Deve ocorrer em 30 dias o julgamento do deputado Cícero Almeida de perda de mandato, impetrada pelo PRTB, pelo qual foi eleito em 2014.

De lá para cá, ele ainda passou pelo PSD, de Kassab, e aportou no PMDB, dos Calheiros (não se sabe atá quando).

A audiência de segunda-feira, no TSE, foi tensa e durou mais de cinco horas.

O momento mais difícil foi quando depuseram o próprio Almeida e Levy Fidelix – a relação pessoal entre os dois está cada vez mais azeda, para dizer o mínimo.

O bicho quase pega.

A ministra Luciana Lócio, do TSE, relatora da matéria, deu cinco dias – a partir de hoje – para que o PMDB, novo partido de Almeida – se manifeste.

A decisão sobre a ação pode ser monocrática.

(Mesmo depois da janela da infidelidade, ainda persiste esse tipo de iniciativa, que representa perda de tempo e de dinheiro).

 

Collor se filia ao PTC e pode disputar prefeitura de Maceió
Célia Rocha deixa o PTB e deve disputar reeleição pelo PSL