Num dos principais desdobramentos da Operação Taturana – que não morreu, apesar do esforço das lagartas de fogo – é a parte do inquérito que está no Superior Tribunal de Justiça e que tem como alvo a conselheira do Tribunal de Contas Cleide Beserra, esposa do prefeito afastado de Canapi, Celso Luiz.

Em março desde ano, um despacho do gabinete do ministro João Otávio de Noronha, o Superior Tribunal de Justiça decidiu dar continuidade às investigações envolvendo a conselheira no inquérito da Operação Taturana.

Ela compõe no “pacote do STJ” com o também conselheiro Cícero Amélio, em razão do foro privilegiado por prerrogativa de função.

Os demais envolvidos estão divididos entre o STF, caso dos deputados federais denunciados no inquérito da PF, e no Tribunal Regional Federal da 5ª Região – Recife, os demais acusados, incluídos os deputados estaduais.

O inquérito da Operação Taturana é datado de 2008, assinado pelo delegado Janderlyer Gomes, hoje um nome conhecido nacionalmente pelo seu trabalho de investigação na Polícia Federal.

A decisão do STJ – pela continuidade da investigação contra a conselheira – é de 14 de março.

Lembrando a Taturana

O relatório do delegado Janderlyer Gomes aponta o indiciamento de 110 pessoas que, de alguma forma, integraram a ORCRIM – organização criminosa – que desviou R$ 302 milhões dos cofres públicos estaduais.

A tal ORCRIM, ainda segundo a documentação da PF, atuou de 2001 a 2007, na Assembleia Legislativas de Alagoas, num esquema de desvio de dinheiro, uso de laranjas, crimes contra a Receita Federal – e por aí segue.

Segundo a Polícia Federal, esse esquema, que seria supostamente chefiado por Celso Luis, ex-deputado, e Antônio Albuquerque, ex-presidente da Casa de Tavares Bastos, beneficiou quinze deputados estaduais, onze ex-deputados, funcionários da Casa, dois ex-prefeitos – Cícero Almeida e Fábio Jatobá, de Roteiro – e os dois conselheiros do palácio de vidro da Fernandes Lima.

Um recado aos que admitem votar em criminosos este ano
MP espera que presidente do TJ casse decisão que adia multa de R$ 61 mil para Luiz Dantas
  • Souza

    A certeza da impunidade faz com que eles voltem a praticar atos ilícitos

  • NADO

    QUEM MANDOU DEIXAR A TATURANA SOLTA? AGORA ESTÁ DANDO TRABALHO PARA A POLICIA NOVAMENTE!!!

  • Indignado

    Mas, cadê o dinheiro ? Prendem,soltam e depois os caras continuam curtindo a vida com o dinheiro público. Pra quê só prender ? A devolução do dinheiro roubado é o mais importante e nunca acontece. Tá tudo em casa.

  • Duca

    Caro colega qual motivo de só prender ladainhas e não políticos

  • marcio silva

    por que será que os políticos se estapeiam para indicar os “notáveis” para conselheiro do tribunal de contas, será que é pra fazer de conta?

  • JEu

    Concordo plenamente com o indignado, creio também que o melhor seria a Justiça (com J maiúsculo, não esta que impera neste Estado) mandar bloquear os bens de todos os envolvidos para ressarcimento ao erário público…

  • anonimo

    Tem que investigar inhapi

  • REGINALDO

    NÃO TEM DOUTOR OU JUSTIÇA UE DÊ JEITO. O PAIS ESTA TODO CONTAMINADO. A SALVAÇÃO ESTA COM AS FORÇAS ARMADAS, POIS UM JUIZ PRENDE OU AFASTA O CORRUPTO E OS TRIBUNAIS MANDAM VOLTAR. COMO PODE CONSERTAR UM DESASTRE DESSE? O ASSENTO CRASE NÃO FUNCIONA. DESCULPA

  • Leandro

    Os honoráveis bandidos de Alagoas, protegidos sob o manto sagrado e macio dos privilégios parlamentares e do vergonhoso foro por prerrogativa de função, excrescência constitucional nada republicana, tripudiam sobre a dignidade do povo alagoano, cônscios de que serão acolhidos pelos braços afáveis da impunidade. É uma vergonha, um vexame! Um processo (Taturana) que se arrasta desde 2008 e até agora não deu em nada. NINGUÉM foi punido! Seria uma boa hora para o nosso Judiciário fazer valer o Artigo 5º da Constituição Federal que diz: TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI.

  • robson

    caro jornalista se nós temos um ministro condenado por desviar 133 milhões das merendas dos pobres estudantes de Alagoas o que pensar da justíca para julgar este senhor chamado Celso Luiz?

    • Zeca

      É verdade Robson,muito bem lembrado. Isso mostra que essa briga política-partidária não é pelo desenvolvimento do País e muito menos do nosso estado. É pelo dinheiro.

  • Eleitora

    Na época em que a Polícia Federal estava investigando, essa Sra. Cleide chamava-se Cláudia. Depois de tudo isso, como prêmio, foi ser Conselheira do TC por negociata do seu marido Celso Luiz, que hoje foi levado à Polícia Federal para depor pelo desvio do FUNDEB.
    E NÃO ACONTECE NADA.

  • SEVERINO FEIJÓ DE MENDONÇA

    MEU AMIGO RICARDO MOTA, TODO ESSE JULGAMENTO É CONSIDERADO UMA GRANDE PIADA E CHACOTA,POIS OS ENGENHEIROS DA TATURANA E GABIRU ESTÃO POR AÍ SOLTOS E PROTEGIDOS PELO PRÓPRIO JUDICIÁRIO, HÁ MAIS DE TREZE ANOS. VEJAMOS O CASO COMO SE CONFIGURA;OS INTELECTUAIS DESTAS OPERAÇÕES, ENCONTRAM-SE NA CASA DOS SEUS 70 ANINHOS E,PELO CORRER DA CARRUAGEM O PROCESSO AINDA ESTÁ NA SEGUNDA INSTÂNCIA, CABE RECURSOS NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E DAQUI ATÉ O JULGAMENTO , OS MENINOS DE OURO DA TRAMBICAGEM ESTARÃO COMPLETANDO OITENTA ANOS.SABEMOS QUE QUALQUER CIDADÃO APÓS A IDADE DE SETENTA ANOS NÃO PODE FICAR PRESO EM NENHUM PRESÍDIO, A MENOS QUE CONTINUE EM LIBERDADE.ASSIM FUNCIONA O JUDICIÁRIO DO NOSSO PAÍS.E VIVA A REPUBLIQUETA DAS BANANAS DO BRASIL.

  • Anônimo

    Infelizmente todo mundo solto, Taturana foi simplesmente o maior escandalo da ALE até hoje tudo parado, Tarurana tem que andar.

  • Tiago Melo

    Será que o processo agora anda…?

  • Alfredo

    Um Tribunal cuja principal função é vigiar os ladrões do erário, abriga em seus quadros justamente os alvos (alguns) e não as flechas.

  • Samuel Pedro

    Essa Conselheira Cleide Beserra está diretamente envolvida nesse escândalo dos “Taturanas” – que massacrou ainda mais o nosso povo já tão humilhado e pisoteado -, responsável pelo desvio de mais de 300 millhões dos já pobres Alagoanos. Lembro que na época em que a Polícia Federal deflagrou a investigação, o então Superintendente da Polícia Federal, Dr. Pinto de Luna mencionou em entrevistas à imprensa, que uma das dificuldades encontradas foi saber de quem se tratava uma senhora para quem era repassada altíssimas quantias e que na contabilidade constava como sendo “Cláudia Brandão”. Posteriormente, descobriu-se que a tal “Cláudia Brandão”era nada menos que a hoje Conselheira Cleide Beserra. Ora, em um país sério, essa senhora jamais seria Conselheira de um órgão com incubência de fiscalizar e julgar contas públicas. Ao contrário do que ocorre aqui em Alagoas, em outros países com legislação penal justa e célere, essa Conselheira estaria cumprindo pena de reclusão em regime fechado, onde é o lugar de quem desvia dinheiro público de um Estado paupérrimo e de pessoas famintas que passam dias sem ter o que comer, como é o nosso. Agora, diante desses novos fatos, constata-se que há uma doença crônica e, um instinto conjugal e sobretudo familiar para se desviar dinheiro público.