A ministra Nancy Andrighi, corregedora da CNJ, incluiu mais um processo na pauta da sessão marcada para amanhã envolvendo o desembargador Washington Luiz, presidente do TJ de Alagoas.

Agora são cinco, no total, os procedimentos contra o magistrado que os conselheiros do CNJ podem – repito, podem – analisar na sessão plenária marcada para o dia 1º de dezembro.

São três Reclamações Disciplinares, nas quais a ministra do STJ é a própria requerente: os de números 77,78 e 79.

A principal diz respeito ao chamado Cartel da Merenda Escolar, denunciado pelo Ministério Público Estadual de São Paulo. Nessa investigação, o presidente do TJ de AL é apontado como suposto beneficiário do esquema, o que ele nega desde sempre.

Os Pedidos de Providência, com os números 98 e 99, têm dois requerentes distintos: respectivamente, a ministra Nancy Andrighi e Kléber Malaquias de Oliveira, personagem conhecido nos embates com o prefeito Toninho Lins, de Rio Largo.

Não é possível prever se os julgamentos efetivamente ocorrerão nesta sessão, mas o número de processos dá a dimensão da disposição da corregedora do CNJ para que isso aconteça amanhã.

O mais provável, creio, é que tudo fique para 2016.

Embate

Embora a questão corra apenas nos bastidores, é visível o embate entre o MP Estadual e parte da magistratura local, o que já foi pontuado pelo advogado Nabor Bulhões no próprio CNJ.

A Almagis também divulgou uma nota oficial, recentemente, em que não apenas presta solidariedade ao presidente do TJ, mas vai além e afirma:

A ALMAGIS tem conhecimento de que algumas das acusações dirigidas contra o referido associado junto ao Conselho Nacional de Justiça são subscritas por pessoas que não merecem credibilidade e são usadas por segmentos interessados em fragilizá-lo, em razão do esforço intenso de aprimoramento dos mecanismos de trabalho que já implantou desde que assumiu o comando do Poder Judiciário de Alagoa.”

Pode até não ter sido a intenção da entidade, mas os rumores nesse sentido são cada vez mais intensos nos corredores das instituições citadas.

Outro magistrado

Embora não tenha sido citado na nota da Almagis – sobre o julgamento do CNJ -, o juiz Léo Denisson Bezerra de Alemida (de Marechal Deodoro) também está na pauta de amanhã, do CNJ, respondendo a um processo disciplinar.

Requerente: ministra Nancy Andrighi.

Inquérito-mãe da Lava Jato tem Renan pai e os dois De Lira
O que é da palavra
  • JEu

    Pois é, diz o ditado que “errar é humano”, porém errar sabendo que está errando e querer errar, assim mesmo, ainda mais possuindo todo o cabedal jurídico sobre o assunto, aí é demais….

  • luis

    Meu sapiente Ricardo, ele é preto? Não. É prostituto? Não. É pobre? É policial? Não. É professor? Não. Se ele não é nenhum PPPPP desses, então não vai dar em nada não.

  • Assessor de Des.

    Não entendi! Por que incluir mais um processo se o resultado será igual aos demais; ABSOLVIDO!

  • carlos

    Vamos aguardar mesmo com disconfiança que prevaleça a justiça se culapado page e se inocente que continue tudo como dantes no quatel de abrantes.

  • REGINALDO

    O BONITO E LEAL SERIA QUE O PRESIDENTE DE TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE ALAGOAS, PARA UM BOM ANDAMENTO DO JUDICIÁRIO, QUE RENUNCIASSE A PRESIDÊNCIA, ASSIM COMO DEVE FAZER O SENHOR EDUARDO CUNHA, O AGORA HOMEM DOS 45 MILHÕES DE REAIS DO BANCO GTB.

  • Mauricio texeira

    Toninho Lins de novo?

  • Ricardo Prado

    Vergonha!!!!!!!!!!!!
    E ainda querem nos fazer acreditar em ” intriga da oposição””.
    Ora! Contar fatos, não há argumentos e ponto final. Paremos com esse corporativismo escancarado!!!!!!

  • ARTUR

    O CORRETO SERIA RESPOSTA RÁPIDA PARA CASOS DE MALFEITOS POR PARTE DE ¨AUTORIDADE¨.

  • Petronio França

    Dou um conselho as nossas autoridades. Não se filiem ao PT.

  • Acredito

    Continuo acreditando, “se o Império Romano ruiu, com certeza estes impérios por aqui instalados um dia haverão de ruir”
    Que prevaleça a verdadeira justiça, se não for a dos homens que seja a JUSTIÇA DIVINA, ESTA NÃO ERRA.