No início desta semana, um funcionário de uma empresa de tecnologia da informação, contratada pelo TNH1, respondeu assim a um pedido que lhe fiz:

– Nós estaremos encaminhando a sua observação para as providências necessárias.

Perplexo e assustado, eu disse em voz alta: “Ele voltou”.

“Ele quem?”, perguntou Lelo Macena, um amigo que eu “reconheci” no ano quase findo.

“O gerundista!”

Sim, gente, porque eu pensei que a onda do gerúndio já havia sido substituída por outra, uma nova criação acadêmica, na mesma linha do “a nível de”, “eu, enquanto”, “pertença”, a lista é inacabável.

Pois ele estava ali, me levando a uma reflexão que eu imaginava perdida no tempo e no espaço.

E de tempo é o que, de fato, tratamos aqui.

O gerundista, qualificação obrigatória para os (as) atendentes de telemarketing, vive eternamente no presente, não tem futuro e não tem passado – uma tragédia!

O gerúndio, leitores e leitoras, é sempre um presente disfarçado, e se ninguém há de garantir futuro a quem quer que seja, o pior de todos os males é não ter tido passado, ou não poder ao menos dele se lembrar em cores vivas, afirmativas das boas e más experiências: vivi, menti, roubei, beijei, chorei, amei.

O gerundista?

Vivendo, mentindo, roubando, beijando, chorando, amando. Nada já feito, tudo se fazendo, ainda que se desfazendo na traiçoeira memória.

Vezes sem conta, desato a dar risadas por recordações de malfeitos infanto-juvenis, me pego em saudades amoráveis ou dolorosas, me ensimesmando nas coisas que nem sabia estarem grafadas no errático e sempre inacabado livro das deslembranças.

Aí é que está o problema: o gerundista nunca chega ao ponto final, não tem pausa para repouso, está num presente que não acaba, tedioso, e que não dá espaço para que o novo bata à sua porta e lhe diga: “É hora de deixar para trás o que já não é”.

Ah, gente, o gerundista, pobre coitado, vai indo, seguindo, num sem-fim de passagens que não levam ao ato concluso, entendem? Não tem quem aguente as próprias pernas nesse eterno caminhar-caminhando.

Tudo bem, não serei inflexível. Podemos fazer um acordo: se em 2016 aquela velha e antipática senhora vier buscar o que há de ser dela um dia, direi: “Estou indo”.

Mas se a vida, de novo, acenar, assoprando para diante, peço perdão aos gerundistas, mas a segurarei com a força de quem sabe até que vai passando, mas que crê que ainda há tempo para, no futuro, se chamar de passado.

União dos Palmares terá Kil Freitas x Nelito Gomes de Barros em 2016
Alfredo Gaspar de Mendonça: "Não serei candidato a prefeito de Maceió"
  • Há Lagoas

    Como sempre, um excelente texto.

    A propósito, pratica-se muito o gerúndio nas repartições públicas de todo o país. Creio que os servidores aprenderam com os políticos, ou será o contrário?!

  • Zé MCZ

    Toc! Toc! Toc!(na madeira) Ó! Ricardo!.. Vira essa escrita pra lá! É inexorável que a existência é fugaz, a ponto de o que vivemos agora já é passado! Mããss, continue lutando sempre pelo que é civilizado, verdadeiramente humano (claro, bate a amargura).

    Fale como o Chapolim: sigam-me os bons!

    Continuemos no gerúndio(“eternamente ” aprendendo)

    Não te conheço pessoalmente, mas a intuição é infalível!

    Abraço,

    Seu admirador!

    PS – Oh! Sei que você não tem aquilo.. pink!(srs)

  • SEBASTIÃO IGUATEMYR CADENA CORDEIRO

    ENTULHOU , MATÉRIA ! VIROU UMA PSICOPATIA , UMA MA-

    NIA , COMO TANTAS OUTRAS , QUE O POVO BRUTO

    DESTE PAÍS COSTUMA ADOTAR : CELULARES , NOVELAS

    ( QUE DROGA ! SE JÁ NÃO BASTASSEM AS PORCARIAS MELOSAS MEXICANAS , AGORA TEM TURCA , E , DAQUI A

    POUCO , APARECERÃO CHINESAS , INDIANAS E ETC. , PA-

    RA ABASTECEREM MICROCEFALIAS DE CAUSAS NÃO –

    VIRAIS . RAPAZ ! CINCO DIAS , PARA UM BATALHÃO DE

    OPERÁRIOS REMOVEREM OS ENTULHOS DE UM ÚNICO

    MORADOR NO BAIRRO DO PINHEIRO . . . IMAGINEM , SE

    FOSSEM REMOVER OS ENTULHOS DE TUDO QUE NÃO

    PRESTA , ACUMULADOS NOS PODERES DE APPALLOSA !

  • PEDALADAS GERUNDISTAS?

    TÁ NA GÍRIA DO SISTEMA FINANCEIRO: “Dar pedaladas significa pagar uma dívida antiga com uma nova. Representa uma situação na qual uma empresa, em dificuldades para quitar suas contas, recorre a novos financiamentos. No limite, não encontra ++++ crédito na praça e vai a falência. O termo foi EMPRESTADO ÀS FINANÇAS PÚBLICAS para descrever as MANOBRAS feitas nos anos DILMA para INFLAR GASTOS usando DESAVERGONHADAMENTE os bancos públicos. Parecia um crime perfeito….” [FONTE: ECONOMIA (ESPIA, OIA & VEJA)].

    CÁ NOS MEUS BOTÕES, TEM DIFERENÇA OS EMPRÉSTIMOS TOMADOS PELO ‘TESOURO NACIONAL’ DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, PARA QUITAR EMPRÉSTIMOS DA FAMIGERADA DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL? TANTO FAZ EQUUS ASINUS, JUMENTO OU JEGUE, FARINHA DO MESMO SACO E DAÍ E DAÍ, TIRAMOS QUE NO CÓDIGO ORÇAMENTÁRIO 75.000, OS EMPRÉSTIMOS (PEDALADAS) TOMADOS POR FHC EM 2002 FORAM DE R$ 231,9 BILHÕES, JÁ NO GOVERNO LULA ENTRE 2003 A 2010 OS EMPRÉSTIMOS (PEDALADAS) TOMADOS ULTRAPASSARAM OS ++++ DE R$ 2,495 TRILHÕES E NO ATUAL GOVERNO DA TERRORISTA DILMA RUIMSELFF ENTRE 2011/2015 ATÉ O DIA 11/12 OS EMPRÉSTIMOS (PEDALADAS) CONTRAÍDOS FORAM ALÉM DOS ++++ DE R$ 2,895 TRILHÕES, QUE NOS PARECE ++++ DE R$ 5,621 TRILHÕES DE TOTAIS PEDALADAS!!!

    IMPEACHMENT RESOLVE? IMPEACHMENT SAI? TUDO ENGANAÇÃO. SÓ TEMOS UMA SOLUÇÃO:

    INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL, COLOCANDO UM INTERVENTOR POR 2 ANOS PARA FAZER AS REFORMAS ESTRUTURAIS QUE O BRASIL PRECISA, FAZER DEVASSA OU AUDITORIA NA FAMIGERADA DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL E NIÓBIO, MONTANDO PARCERIA COM O JUDICIÁRIO PARA RECEBER DE IMEDIATO 20% DA DÍVIDA ATIVA.

    E VOCÊS BRASILEIRAS & BRASILEIROS PRECISAM SER ++++ NACIONALISTAS, DEFENDENDO CIDADANIA (EDUCAÇÃO, SAÚDE, SEGURANÇA…) COM ++++ AMOR Á PÁTRIA E SUAS FAMÍLIAS!!! DEIXE DE SER TROUXA E SEJA CIDADÃO. JÁ PERDEMOS UMA GERAÇÃO E NÃO PODEMOS PERDER A SEGUNDA.

    P/Arabutan.

  • José Pinto de Luna

    A vulgarização do gerúndio dói no ouvido mesmo.

    O mais doído ainda é o interlocutor crer que “estar a falar” em consonância com a modernidade por ser prolixo.

    O infinitivo também não é lá essas coisas.

    A moderação mais uma vez prevalece. Assim penso!

  • Thiago

    Genial Ricardo. Vamos viver, e não simplesmente estar vivendo. Bom domingo e uma feliz 2016 para você e família.

  • Ruslan Queiroz

    ::

    PERFEITO!

    .

    Sei como é esta “CASTA ESPECIAL” da área de T.I.C. e COMBATO sem PIEDADE a ATUAL e as NOVAS GERAÇÕES , eles jogam no ar uma FALSA resposta a solicitação, na verdade um amontoado de jargões gastos, palavras vazias e frases sem o menor sentido.

    .

    E por estas bandas, há uma agravante. Nossos profissionais importam termos usados pelos americanos sem nem tentar traduzi-los. Como resultado, surgem preciosidades como os verbos upgradear, deliverar ou performar — inexistentes em qualquer dicionário digno do nome. “A baboseira se tornou a língua dos negócios”, pra mim isso é cansativo e me aborrece profundamente.

    .

    Em Reuniões esta “CASTA” se REVELA, eles falam: “Sinergia”, “mudança de paradigma”, “ação estratégica” e o PIOR de TODOS: “ TENHA FOCO”.

    Esse jargão corporativo ensinado nas faculdades locais, serve apenas para exprimir a mais pura… IDIOTICE!

    .

    Li e indico este LIVRO para um 2016, sem miguelagem verbal:

    “POR QUE AS PESSOAS DE NEGÓCIOS FALAM COMO IDIOTAS” – Um Guia de Combate À Embromação, Autores: Warshawsky, Jon; Hardaway, Chelsea; Fugere, Brian

    .

    ::

  • Eduardo Lopes

    Gerundista é, “tipo”, um descomprometido. Permita-me o gerundio, estão acabando com nossa língua.

  • Frederico Farias

    Caro Ruslan, não são apenas as “pessoas de negócios” que falam como “Eremildos”; uma outra categoria também se destaca neste trágico quesito: a dos gestores de ógãos públicos espalhados por este imenso “varonil”; apesar de nada terem de idiotas, falam arrogantemente como tal, com o agravante de terem a certeza de que a história da administração começa no dia em que são nomeados para algum cargo público relevante.

    Abraços.

  • Antonio Lúcio

    Essa praga como muitas outras tem de ser combatida. Por isso mesmo que o mosquito da dengue não morre nunca, pois os governos sempre dizem: “estamos combatendo o mosquito”. Que vá 2015 e venha 2016 com muitas realizações.

  • Carla Lins

    Entendeu, Ciço?!

  • Maresia

    Vanna Russeff também gerunda ao supor que está vendo se seu (des)governo dará certo.

  • Valdemir

    O gerundio é um grande mal de alguns administradores.

    Boas festas, boas férias e 2016 repleto de paz e muitas novidades boas e “boas”.