A febre chikungunya foi esquecida pela população, pela mídia e até pelas autoridades da área de Saúde no país.

“Acontece agora o mesmo que já aconteceu com a zica e o dengue. A chinkungunia também vai sendo esquecida”, afirma o infectologista Celso Tavares.

Tendo de se deparar, a cada dia, com pacientes que chegam ao consultório em situação grave, ele alerta que esta “é mais uma doença que mata, deixas seuqelas terríveis, a exemplo da dengue e da zica, mas que vai saindo da ‘moda’. Nós não podemos vacilar com o mosquito aedes aegypti, que continua encontrando os ambientes propícios à procriação”.

De fato, as três viroses mais faladas do país, até recentemente, saíram da mídia nacional, paulatinamente, sem que percebêssemos.

Talvez por exaustão – sempre exageramos na dose – talvez por causa das Olimpíadas, que acontecem em agosto, e não podemos assustar o mundo.

De um jeito ou de outro, vale a pena repetir o pensador francês Pierre Bordieu:

– O que não passa na televisão não existe.

Pode? Adjunto de Rozangela Wyszomirska é também secretário de Saúde de Igaci
Ministério comandado por Maurício Quintella já encolheu
  • jobson

    No passado existia facilidade para tomar vacinas, atualmente, cada dia menos opçaõ de postos, Ex; posto do mercado da produção não vacina, como também no shopping suspenso, as escolas e praia você tinha certeza que encontraria.