo da sua fulgurante carreira de denunciador da corrupção alheia -, a imoralidade e o crime se imporão logo em seguida, não como desvios e aberrações, mas como instrumentos preferenciais para demolir o senso estabelecido da moral e da justiça e, na subsequente confusão geral das consciências, impor um novo padrão de julgamento, onde a vontade revolucionária é o critério supremo e único do bem e da verdade.”
    “Tudo isso está ocorrendo bem diante dos olhos sonsos e cegos de uma opinião pública que não apenas se contenta, mas entra em êxtase quando o partido criminoso entrega à justiça seus agentes menores para preservar-se politicamente, limpando-se na sua própria sujeira, como sempre.” (Sic.) Loc cit. p 489. – sem grifos no original.
    – Quantos dos já investigados, processados, julgados, condenados e presos, por envolvimento no mensalão, foram expurgados do tal partido? No mais da vez, são tidos como verdadeiros heróis da causa? Erguem seus punhos cerrados e posam de impolutos paladinos!
    Eis o que nos leciona Olavo de Carvalho sobre os indigitados mensaleiros, a saber:
    “Agora que os mensaleiros estão no fundo do poço, não cessam de erguer-se vozes indignadas de petistas, comunistas e socialistas fiéis que os condenam como oportunistas e traidores. Mas por que deveria algum líder ou militante ser atirado à execração pública pela simples razão de ter cumprido à risca a sua obrigação de revolucionário? Não é certo que a estratégia marxista-leninista ordena e determina não só atacar o Estado burguês desde fora, mas corrompê-lo desde dentro sempre que possível para em seguida acusá-lo de depravado e ladrão e substituí-lo pelo partido-Estado? Não é notório que, na concepção mais ampla e sutil de Antonio Gramsci, inspirador e guia da nossa esquerda há meio século, a corrupção não basta, sendo preciso estendê-la a toda a sociedade, quebrantar e embaralhar todos os critérios morais e jurídicos para que, na confusão geral, só reste como último símbolo de autoridade a vontade de ferro da vanguarda partidária? Não é óbvio e patente que, se na perspectiva gramsciana o Partido é o ‘novo Príncipe’, ele tem a obrigação estrita de seguir os ensinamentos de Maquiavel, usando da mentira, da trapaça, da extorsão, do roubo e do homicídio na medida necessária para concentrar em si todo o poder, derrubando pelo caminho leis, instituições e valores?
    Na perspectiva marxista, nenhum dos artífices do mensalão fez nada de errado, exceto o crime hediondo de deixar-se descobrir no final, pondo em risco o que há de mais intocável e sagrado: a boa imagem do Partido e da esquerda em geral.” (…)
    “Uma vez que se abandonou a via da revolução armada – não por reverência a vida humana, mas por mera oportunidade estratégica -, que outro meio existe de instaurar a ‘autoridade onipresente e invisível’ senão a corrupção sistêmica dos adversários e concorrentes.” (…)
    “Os mensaleiros não são, é claro, bodes expiatórios inocentes. São culpados parciais incumbidos de pagar sozinhos pela culpa geral de uma organização que há trinta anos vem usando do discurso moral , com notável eficiência, como disfarce e instrumento do crime.”
    “Os que agora tentam se limpar neles são ainda piores. Pois o que fazem é tentar levar o povo a esquecer que os mensaleiros de hoje são os moralistas de ontem, os mesmo que, nas CPI’s dos anos 1990, brilharam como paladinos da lei e da ordem, enquanto já iam preparando, sob esse manto cor-de-rosa, o esquema de poder monopolístico do qual o mensalão viria ser nada mais que instrumento. E para que fariam isso, se não fosse para aplanar o terreno para novos e maiores crimes?” (Sic.) – Sem destaques no original. – In artigo “Depois do mensalão”, editado no Diário do Comércio, datado de 17 de outubro de 2012. Loc. cit. p. 490/491. Visionário?
    Notem bem: estão aí presentes o PTrolão e todos os demais fatos e feitos interligados descobertos pela Operação Lava-Jato.
    Enfim, como bem destacara em N. do Org. 12, p. 493, da referida obra de Olavo de Carvalho, sobre o PT:
    “O PT é um partido ladrão porque é um partido revolucionário, filiado a uma tradição de amoralismo maquiavélico que, pelo menos desde a revolução Francesa, com intensidade crescente desde a Primeira Internacional de 1864 e mais ainda desde a fundação do Partido Social-democrata de Lenin, sempre achou que era seu direito e até sua obrigação, financiar a si próprio por meio de assaltos, de sequestros, de extorsões, de desvio de dinheiro público, bem como de uma infinidade de negócios capitalistas legais e ilegais, cujo volume total faria inveja a seus mais reacionários inimigos burgueses. (…) Revoluções custam caro. O revolucionário Parvus, que enriqueceu com mil e um negócios na Turquia, já ensinava em 1914: ‘A melhor maneira de derrubar o capitalismo é nós mesmos nos tornarmos capitalistas.’ Não foi lulinha quem descobriu essa fórmula. (…) Os ricos não serão destruídos pelo pobres. Serão destruídos pelos mais ricos.” [Olavo de Carvalho, “PT, o partido dos ricos”, Diário do Comércio, 21 de janeiro de 2008 – http://www.olavodecarvalho.org/semana/080121dc.html%5D.
    Abril
    *JG