– O que foi que houve? O pessoal não entendeu direito o que você escreveu?

Do outro lado da linha, meu amigo Fredão demonstrava a sua preocupação com a fúria de alguns comentários feitos pelos internautas a um pequeno texto que este espaço publicou na última sexta-feira – era sobre a greve.

Argumentei que tudo estava dentro do atual contexto, principalmente porque há uma dificuldade imensa de milhões de brasileiros, principalmente nesses tempos iracundos, enxergarem o mundo além do preto e branco. Uma gente que não admite nem mesmo a existência do cinza e se posiciona para a guerra na estúpida linha do “se não está comigo, é meu inimigo”.

Quantas cores maravilhosas e revigorantes eles deixam de contemplar, por preguiça, acomodação ou, simplesmente, por um incurável azedume da alma.

Que vida sem graça!

De novo, é uma condição que eu já conheço bem, e não é de hoje: não ser de um lado nem do outro, neste conflito belicoso, irracional e infantilizado. O que não há de significar alienação, não ter opinião ou posição: é tão somente me situar em uma das tantas minorias que povoam o mundo – a dos que elegem o desprezo para surdos e urros.

E não lamento por isso.

De alguma forma, reparando bem e com certa acuidade, todos nós, em algum momento ou circunstância, integramos uma minoria. No meu caso, aquela pela qual tenho maior apreço é a dos cidadãos comuns que se sabem comuns (Michel de Montaigne), contrariando os que acham que suas vidas “dão um livro” e produzem subliteratura, por óbvio, ruim, no cotidiano das redes.

Esta descoberta pessoal, a do destino banal, me tirou um imenso peso dos ombros, que já me parecia demasiado para as minhas parcas forças. Lidar com a “nova” condição tem me trazido uma serenidade que de há muito eu buscava, ainda que sem a sabedoria que persigo – ao que parece, inutilmente.

Você não tem preconceitos?

A pergunta me foi feita de chofre por um colega de profissão. Pude responder sem nenhum rebuscamento, mas com a melhor honestidade de que sou capaz:

– Tenho, sim, mas combato-os sem tréguas, tão logo eu os identifico.

Está claro que este é um embate permanente, do qual não admito abrir mão. Talvez por isso, cada vez mais eu respeite as minorias, cada uma delas com suas idiossincrasias, colocando no octógono da minha consciência preconceito e empatia: que vença o melhor.

Não ter medo de estar entre poucos, ser minoria, é entender também o quanto é necessário, muitas vezes, ir de encontro à opinião da maioria, mesmo que o custo emocional ou material seja alto. Continuo disposto a pagá-lo. Com menos coragem, reconheço, do que aqueles que enfrentaram tiranos individuais, os quais hoje tratamos comos loucos e poucos.

Contrariar o sabor das ondas, ainda que as emoções, sempre elas, nos impulsionem irresistivelmente, exige despender mais energia do que poderia ser necessário, caso cedêssemos, e pode até nos levar a acumular amarguras e frustrações ao longo da existência – se a conduzirmos por um território além de um parque de diversões. Parece-me mais estimulante, porém, do que sair boiando na direção de cada marola.

É, meu caro Fredão, não há de se perder tempo ou sentimento com os que acreditam que o mundo foi feito para a guerra de fronteiras, aquela em que o limite do seu território não chega aos dedos que teclam no computador.

Sábio foi Émile Zola, o valente e imortal escritor francês, que deixou por escrito sua opção por uma vida em que menos é mais:

– Ah, que doçura ser um solitário, não pertencer a seita alguma, depender apenas da própria consciência.

 

Marco Fireman volta à mídia nacional com licitação no Ministério da Saúde
Ricardo Mota entrevista Ciro Gomes na TV Pajuçara
  • Joao TT

    Ricardo, … um DIVERTIDO domingo família em paz entre [email protected]!
    com a RAZÃO iluminada na PROFUSÃO amadurecida e temperada com SAL a grado.
    FOLGA semanal temperada a gosto na SAGRAÇÃO de tentativa e erros próprios e coletivos, CONSAGRAÇÃO?
    * Num JARDIM encantado/ assombrado: pra lá de PRILIMPIMPIM
    – onde mora o ANÃO assim: PÁ e gorrinho: CACHIMBO e narigão, barrigão.
    * Tem a BARBA comprida, sabida, a risada … um TROVÃO!
    – NEM famoso: sequer Zangado, Dengoso ou Dunga engraçado.
    * Nem MESTRE, Feliz, Soneca nem o Aaa … tchim!
    – ENDEREÇO: fim do começo da LADEIRA do sabão … escorregão!
    COM a Turma do Balão MÁGICO, Anão ASSIM [1988, CBS], P Mounsey & E Poças
    https://www.vagalume.com.br/a-turma-do-balao-magico/anao-assim.html

  • ADRIANO SILVA

    Posso não concordar com suas opiniões, mas respeito e defendo o seu direito de pensar diferente de mim.
    Eis a beleza da democracia, divergir sem ter que aniquilar o pensamento divergente.

  • JEu

    Bom dia, meu caro Ricardo. Realmente, todos precisamos aprender a nos posicionar na vida… concordo que este posicionamento não deve aumentar nossos desgostos e sim nos dar uma visão ampla da vida, das coisas e das pessoas, para não cairmos na realidade “virtual” que, muitas vezes, os jogos de marketing, propaganda e ilusionismo impõe a cada minuto na TV, nos palcos da vida e na web… Noto, porém, que, num mundo tão pequeno como o de hoje, impossível fica para cada cidadão se “isolar”… de uma forma ou de outra suas opiniões, palavras e atos serão conhecidos e debatidos… a não ser que abandonemos a tão propalada “civilização” tecnológica e passemos a viver uma realidade de ermitão social… e, talvez, lá no meio da selva amazônica… fora disso, concordo com vc, precisamos construir nossos valores e viver segundo eles (desde que não se prejudique a ninguém, é claro), aceitando que os outros também tem direito a opinião… se construímos nossos valores sobre bases sólidas (não fanáticas, e sim amadurecidas e vivenciadas) então não temos o que temer (sem trocadilho)… Ótimo tema para esses tempos tão conturbados de lutas de idéias… Bom domingo.

  • santos

    O problema, meu caro, é justamente esse: lidar com sectários.

  • MINORIA NÃO NACIONALISTA?

    É DIFÍCIL SER UM POUCO NACIONALISTA, DEFENDER CIDADANIA COM ++++ AMOR À PÁTRIA E FAMÍLIA!!!

  • Há Lagoas

    O termo minoria e seus significados, alterado de acordo com as convicções – ou seria ideologia – de cada um.
    Posso ser considerado minoria por defender princípios e valores dos quais compartilho, mas que não podem ser chamado de “politicamente correto”?
    Por ter convicção cristã – respeitando a opinião alheia – mas não abrindo mão de minha fé, sou respeitado pelas ditas “minorias”?
    Admiro seus argumentos e sua simpatia por humanistas franceses, e vejo em você alguém que procura não rotular aqueles que divergem de seu ponto vista.
    E meu caro Ricardo, você pode ser considerado minoria pelo simples fato de ponderar e não aniquilar aquele que pensa diferente.
    E cá pra nós, isso é raro em quem tem pensamento de esquerda – se é que isso ainda existe.
    Um bom domingo a todos.

    • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

      E quando deixou de existir?
      LEMBRO-OS: OS COMUNISTAS/SOCIALISTAS JAMAIS DESISTEM!
      Joilson Gouveia*
      Todos sabemos porquanto histórico, real e verdadeiro, pois que mais que ressabido, público e notório, de que “éramos felizes”1 (e como fomos felizes!) nas décadas de 60, 70 e 80, quando os nossos honrados, bravos, dedicados, disciplinados e destemidos militares nos livraram da iminente ditadura-escarlate do inescrupuloso, odioso e criminoso proletariado (o comunismo/socialismo que havia ido às armas, numa guerra-de-guerrilha rural e urbana) até à debacle redemocratização”2 (reabertura política e anistia política ampla geral e irrestrita) sob o tecido, tramado e urdido engodo ardiloso das “Diretas, Já!” – mesmo ante aos alertas vaticinados, principalmente, por Ernesto Geisel e João Batista de Oliveira Figueiredo (Veja ao final deste seus alertas!)
      O Brasil de hoje [que ainda é o resultado de tudo de bem e de bom desses seis lustros e dos 21 anos de governos sérios, responsáveis e probos, dos cinco generais, quando teve um formidável crescimento econômico e avanço financeiro e laboral, produtivo, profícuo e proficiente, salutar, saudável, social e, sobretudo, seguro aos brasileiros e às brasileiras honestos, honrados, decentes e dignos cidadãos e cidadãs alegres, contentes e felizes, cujas casas-de-varandas ainda não eram cercadas por altas muralhas eletrificadas e vídeo-monitoradas e vigiadas como às de hoje] As Provas disso tudo estão nos diversos vídeos da época, quando e onde se podia sair às ruas, praças, praias, cinemas, teatros, bares, bailes e demais logradouros sem os iminentes riscos de roubos, furtos, assaltos e de morte, vítimas de violência letal!
      – Nessa época, somente os ditos guerrilheiros, subversivos e terroristas “autos-exilados” é que temiam ao regime de segurança, trabalho, ordem e progresso! Eis a grande verdade!
      Entrementes, os escamoteados, dissimulados, ludibriados e ludibriadores prestidigitadores escarlates, ainda que tenham desistido do confronto armado belicista, subversivo e terrorista, porquanto sempre derrotados desde 1930/32, mudaram seus programas, projetos, planos, táticas e estratégias: adotaram o nefasto, nefando e funesto escólio gramscista da “tesoura-escarlate”, disseminado de modo paulatino, sorrateiro, tenaz e numa permanente construção e perene busca de uma hegemonia de seu “pensamento-crítico” dominante, mormente dos ditos intelectuais de esquerda das elites e dos jornalistas da chamada imprensa-livre, transformados em “agentes-de-transformação-social-e-cultural”.
      A alardeada, divulgada e festejada “queda do Muro de Berlim” (O Muro de Berlim, construído pela Alemanha Oriental para separar a Berlim Ocidental, não comunista, da Berlim Oriental, começou a ser construído em 13 de agosto de 1961, passou por modificações até os anos 1980 e foi derrubado em 1989.), onde centenas de milhares de alemães-orientais correram para o lado ocidental em busca da liberdade e da segurança, que nunca tiveram no lado oriental; passando a ideia de que “o comunismo havia sido extinto e de que o socialismo estava morto”, com a ajuda de Gorbachev e sua dissimulada “Perestroika”!
      • – “Mas o começo do fim estaria no processo de mudanças internas na URSS, que começou na metade da década de 1980, com Mikhail Gorbachev enquanto secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética, que mais tarde promoveria a implantação da Perestroika e da Glasnost.” Fonte: Wikipédia.
      No entanto, tal logro fez todo o Ocidente baixar sua guarda, mormente o Brasil, que desde 1979 a 1985 havia dado início à reabertura política e à anelada redemocratização, inclusive, após eleição-indireta de Tancredo Neves – que estranhamente morreu sem assumir o cargo de Presidente, o qual fora assumido por José Sarney, da antiga ARENA (Aliança Renovadora Nacional, dito defensor governista ou da situação) de quem o extinto MDB (Movimento Democrático Brasileiro, constituído de ilustres esquerdistas) era ferrenho opositor: a tesoura-escarlate aí já estava armada! – assim, pois, sucedia ao 30° presidente republicano e o 5° do período áureo-militar, de nossa espoliada republica tupiniquim, General João Batista de Oliveira Figueiredo.
      Aí a tesoura tinha já suas duas lâminas afiadíssimas e cortantes, mas precisava de um ponto de apoio-central, um suporte para seu pleno funcionamento permanente e cortante, pois “a democracia estava instituída no Brasil, com a constituinte e carta-cidadã, de 1988”, que se pretendia Estado Democrático, Humanitário e de Direito, como diziam os ex “presos-políticos” e autos-exilados, que já haviam criado, em 1979, um “partido, em defesa dos trabalhadores”, os quais já tinham seus direitos consolidados, garantidos e assegurados desde a ditadura de Getúlio Vargas, que copiou a “Carta-del-Lavoro”*, e, por decreto-lei 5452, “criou e aprovou a CLT”, nos idos de 1943, em 1° de maio – ficou conhecido como o “pai dos trabalhadores, do Brasil” – alçados aos patamares constitucionais da Carta-Cidadã, de Ulisses Guimarães, como Direitos Sociais, no Art. 7° – ver do Art. 6° ao Art. 11, da CF/88, que o tal partido sequer a assinou quando de sua promulgação!
      • * A carta do trabalho é o documento de 1927, onde o Partido Nacional Fascista de Benito Mussolini apresentou as linhas de orientação que deveriam guiar as relações de trabalho na sociedade, nomeadamente entre o patronato, os trabalhadores e o Estado, sendo uma das facetas do modelo político corporativista.”
      • Segundo este documento, todos deveriam seguir as orientações e o interesse do Estado. À sociedade permitia-se que se organizasse em corporações, isto é entidades como associações patronais e sindicatos que representassem, não a diversidade de interesses, mas a colectividade.” Fonte: Wikipédia.
      Todavia, já dissemos que houve erros, no regime constitucional-marcial-castrense-federal, sim! Afinal, seus governantes eram humanos e falíveis! Os maiores erros: foram a reabertura política ou redemocratização e a anistia geral, ampla e irrestrita aos “ex-presos-políticos”, os autos-exilados guerrilheiros, assaltantes, bandidos, sequestradores, assassinos e ladrões escarlates, porém o maior erro foi do “estrategista Golbery do Couto e Silva”, que propôs a criação do “novo-partido” dito dos trabalhadores, para ser a-terceira-via ou opção aos dois já existentes: ARENA e MDB.
      Nesse ínterim, o fabianismo instalara-se, democraticamente (graças ao ilustre falante professor de Sorbonne, que chamou às esquerdas de burra), mas, as duas lâminas, passaram a ser os democratas-sociais e os sociais democratas tendo o “novo” PMDB como o ponto de apoio-central perene das duas lâminas – entra governo-sai-governo, e ele lá; há mais de seis lustros! – as lâminas fingem brigar: se xingam, se acusam: um imputa ao outro resquícios de uma direita inexistente, de modo que permanecem no Poder!
      O primeiro ficara por oito longos anos, quando deu-se início às tais reformas previdenciárias: o vilão era o servidor-público e sua estabilidade. Já seu sucessor teve tempo igual, mas nada fez (eram medidas impopulares – e são!), mas pôs sua substituta “criatura”, para fazê-las; tanto que Joaquim Levy intentou-as, mas queria recriar a CPMF, que o fez cair; mas seu sucessor, Nelson Barbosa, apresentou o esboço da PEC/241, hoje PEC/55 ou “pec da morte” …
      Contudo, a “criatura” levou uma queda sem coices (perdeu seu anel de rainha, mas preservou seus dez dedos), para que o escolhido por nove dedos ultimasse as medidas impopulares. Ou seja, as tais reformas trabalhista e da previdência, as quais defendia desde 2004/2006 – ver aqui http://gouveiacel.blogspot.com.br/2017/04/o-fiasco-de-uma-debacle-greve-geral-de.html, a saber:
      • Ademais, os cretinos, canalhas, patifes,”bobos sinceros ou inocentes úteis da linha-de-frente, mascarados ou não, universitários ou secundaristas”, ignoram, desconhecem ou sabem e “olvidam de má-fé” de que seu “encantador-mor” defendeu (e defende) às indigitadas, guerreadas e repudiadas reformas trabalhista e da previdência, a saber:
      https://www.youtube.com/watch?v=C85lkYSwoRY;
      http://www.implicante.org/acervo/em-video-lula-defende-a-importancia-da-reforma-previdenciaria-alvo-de-ataques-da-esquerda/;
      http://noticias.r7.com/brasil/video-revela-contradicoes-de-lula-sobre-a-reforma-da-previdencia-17032017;
      • Recordemos o dito e defendido por eLLe, a saber:
      • “Acho que a Previdência, de vez em quando, deve ser reformada. Na medida que é provado cientificamente a nossa longevidade, a gente não pode ficar com a mesma lei feita há cinquenta anos”, disse Lula, durante um encontro em que defendeu a Reforma da Previdência, que era uma das agendas de governo da presidente Dilma.
      • O vídeo em que Lula defende a reforma foi divulgado pelo jornalista Augusto Nunes, da revista Veja. Segundo o jornalista, Lula falou na quarta-feira para uma plateia adestrada e berrou posições contrárias do que dizia há menos de dois anos sobre o tema. De acordo com Nunes, o petista mentiu nas duas ocasiões.” (Sic.)http://noticias.r7.com/brasil/video-revela-contradicoes-de-lula-sobre-a-reforma-da-previdencia-17032017.
      Enfim, pode-se perceber que tudo está dentro dos programas, planos, projetos, táticas e estratégias escarlates: coube ao vice-ideal (escolhido a nove dedos, por duas vezes consecutivas) implementa-las; daí eLLe vocifera, esbraveja e esbaforido brada CONTRA, para iludir, mais uma vez, aos que diz defender: os trabalhadores; assim cairá nos braços dos indefesos trabalhadores e do povo incauto, ignaro ignoto, ignorante, subliterato e analfabeto, dentre os mais de 75% da imensa população brasileira, graças à “pátria-educadora”.
      Eis que, aliados dos mentecaptos, lobotomizados e doutrinados inocentes-úteis de sempre (universitários e secundaristas maconheiros e usuários de drogas) juntos às centrais-sindicais e sindicatos que sequer veem ou defendem aos mais de 14,3 milhões de desempregados, demitidos nos últimos três anos, somados aos idiotizados dos SEM (terra, trabalho, emprego e vergonha) mais outros milhões de escravizados famélicos das BOLSAS-FAMÍLIAS, inclusive os carentes da Rouanet, mediante a paga de pão-com-mortadela, suco e kit de outros tantos desempregados, unem-se a verdadeiros vândalos, vagabundos e bandidos, para queimar pneus e depredar ao patrimônio de uso comum, geral e público e incendiar coletivos, como se o governo e os políticos andassem neles, além de afrontarem, enfrentarem e agredirem aos policiais-militares, com pedras, paus e rojões, e ainda chamam a isso de “greve-geral” e aos cretinos de “manifestantes”!
      Leiam mais sobre o tema aqui, a saber:
      a) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2017/04/o-fiasco-de-uma-debacle-greve-geral-de.html, e; b) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2017/04/socialistas-sao-meros-artifices-do-mal.html.
      Bem por isso e por tudo isso, temos dito, repetido e reiterado: urge endireitar nossa Pátria Amada Brasil: intervenção constitucional marcial castrense federalizada ou desobediência civil generalizada, e já! http://gouveiacel.blogspot.com.br/2017/04/intervencao-marcial-federal-ou.html
      Abr
      *JG
      1 http://gouveiacel.blogspot.com.br/2016/11/eramos-felizes-ah-como-eramos-felizes.html;
      2 http://gouveiacel.blogspot.com.br/2016/10/redemocratizacao-fracassada-direita.html.
      P.S.: atentem: os comunistas/socialistas são semeadores de todos os males!

  • Luiz Carlos godoy

    Necessário e oportuno registro, Ricardo!

    Que a digna opção de Émile Zola continue nos fortalecendo…

    http://blog.tnh1.com.br/ricardomota/2011/11/24/quem-derrubou-charles-weston/

    • Joao TT

      êItchA, LUÍS! … uma MINORIA preparada e corajosa!
      … “alguns POUCOS,/ JOVENS abnegados […] profissionais MADUROS” [Quem DERRUBOU?], link acima 24nov11
      FELIZMENTE cada vez mais destes, tanto no Min Púb d’CONTA$ [ http://www.mpc.al.gov.br ] cuma Trás-os-VrIdO das TIAS Carochinha$ [ http://www.tce.al.gov.br ]
      … “ESPULETA, fumar-beber infância a ROCK – casa da TIA: p’EU dormir, historias da CAROCHINHA: fuckers, transformei em PUNK rock
      [AGÁS da Carochinha], ARGANAZ https://www.letras.mus.br/arganaz/1441721
      FELIZMENTE cada vez mais PREPARO individual [Col Marista 1983] e CORAGEM coletiva [Direito Cesmac 1996], cevada na PÓS Civil (Seune 2004) e Tributária (M Nassau 2004) entre PROCURADORES Federais (2002-2004) e Estaduais desde 2004 qual MÚSICA atual.
      [Charles WESTON Fidelis Ferreira], 18ago16, http://lattes.cnpq.br/2003422242446735

  • Luiz Henrique

    Nobre Jornalista, boa tarde !
    É lamentável que nem todos saibam discernir as vossas crônicas, e por isso deixam os seus ânimos se sobressair aos seus comentários.
    Fossem eles leitores do livro sagrado, saberiam que maçãs de ouro em salvas de prata é a palavra falada a seu tempo !