Num velho samba que eu cometi – e nunca gravei – há um verso que eu guardo como uma das minhas mais preciosas verdades: “A gente só vale os amigos que tem”.

Foi-se o samba, ficou a convicção. Que para mim soa até como algo cabotino, porque sempre considerei, verdadeiramente, que todos os meus amigos têm qualidades que eu não carrego e que me atraem ao seu encontro.

Esta admiração, creio eu, é imprescindível para que uma amizade, a tradução mais perfeita e desinteressada do amor, exista e persista.

O tema me tomou, mais uma vez, esta semana com os fatos e conflitos lá em Brasília, no Senado Federal. (Alertando: trato aqui de gente, não de política.)

Se, para muitos, o que se via ali era apenas mais um espetáculo em palco lonado, à minha frente estava o território mais inóspito para as relações de afeto; o lugar onde elas se estabelecem de forma tão superficial que delas não resta qualquer saudade após o fim de uma porfia sem glória.

O ex-governador da Bahia – que ocupou tantos outros cargos – Juracy Magalhães afirmou em seu livro de memórias que ninguém faz amigos na atividade política, onde existem no máximo “instantes de amizade”.

Para mim, num raciocínio que pode até parecer tolo, é como se alguém, por um motivo “superior”, renunciasse ao que a vida pode oferecer de mais compensador, em nome de uma causa, de um ideal, coisas assim, grandiosas, que são a essência de discursos que comovem com a mesma facilidade com que são esquecidos.

Contava-me, certa feita, um amigo que mora em Brasília – e de quem sinto falta – das dificuldades, para ele, de viver no universo da eterna vigilância em relação ao outro, ao interlocutor, até de conversas banais, para não passar do ponto depois de um uísque, por exemplo, e lhe oferecer  munição que no futuro ele pode usar contra você.

A cada dia, uma ode à hipocrisia.

Marco Túlio Cícero, o filósofo romano, dizia há mais de dois mil anos que, “mesmo para aqueles cuja amizade resistiu por mais tempo, ela é abalada quando intervêm rivalidades de carreiras políticas”.

Há de se perguntar: para onde foi toda aquela gente que ali se engalfinhava, que se protegia até, quando é um dos seus que estava sendo atacado, depois de interrompida a batalha, no momento de trégua, necessário para que se contassem os corpos e se enterrassem os seus mortos?

Desconheciam ou desdenhavam, pelo menos naquelas horas e naquela imensa urbe de concreto, de que “é impossível ser feliz sozinho”?

Todos ali, de alguma forma, representam o poder, têm o seu naco daquilo que homens e mulheres buscam de forma tão desesperada, e que ao alcançar encontram o mais absoluto e profundo vazio, quando muito, um alimento que não sacia, mas que estimula mais e mais o apetite.

Muito já se escreveu sobre “poder e solidão”, um tema recorrente da história humana. Para mim, depois de uma longa jornada, inclusive na seara que agora me provoca tanto tédio, a conclusão se resume numa frase: poder é solidão.

Não, gente, o “Homo politicus” não me parece pior do que a nossa contraditória espécie. Mas acredito que ele vive e reproduz o que a nossa espécie tem de pior.

 

Renan aponta a necessidade urgente de extinguir o foro privilegiado
Maurício Breda: "A União faz muito pouco pela Segurança Pública"
  • sebastião iguatemyr cadena cordeiro

    TÁ , MATÉRIA , PEGOU NA VEIA ESTE COMENTÁRIO ! COMO SE FALA NO JARGÃO POPULAR,”ESTOUROU A BOCA DO BALÃO”…EXCELENTE DESCRIÇÃO DA ATMOSFERA KAFKIANA QUE SE RESPIRA NOS ARES SECOS E RAREFEITOS DO PLANALTO BRASILEIRO,QUE,PARA UMA GRANDE PARTE DOS MORTAIS,SERIA TÓXICA E INCOMPATÍVEL COM A SAÚDE FISICA,MENTAL E MORAL, DAQUELAS PESSOAS A ELA SUBMETIDAS. CONCORDO CONTIGO(MAIS UMA VEZ),EM GÊNERO,NÚMERO E GRAU ! SAUDAÇÕES DOMINGUEIRAS. . .

  • Há Lagoas

    A amizade nasce do que é verdadeiro.
    Creio que essa virtude deve ser descartada para se viver um “Homo politicus”.
    E na minha humilde compreensão, a maior dádiva da vida é ter um amigo.
    Creio que só pessoas comuns – humilde – tem esse direito.
    Um bom final de semana a todos.

  • Joao TT

    Assino em baixo, também em St´ANA, no SERTÃO a verdade impõe
    … A GENTE só vale os AMIGOS que tem” [Ricardo MOTA – TNH domingo 28ago16]

    Aqui na RAINHA do Sertão, desde 1937 temos uma boa escola BÁSICA – antiquíssimo PRIMÁRIO, agora fundamental, antigo 1o GRAU. Quantas AMIZADES paridas foram no pátio MÁGICO do Grupo Pe Fco CORREIA?

    Já no Século XIX, Pe FRANCISCO antevia a UNEAL em sede PRÓPRIA desde 1994, no governo AMIGO e conterrâneo “GB”. AGORA caberia aos MANDANTES-governantes em BrasiLHa dar ao IFAL e à UFAL de mala e cuia em St´ANA nos anos 2000.

    No SERTÃO, sob bênçãos de PADRES e unções de governadores, são BEM VINDAS as Instituições FEDERAIS até agora jovens ESCOLAS sem CASA própria. Descasadas moças SOLTEIRAS em casas ALUGADAS na Av PRINCIPAL Siq CAMPOS (vulgo Cel LUCENA) e na rodagem do Cachimbo ETERNO (AL 130 a SUL). Sair do ALUGUEL é preciso, gentEeee!

    O pioneiro Pe Fco CORREIA (1757-1842), emérito e intrépido CIVILIZADOR criou o FERMENTO pra dar ASAS à argamassa agitada pelo Pe TEÓPHANES em 19jul1949 na 3a NOVENA a St´ANA invocando o GINÁSIO Cenecista St´ANA advindo em 1951.

    Graças a padres CONSPIRADORES como Francisco PERNAMBUCANO, educado no Seminário de PENEDO, xará do PAPA argentino atual, pululam AMIZADES nascidas no Grupo ESCOLAR trouxeram a UNEAL, a UFAL e o IFAL ao Sertão de ALAGOAS, e … “A GENTE só vale os AMIGOS que tem”.

  • Antonio Moreira

    25/08/2016,5ª-feira, 6h da manhã – estava no quintal da minha casa, um pássaro pousou no varal, entre as minhas duas mãos enquanto estendia uma peça de roupa.
    9 da noite do mesmo dia – de costume, a Janela do meu quarto fica aberta durante dia. Lá, estava um passarinho na grade de proteção da janela.
    Aproximei, e percebi o quanto o meu dedo polegar era pesado enquanto acariciava a cabeça do bichinho.
    Fui tomar banho, a água misturava com lágrimas, pois associava o pequenino pássaro ao meu filho…
    Voltei e ele foi embora, assim como meu filho.

  • SOLIDÃO X PORFIA SEM GLÓRIA.

    UM PAÍS GOVERNADO POR BANQUEIROS E POLÍTICOS CORRUPTOS, SÓ RESTA SOLIDÃO E PORFIA SEM GLÓRIA? CLARO, ESCURO E SEM TRANSPARÊNCIA, SÓ ENTRE 2003 A 2016 NA GESTAÇÃO E NÃO GESTÃO DO ‘PT’ DE LULA ATIBAIA TRIPLEX & DILMA RUIMSELFF CASTRO CUBA, A POLÍTICA ECONÔMICA ESTEVE A CARGO DA MINORIA RICA, SÓ A FAMIGERADA DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL AUMENTOU EM ++++ R$ 2,5 TRILHÕES E NA RAIA DO ABSURDO UM TAL DE SOCA TEMPERO OU BOCA DE SINO OU BACAMARTE OU TRABUCO INDICA UM QUINCAS LEVYATRÁS OS BRASILEIROS QUE EM 9 MESES PARIU UM BEBEZÃO DE NADA ++++ DE R$ 300 BILHÕES, NA TAL FAMIGERADA CHAMADA DE DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL!!! NÃO VAMOS FALAR EM BARBEIRO, CAFUÇU SEM SER DIABO, MAS RUIM DE VOLANTE E DEPOIS NA MODA DE GESTÃO CONTINUA A MANTER AS CHAVES DO GALINHEIRO COM AS RAPOSAS!!! SE R$ 150 MILHÕES DO Mensalão, UNS R$ 10 ou R$ 20 BILHÕES DO Petrolão, UNS CERCA DE R$ 60 BILHÕES DO Bndesão, AVALIE QUANDO CHEGAR AOS MÍSEROS INSIGNIFICANTES R$ 2,5 TRILHÕES DO AUMENTO DA FAMIGERADA DÍVIDA líquida líquida líquida? SERÁ QUE AÍ TEM & SE TEM & CuuuuMA? PODEMOS REPETIR: “…QUE DELAS NÃO RESTA QUALQUER SAUDADE APÓS O FIM DE UMA PORFIA SEM GLÓRIA.”
    UMA COISA É CERTA, A INCOMPETÊNCIA DE GESTÃO DE LULA ATIBAIA TRIPLEX & DILMA RUIMSELFF CASTRO CUBA, DETERMINA SUAS EXPULSÕES DE VEZ DA POLÍTICA SÉRIA NO BRASIL, PORTANTO SÓ RESTA FORA DILMA XÔ DILMA E DANE-SE DILMA PARA O BEM DO POVO BRASILEIRO. ADEMAIS QUE HAJA MUDANÇA NA GUARDA DA CHAVE DO GALINHEIRO, NÃO PERMITINDO QUE RAPOSAS CONTINUE A TOMAR CONTA DAS GALINÁCEAS, O MESMO DO 6 POR 1/2 DÚZIA? ACORDA PRESIDENTE TEMER, QUEM GERA EMPREGO É A ‘PRODUÇÃO’ E NÃO O ‘CAPITAL’!!!
    P/Domingos Correia.

  • João Carlos Uchoa

    Bravo! Perfeito texto, como sempre objetivo e denotando igualmente a realidade. Parabéns!!

  • WAL

    Como disse o TIRIRICA,em seu espaço no horário político; É MELHOR SER UM PALHAÇO POLÍTICO do que ser um POLÍTICO PALHAÇO…

  • JEu

    Pela amizade verdadeira: parabéns, “a gente só vale os amigos que tem”… Agora, quanto às “amizades” no meio politiqueiro, só consigo me lembrar daquela frase dita por um imperador romano, ao ser esfaqueado até à morte, por seus confrades do senado (será coincidência?!!!): “até tu, Brutus”?…..

  • Glorioso

    “Amigo é pra se guardar no lado esquerdo do peito”. Milton Nascimento.
    “Político é pra se jogar no lixo da historia política brasileira contemporânea”. Voto nulo já!

  • Lopes

    Não procure a felicidade nas coisas materiais, não deposite a felicidade no outro. A felicidade está dentro de você mesmo! Volte-se para dentro de você mesmo! Vós sóis Deuses! Você não precisa fazer nada pra ser um Deus! Você já é um Deus! Sabe qual é a diferença entre eu e vocês, é porque eu acordei o Deus que está dentro de MIM, e vocês ainda estão dormindo! Não existe o mal no mundo! Quando a gente nasce o mal não está aqui na terra! O mal ele nasce, vive, cresce e morre dentro de cada um de nós. O sofrimento existe no mundo, mas qual a causa do sofrimento, porquê as pessoas sofrem? As pessoas sofrem porque são ignorantes, elimine a ignorância e você eliminará o sofrimento!
    Sidarta Gautama, 600 anos A.C

  • Rostand

    Parabéns pelo texto,verdadeiro. Agora, a afirmação de Juracy Magalhães ‘instantes de amizade” sobre amizade na política, explica tanta falsidade e interesses que relegam os interesses da população a último plano. Para comprovar isso em Alagoas,é só procurar nas redes sociais que se encontra conchavos absurdos e desmoralizantes principalmente entre o PMDB e o PSDB.Na região norte,por exemplo, o governador é visto com candidatos e herdeiros dos envolvidos com a operação gabiru(desvio da merenda escolar) e tem município(s) que estão ele e o deputado federal Pedro Vilela do PSDB apoiando o mesmo(a)candidato(a).Isso significa que o povo não tem representantes,política é profissão,meio de vida deles e delas.

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    NINGUÉM TEM AMIGOS! Talvez, amigo! Amigos nunca!
    Joilson Gouveia*
    Houve quem dissesse “não me deixem só… não me deixem só”!
    Tens amigos enquanto tens daquilo de que precisam eles ainda que deles nem precises. Ou seja, enquanto tiveres o que eles querem os terás como sendo “amigos” sempre dito por eles ao serem acudidos: “amigo é para acudir outro”! – Ainda que o axioma ou aforismo popular seja de dúbio sentido! “Estou aqui para acudir vocês todinhos”! – Risos!
    Amigo não é matéria, coisa ou objeto para que se tenha dele a posse! Não! Não se tem amigo; estimas ou aprecias alguém como sendo um: o escolhes ou o eleges para ser um amigo; ainda que, no mais das vezes, o “amigo” não te dispenses o mesmo afeto, apreço, atenção ou valia!
    Faz-se amigos ou se conquista-lhes aos que se lhes são caros, mas sem preços!
    “O apreço não tem preço”! Ou teria?
    Na vida, somente a solidão (… ingratidão, esta pantera, foi a tua companheira inseparável) tem sido e ainda é a nossa companheira inseparável! E assim será!
    Outros diriam que os “amigos se contam nos dedos”. Aos que assim pensam não se dão conta da conta que fazem! Há os que faz-de-conta que são, nessa tal conta! Não?
    Os amigos seriam os parentes, os aderentes? Não! Há muitos parentes e aderentes que não são tão amigos assim; ainda que suportem ao grau de parentesco!
    Amigos? Amigos! Nem tantos nem tão poucos!
    Amigos somos e seremos, sempre, de quem e a quem cativamos como tal, “por sermos eternamente responsáveis” por isso e por esse sentir!
    Não, não se tem amigos; sente-se amigo; sentimo-nos amigos enquanto durar esse sentimento, infinitamente!
    Tal e qual o “respeito**(que é bilateral, mútuo, recíproco, sinalagmático…) ou equânime, equitativo, equivalente e equipolente, que compele (o respeito) a duas ou mais partes ou mesmo multilaterais, conforme dogmas, normas, regras, condutas e atitudes de convivências sociais e, portanto, condutas humanas – enquanto homo sapiens, claro! – Ver mais sobre o tema in http://gouveiacel.blogspot.com.br/2013/07/breve-sinopse-sobre-hierarquia_1521.html
    Abr
    *JG