(Por um motivo técnico, as matérias mais recentes não estão aparecendo na primeira página do TNH1. Peço desculpas aos leitores, na expectativa de que o problema será resolvido o mais rapidamente possível.) 

A informação é do promotor José Carlos Castro, coordenador do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público do MP Estadual.

E soa como denúncia.

São, praticamente, vinte anos de descumprimento da lei, ainda que isto possa parecer absolutamente normal ao senso comum.

Convidado do Ricardo Mota Entrevista deste domingo, na TV Pajuçara, o promotor sabe do que está falando e faz uma afirmativa importante para todos os cidadãos: “Só o controle social pode resultar na qualificação da gestão pública”.

Bingo!

Falamos sobre eleição, efetividade da Justiça, as dificuldades do MPE para chegar a um destino fundamental: o ressarcimento ao erário do dinheiro desviado pelos maus gestores.

Agora, cá para nós, saber que a Câmara de Vereadores  de Maceió não julga as contas da prefeitura desde que Djalma Falcão comandava o destino do Executivo Municipal é impactante.

No mais, é conferir.

Ricardo Mota Entrevista

Domingo, 10h30, TV Pajuçara

Convidado: promotor José Carlos Castro, coordenador do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público do MPE

Pensamento positivo
Renan já contabiliza 60 votos no Senado pró-impeachment
  • WAL

    O povo prefere está muito ligado na TV COLORRIDA,( AL-TV ),então continuam cegos, mudos e surdos. Temos em Alagoas, um jornal local DA TV PAJUÇARA, um jornal sem medo,completo,tem começo meio e fim, e ponto final.
    Sendo assim, o este povo, está despostos a votarem nas mesmas pragas, que aí estão.
    VOTO NULO…

  • Antônio Carlos Barbosa

    Excelente o tema da entrevista sobre contas públicas, e começa com uma afirmativa que atenta contra a que deveria ser a principal atuação dos vereadores da cidade de Maceió, que é fiscalizar o poder Executivo Municipal.
    Promotor atuante, o Dr. José Carlos Castro desenvolve um trabalho digno. É um verdadeiro guardião da sociedade alagoana.
    Vale a pena assistir a entrevista.

  • JEu

    Pois é, e continua tudo como dantes no castelo de abrantes… Infelizmente o povo não sabe o que é isso… acha que os mandantes do executivo são os “donos” das prefeituras e demais governos… e que podem fazer tudo o que quiserem… é, na verdade, uma espécie de atavismo cultural herdado da época colonial… Se alguma coisa pode acontecer, é se houver um grande movimento de esclarecimento público… o que pode ser feito através das mídias de todos o meios de comunicação e dos movimentos sociais esclarecidos e voltados para o bem público… principalmente antecedendo os pleitos eleitorais… aí, talvez, o povo vote como mais consciência e passe a exigir mais de seus representantes nas diversas câmaras e assembleias… Logicamente, estou falando aqui dos eleitores menos favorecidos pela educação e informação e isentos de fanatismos partidários…

  • Carlos Oliveira

    Excelente tema da entrevista Ricardo. Inclusive se encaixa muito no momento que é eleitoral. Na minha opinião eles não julgam por 03 motivos. PRIMEIRO: Não trabalham, só aparecem em festas e nestas épocas eleitorais, o maior exemplo é a que se diz exemplo de honestidade. Ela mesma a amiga da Marina Silva,Heloísa Helena. SEGUNDO: Os cargos e vantagens que recebem para fazerem parte da “bancada” do prefeito do momento. E TERCEIRO: Uma boa parte hoje, se fizerem isso, vão estar cobrando e julgando as ações e desmandos dos Papais,Titios,Vovôs,Padrinhos……….

    • Elaine santos

      Esto muito feliz em ver uma repercussão. Por nosso trabalha não foi fácil, mas foi um excelente conjunto de pessoas .em pro de uma cidadania melho colocando os gestores em seu devido lugar .

  • Há Lagoas

    Em se tratando de Alagoas, as duas câmaras – estadual e municipal – só servem para uma coisa, minar o erário público.
    Mas o que soa estranho, não é essa determinada casta que nunca procurou nos representar, mas sim uma justiça tacanha, silenciosa e que não faz cumprir a lei!
    Na minha humilde concepção o pior dos poderes é a justiça, pois a mesma não impõe a lei como deveria fazer.
    Para que serve uma câmara de vereadores que não julga as contas da prefeitura há vinte anos?!

  • Fabio Poeta

    Verdade, meu caro Ricardo Mota! Em Alagoas? E pra quê? Rsrsrs.

  • Rock

    Boa noite,

    A mais de 2 meses encontra-se no estacionamento do Edf. Porto da Praia, 441, na Av. Alvaro Calheiros, Jatiuca uma ambulância de HEMODIALISE com placa OHI 2901do município de Campestre/Al.
    No mínimo isso é alguma coisa irregular em pleno ano eleitoral, um veículo para uso da saúde do povo do municipio escondida, extremamente nova e parada pq não sai nenhum dia da garagem. Reportagem já.

  • ARTUR GAIA

    Infelizmente os políticos não sabem nem o papel que devem desempenhar, só enxergam o seu lado, como fazer para melhorar de vida e permanecer no cargo de POLÍTICO.

  • LimaJr

    Para que serve tantos políticos? O número só aumenta e com ele as despesas pagas com nosso dinheiro. Com eles vem os cargos de confiança, assessores, comissionados, familiares e até empregados de casa também entram na lista de assalariados. Esse Brasil não muda, nada melhora e a única coisa que cresce é imposto e patrimônio dos políticos.

  • Jerônimo Barbosa dos Santos

    Ricardo Mota entrevista integrantes do Ministério Público Estadual com um tema muito polêmico e que toda sociedade precisa tomar conhecimento. O tema da entrevista versa sobre o descaso que vem acontecendo com relação às contas da Prefeitura, pois há mais de 20 anos que a Câmara dos vereadores se quer aprecia suas entrelinhas para aprovação, como se estivesse passando desapercebido e o pior é que o povo pensa que tudo está correndo na maior normalidade. Por isso que vem acontecendo vários desvios do dinheiro público ou aplicação indevida e com outra finalidade. É de suprema importância a participação de toda sociedade na fiscalização, pois pagamos impostos com muito sacrifício e todo ano são arrecadados milhões aos cofres públicos, porém a sua má aplicabilidade vem gerando uma série de consequência gravíssimas e quem paga pela irresponsabilidade e impobridade administrativa é a própria população que fica sem uma escola, um Posto de saúde e sem segurança, o que contribui enormemente para o aumentos de crianças nas ruas, da marginalidade e da criminalidade. Portanto, nós que fazemos parte da sociedade temos um papel preponderante para acabar com essa situação oriundas de gestores irresponsáveis.