A iniciativa do procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça, de unir prefeitura de Maceió e governo do Estado na responsabilidade pela despoluição do riacho Salgadinho está tendo, por enquanto, um efeito contrário – só aprofundou, até agora, a desunião entre as duas administrações.

Ainda que Rui Palmeira e Renan Filho não tenham se manifestado com ênfase sobre o tema. Mas os assessores de ambos têm travado o que se chama nos bastidores de “a guerra dos esgotos”. De um lado, o Instituto do Meio Ambiente (principalmente); do outro a Secretaria de Desenvolvimento Urbano.

O que tem aparecido? Sujeira, por óbvio. Mas cada lado cobrando do outro as providências, que precisam, sim, ser tomadas.

A força-tarefa criada para identificar as origens da poluição que transformou o Salgadinho em um canal fétido, que deveria nos envergonhar – e não nos envergonha mais -, tem disputado uma quebra de braço interna, de informações midiáticas e sem consequências práticas.

O que requer uma intervenção – está evidente – do próprio procurador-geral de Justiça. O tema é bom, útil para a sociedade e não pode virar mais munição para uma campanha eleitoral, que começou no ano passado e não dá sinais de arrefecimento.

Mesmo que a eleição – a próxima – só aconteça no final de 2018.
É inegável a situação falimentar da Casal, a nossa empresa de água e esgoto, historicamente administrada por interesses político-eleitorais.

A atual direção da companhia, no entanto, tem se esforçado para tirá-la do fundo do poço, literalmente. E é o caso mesmo de unir os esforços de prefeitura e governo do estado, sem mesquinhez, de olho no bem-estar da população.

Que o doutor Alfredo Gaspar de Mendonça, que provocou a ação, dê o passo seguinte – empurrando governo e prefeitura na mesma direção.

Essa história do Salgadinho, cá pra nós, já está cheirando mal.

"A sociedade não acredita na Justiça, e a Justiça não acredita na sociedade"
Dom Muniz repudia atuação de secretaria controlada por Carimbão
  • Joao TT

    Será que teremos novamente Bailes PERFUMADOS?
    Disfarçaremos SUORES com poucas ÁGUAS à moda LAMPIÃO (1898-1938)?
    O REI do Cangaço e da OSTENTAÇÃO era um cara … “aburguesado, maravilhado com MODERNIDADES como a máquina fotográfica e a garrafa térmica, tomando UÍSQUE e banhando-se em perfume francês”
    OSTENTAÇÃO captada pelas lentes de Benjamin ABRAÃO (1890-1938) com apoio do Pe CIRÇO (1844-1934).
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Baile_Perfumado
    Em St’ANA temos águas da CASAL desde 1965 SEM esgotos, teremos novamente Bailes PERFUMADOS?

    • PORFIRIO

      Os homens do governo, acham que só eles pensam, ledo engano, eles também acham que só eles são homens, ou engano, também pensam que podem tudo, outro enganos maior, a verdade, é que são uns falastrões com poderes dados por um grande numero de pessoas sem conhecimento algum das coisas, com suas exceções,claro, pela via do voto, processo seletivo criado por intelectuais, que só beneficia os eleitos, e aí, deitam e rolam. O salgadinho, é uma uma tapa na cara desses merdas que elegem e não tem compromisso com a coisa a publica. Crie-se ali um projeto bem elaborado, vá em Brasilia, traga recursos, bote a obra pra andar com responsabilidade e vejamos o resultado, Ze Thomaz Nono, fica fora disso.!!

  • Zezinho

    Depois da Kátia Born será o Dr. Alfredo Gaspar o próximo candidato a mergulhar nas águas despoluídas da foz do Salgadinho? Duvido que o Sr. Procurador aceite pagar um mico desta envergadura, afinal estas ações são pirotecnia sem qualquer resultado prático.

  • Mário

    É por essas e outras que o nosso estado é carente de muitas coisas. A culpa é de boa parte da população que vota em certos políticos. Propagandas bonitas, promessas mirabolantes, aumento de impostos (pouquíssima contrapartida), são marcas dos gestores em tela. Lamento pela boa intenção do Procurador Alfredo Gaspar de Mendonça, mas essa é uma prévia da eleição de 2018. SMJ.

  • SEVERINO

    A CASAL JUNTO COM O GOVERNO DO ESTADO ESTÃO TOCANDO UM PROJETO QUE TEVE NESTE MÊS DE JANEIRO DE 2017 COMO META INICIAL COMEÇAR PELO BAIRRO PINHEIRO, E ATÉ FEVEREIRO SANEARAM APENAS TRÊS RUAS. MAS COMO CIDADÃO CONHECEDOR DESTE BAIRRO HÁ MAIS DE VINTE ANOS, MUITO BEM SEI DAS CANALIZAÇÕES CLANDESTINAS DE FEZES E GORDURAS QUE ADENTRAM NAS GALERIAS DE ÁGUAS PLUVIAIS E DESEMBOCAM NA LAGOA MUNDAÚ E PELO MAR. LAMENTAVELMENTE ACREDITO QUE TODO ESSE TRABALHO SE NÃO FOR FEITO UM DESMONTE DAS ESTRUTURAS DE CANALIZAÇÕES CLANDESTINAS DE NADA VALERÁ.

  • JEu

    Creio que não adianta tentar fazer dois bicudos se beijarem… Talvez a solução seja acionar a justiça nos dois níveis (federal e estadual) pois o meio ambiente é protegido pela CF/88… e ajunte-se a tudo isso, uma ação bem coordenada da mídia (de todos os meios, principalmente na web) apontando as falhas dos dois (des)governos (no caso da despoluição do Salgadinho)… afinal, 2018 vem aí e os dois mandantes do executivo (estadual e municipal) estão totalmente interessados e envolvidos… aí, com a opinião pública espalhando a “sujeira” para todos os lados, então talvez até os dois bicudos queiram se beijar…

  • treal

    É realmente uma situação fedorenta!

  • wal

    Se este governador,( RENAN FILHO-PMDB de ALAGOAS )o estagiário,fosse um governo; do povo e para o povo,ele sairia na vantagem;;; como,,, porque ? ora, quem tem um pai, que manda e desmanda em tudo que é justiça nesta pais, manda e desmanda nos cofres públicos ( dinheiro ), neste pais,teve participação em grandes obras para a copa do mundo,o presidente da república é seu braço direito,parece que está metido em falcatruas, quem envolve Bilhões,juntamente com os alagoanos, COLLOR, BIL DE LIRA, ARTUR LIRA,MAX BELTRÃO, CIÇO ALMEIDA.Porque já na próxima Segunda feira, dia 20.02.17, não aciona o papai ( dele ), e manda resolver aquela imundice ?
    Seria porque a obra custa milhões ? e a grana do roubo da assembléia legislativa aqueles R$ 300 milhões… afinal quanto deve custar o obra do RIACHO SALGADINHO ?????
    diz aí governador ?????

  • Bruno

    Por que vocês chamam de “Doutor” uma pessoa que não tem título de doutorado???

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    MONSTRUMENTO II – O RETORNO!
    Joilson Gouveia*
    Eis o que havíamos dito sobre o referido monumento, que chamei-o de monstrumento, a saber:
    “Desde já se afaste a pecha ou a querela ou mesmo a diatribe de que estamos a querer “ensinar o ‘padre- nosso’ a vigário”; não. Não é isso, não mesmo!
    O turismo ou sua atividade turística ou o mercado turístico ou o grande filão ou mina abstrata, amorfa, inodora e incolor – como se queira chamar – é induvidosa, indiscutível e insofismavelmente, a mais célere fomentadora e adequada, ecológica ou rentável dentre todas as “indústrias mercantis” sem suas ‘chaminés esfumaçadas e poluidoras’, mas não é somente um único monumento ou mesmo os lugares aprazíveis ou históricos ou ecológicos ou virgens e inexplorados que fazem esse mercado CRESCER! Sem infraestrutura mínima ou básica ele não vinga, não decola e nem prospera. É fato!
    A despeito de nossa querida, acolhedora e, naturalmente, bela Maceió ter sido escolhida como a cidade de mais belo litoral do Brasil, devido ao seu generoso relevo de suas enseadas e praias de águas tépidas em tons de azul-piscina, que poderiam ser mais saudáveis, límpidas e cristalinas, bem como quase toda nossa costa litorânea repleta de paradisíacas e nativas ou quase virgens praias, barras e embocaduras de rios, riachos e de suas lagoas.
    Ainda assim, não precisa de nenhum monumento, para recrudescer o turismo, mas urge de imprescindível adequado sistema de tratamento de seus efluentes de águas fluviais e pluviais, galerias e bueiros ou de suas ‘bocas-de-lobos’ e de esgotamento sanitários, pois que enfeiam e enodoam e maculam suas areias e águas e a toda essa sua beleza natural! É outro fato!”
    Ver mais aqui, a saber: http://gouveiacel.blogspot.com.br/2013/08/alagoas-e-o-marco-referencial-do-brasil.html
    Ademais, preservar e manter nosso “paraíso das águas” e suas belezas aprazíveis, encantadoras, acolhedoras e naturalmente belíssimas, urge, pois, o mais mínimo saneamento básico e tratamento adequado de suas galerias e redes de esgotos de águas servidas e pluviais, que são despejadas nas suas águas não mais tão límpidas praias e tépidas enseadas de mais de cinquenta tons de azul-piscina, que, no mais da vez, estão impróprias e perigosíssimas em suas balneabilidade e salubridade salutar e segura, consoante alertas da mídia informando de suas impropriedades e riscos à saúde dos banhistas.
    E o disse mais, a saber:
    “RESGATE DA LEGAL, MORAL, REAL e VERDADEIRA HISTÓRIA DO BRASIL – uma hercúlea luta INICIADA e fundada pesquisa de nosso brilhante historiador Jaime de Altavilla, inclusive corroboramos, reiteramos, ousamos e editamos em ‘O Jornal de Alagoas’, de 22 de abril de 2000, há treze anos quando se comemorava o equivocado e falaz ‘descobrimento do Brasil’ a grande festa dos “500 anos do descobrimento do Brasil”, ao que chamamos de cinco séculos de engodos e mentiras haja vista que nunca fora em Porto Seguro ou Ilhéus, na Bahia, o achado de seu Pedro Álvares Cabral (histórica, a rigor e na verdade, Pedro Álvares de Gouveia – nessa época só o primogênito, varão e viril é quem recebia o sobrenome do pai, os demais eram somente ‘filhos-da-puta-que-os-pariu’; assim era tratada a mulher do suserano) como “registrado na ‘estória’ deste país”. Vejam aqui em nosso singelo sítio, a saber: http://gouveiacel.blogspot.com.br/2016/10/cinco-seculos-de-engodo-e-mentiras.html e http://gouveiacel.blogspot.com.br/2016/10/descobrimento-uma-polemica-fertil.html . Leiam e dirimam suas dúvidas!
    Aliás, lembrem-se e olhem o que sucede com as mais famosas baías do Brasil: Guanabara e a de “Todos os Santos”; ameaçadas e poluídas cotidiana permanentemente por faltar-lhes saneamento básico mínimo e tratamento adequado de suas redes de esgotamentos sanitários e de águas servidas e pluviais.
    Enfim, reitero os alertas ditos e escritos anteriores, em nosso modesto Blog!
    Abr
    *JG
    P.S.: Ver na íntegra aqui: http://gouveiacel.blogspot.com.br/2013/08/um-marco-referencial-ou-monstrumento.html

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    O texto abaixo transcrito, datado de 2013, bem retrata o busílis trazido à baila por nosso lietarato “peninha”, a saber:
    PERIGO: PRAIA INTERDITADA; ou CUIDADO: PRAIA IMPRÓPRIA PARA BANHO

    Joilson Gouveia*
    O título deste breve texto traduz a situação deprimente ou calamitosa de nossas belíssimas praias alagoanas, que são “as meninas dos olhos dos turistas” ou a deliciosa “cachaça” que os embriagam e que sempre recorrem aos rincões caetés e sempre tornam em busca de suas tépidas, límpidas e cristalinas tonalidades de azul-piscina de seus mares e praias ou piscinas naturais ou do verde-mar de suas lagoas e, sobretudo, degustarem deliciosas comidas típicas de seus frutos-do-mar e das lagoas e rios locais!
    Todavia, ainda assim, lamentavelmente, com toda essa FALTA DE BALNEABILIDADE, que reflete a INEXISTÊNCIA DE UMA REDE DE SANEAMENTO BÁSICO e de uma REDE DE ESGOTAMENTEO e TRATAMENTO SANITÁRIOS, mormente das águas pluviais que acorrem e correm pelas galerias e bueiros e bocas-de-lobo, que deságuam em nossas lindas praias de águas tépidas, límpidas e de um azul-piscina deslumbrante – que é seu principal senão o maior atrativo turístico caetés: suas piscinas naturais – o que deixa patente, claro e insofismável a necessidade urgente de se INVESTIR NO SANEAMENTO BÁSICO, o mínimo e elementar e essencial para nossa capital. Esta é a prioridade ou a premente necessidade ou, pelo menos, deveria ser a premissa de quaisquer prefeitos, mormente aos que entendem ser o turismo um indústria fundamental de desenvolvimento sustentável, geração de empregos-e-rendas e de progresso social.
    Contudo, a despeito de todas essas reportagens e malgrado essas notícias sobre balneabilidades impróprias ou não recomendadas ou NÃO autorizadas, ainda querem investir numa OBRA à beira-mar, que em nada melhorará ou pelo menos não evitará e nem reduzirá que esses fatos se repitam: ANUNCIADAS INTERDIÇÕES DE PRAIAS, POR FALTAREM SUAS SAUDÁVEIS, SEGURAS E SALUTARES BALNEABILIDADES.
    Leiam mais sobre este e outros temas em nosso singelo Blog, a saber: http://gouveiacel.blogspot.com.br/2013/08/alagoas-e-o-marco-referencial-do-brasil.html;
    http://gouveiacel.blogspot.com.br/2013/08/um-marco-referencial-ou-monstrumento.html .
    O povo, mormente o maceioense, deveria ser consultado sobre a viabilidade ou construção de um “monstromento” à beira-mar ou de um saneamento básico mínimo e essencial, para evitar que mergulhemos num mar-de-merdas ou de coliformes fecais, como gostam de falar!
    Abr
    JG

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    PRESERVAR! É MAIS QUE PRECISO; PROIBIR PESCAR NÃO É PRECISO!

    Joilson Gouveia*

    As últimas chuvas, mais uma vez, desnudaram, desmascararam e demonstraram aquilo que os “amantes de Maceió” (aqueles que dizem que a amam e postam fotos sorridentes, em suas praias), mas parecem não enxergar que sua cantada, decantada, fotografada e filmada “amada e amante Maceió”- eleita, pelos internautas das redes sociais, como sendo uma das mais belas praias do Brasil, o que nos ufana enquanto caetés- está doente, debilitada, abandonada, desprezada, desprotegida e, o que é pior e mais grave, infectada.
    Há, pois, iminente ameaça e perenes riscos à balneabilidade saudável e salutar de suas águas tépidas, claras e límpidas de azul-piscina, e não somente de Maceió, mas de todo nosso litoral.
    A continuar nesse caminho, a persistir e permanecer sem os imprescindíveis, saudáveis, sanativos, salutares e saneadores saneamentos essenciais, básicos e elementares de tratamento das redes de esgotos de águas servidas e de galerias águas pluviais, que sujam, enodoam, poluem e derramam suas águas escuras e fétidas, através das inúmeras galerias que deságuam nelas e as infectam de coliformes fecais e as enchem de todo tipo de lixo e dejetos ou excrementos, poluindo e enfeando nas nossas lindas praias.
    Desse jeito, logo, logo e em muito breve, a continuar nesse descaso, seremos um lodaçal pantanoso em face da enormidade imensurável de lixo abundante em matéria plástica, lama e “línguas negras” lambendo suas praias, no fluxo e refluxo de suas marés.
    E o que tem feito o Poder Público? Nada vezes nada! Passar tratores em suas areias, são medidas paliativas, reativas e lucrativas às empresas coletoras de lixo, em nada solucionam a poluição incontida, desenfreada e descontrolada, sem falar que apenas amontoam todo o lixo nas suas areias, sobretudo no Sobral, Trapiche e Pontal. Urge a proativa prevenção, para preservação da biodiversidade: flora; fauna; lacustre-aquática-marinhas; mormente de seus humanos nativo e turistas.
    Onde o saneamento sanitário de águas servidas dos hotéis, pousadas, restaurantes, barracas, bares e residências da orla litorânea? Quem mais agride ao meio ambiente ou biodiversidade lacustre-marítima-oceânica: o lixo e os dejetos lançados nas águas ou as redes de arrastos de seus pescadores artesanais? O óleo, graxa e gasolina derramados de seus barcos ou o suor de seus pescadores? Proibir a pesca na enseada de Pajuçara evitará a poluição de suas “línguas negras”? As algas marinhas (sargaços), nessas praias, são mortas pelas poluições permanentes, desde sonora, objetos de matéria plástica, concreta e até luminária ou luminosa, pela intensa luminosidade noturna. A vida marinha não repousa nem dorme.
    Ademais, o emissário submarino, que teve sua construção reduzida a um terço da obra e triplicados seus custos, à época, já não suporta a vazão diária normal em dias ensolarados, no verão, mormente quando do período invernoso ou de precipitações de chuvas intensas de verão ou iguais às tempestades da última quinta-feira passada, que macularam, enodoaram, mancharam, sujaram e poluíram ainda mais nossos cartões postais, do Sul até o Norte, da foz do “velho Chico” até Maragogi, mas, eis que os “zeladores do Erário”, resolveram a pesca PROIBIR e sequer tentam evitar ao mar POLUIR. Não se pode mudar nada por decreto, in caso! Amar é preservar; ou não?
    Nossos rios, riachos e córregos hão de ser preservados, para não se tornarem esgotos a céu aberto, como o atual Riacho Salgadinho.
    Abr
    *JG

  • jesualdo

    Parabenizo a atuação do Dr. Alfredo Gaspar de Mendonça, grande contribuição ao meio ambiente e a sociedade alagoana. O que falta em limpar o Riacho Salgadinho é vontade política, ele tem projetos contrário aos interesses da sociedade, penalizam, constrangem e com o tributos e criação de taxas sacrificam o povo. O governo entende que governar o Estado é fazer Segurança Pública, quando sabemos que o Estado é amplo envolvendo saúde e educação e outros setores.

  • Arthur Manoel

    Alagoas clama por SANEAMENTO BÁSICO!! Mas o nosso governador só tem olhos para duplicação de estradas… enquanto isso, haja esgoto a céu aberto poluindo nossas praias, lagoas e rios…até quando !?!? Historicamente, os governantes alagoanos sempre ignoraram essas obras que o povo não ver, porque ficam embaixo da terra, enquanto as estradas todo mundo ver e, assim, rendem mais votos dos eleitores ” sem noção”…puro absurdo!!