O delegado Bernardo Gonçalves Torres, da PF, é o convidado deste domingo do Ricardo Mota Entrevista.

Apontado e respeitado dentro da instituição como “operacional”, ele confirma a expectativa geral: o combate à corrupção será o alvo principal da PF durante o período em que ele estiver à frente da superintendência em Alagoas.

É claro que outras questões essenciais, como o tráfico de drogas e de armas, também terão atenção especial, mas o delegado Bernardo Torres sabe o quanto a instituição cresceu junto à população brasileira por estar desvendando esquemas criminosos que surrupiam o dinheiro público.

Algo, em especial, está sendo investigado agora? “Sempre alguma coisa está acontecendo na Polícia Federal”, responde com bom humor.

Aliás, ele explicou o significado da expressão “vamos botar pra torar”, que usou na sua posse, no mês passado.

O resto pode ser visto na boa conversa de trinta minutos.

Ricardo Mota Entrevista

TV Pajuçara

Domingo, às 9h30 da manhã

Entrevistado: delegado federal Bernardo Torres

Rabada com pirão
Eduardo Tavares se elege presidente da AMPAL com quase 100% dos votos
  • luis

    KKKKKKKKKKKKKKKK…. SÓ TEM UM JEITO PRA CORRUPÇÃO NO BRASIL : PENA DE MORTE.

  • Mercante

    Parabéns aos trabalhos da polícia federal. Pena que a justiça não fala a mesma lingua. Lembro do bilhante trabalho reallizado na operação taturana. Ai vem a pergunta!! Deu em que? O dinheiro desviado voltou? Quem esta preso? vergonha a justiça!!

  • REGINALDO

    REALMENTE ALAGOAS ESPERA DESSA AUTORIDADE FEDERAL QUE OS CASOS DE CORRUPÇÃO EM QUE ÓRGÃOS E INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ALAGOAS ESTEJAM ENVOLVIDAS, SEJAM REALMENTE APURADAS. OS CASOS MAIS DESASTROSOS SÃO COM RELAÇÃO AS PREFEITURAS DE ALAGOAS. SEUS PREFEITOS CADA VEZ MAIS RICOS E RICOS, E OS MUNICÍPIOS E SEU POVO POBRE, QUE FAZ DÓ. VAMOS ENFRENTE. PARABÉNS.

  • Williams Roger

    O combate a corrupção não começa com palavras ao vento, bravatas ou tergivesando sobre o tema corrupção.

    Pra se falar em COMBATER A CORRUPÇÃO, sem generalizar, tem que se COMBATER, PRIMEIRO, A IMPUNIDADE NAS INSTITUIÇÕES. Há muita lentidão, promiscuidade, parentelismo, desleixo, falta de respeito com os que denunciam e que quase nada é feito. Gerando assim, um ciclo vicioso de impunidade que termina na corrupção propriamente dita.

    Se nós que provocamos e nada é feito pelas instituições. Então não precisamos delas pra nada.

  • wal

    O Dr,delegado esquece que quando o serviço de termina, ai vem a turma do SFT,que não tem moral para o COLLOR , RENAN, e EDUARDO CUNHA, em dois tempos, inocenta todos,foi assim com todas as operações alagoanas, com os políticos…

  • SEBASTIÃO IGUATEMYR CADENA CORDEIRO

    O TEMA É CORRUPÇÃO , DOUTOR !? HÔMI , FALE BAIXO!
    ESTOU , NESTE MOMENTO SINTONIZADO NA TV PAJUÇARA E , SIMULTANEAMENTE , ESCREVENDO ESTE COMENTÁRIO . POIS BEM , QUEREM MESMO PEGAR CORRUPTOS , DOUTOR !? ESTÁS NO LUGAR CERTO !
    AQUI , COMO EM TODO ESTE PAÍS , TEM (CORRUPTO)
    POR DESGRAÇA !! NA VERDADE , NA PRAIA DO SOBRAL
    É SÓ CAVAR ALGUNS CENTÍMETROS , QUE LOGO OS TERÁ ( ACOMPANHADO DE UM EXPERIENTE PESCADOR ,
    CLARO ! ) O QUE NÃO FALTAM TAMBÉM , SÃO LADRÕES
    E PISTOLEIROS , DOUTOR . POSSO ORGANIZAR AS FILAS , DOUTOR !? ESSA MAIOR , É DE PREFEITOS LADRÕES , VIU ? A PROMISCUIDADE , AQUI NESTA SOCIEDADE , É TÃO FÉRTIL E ATÁVICA ENTRE OS PODERES E AS PESSOAS , QUE , EU POSSO ATÉ GARANTIR ( CRIEI ESTE AXIOMA HÁ ALGUM TEMPO E
    ESTOU CARECA DE REPETI-LO NAS MINHAS OCASIONAIS INTERVENÇÕES ) QUE NINGUEM É INOCENTE , ATÉ PROVA EM CONTRÁRIO ! MAS , DOUTOR, NÃO SE ESQUEÇA , ESSA TERRA É APARENTEMENTE ( SÓ APARENTEMENTE ! ) TRANQUILA ,
    GENEROSA , APRAZÍVEL E HOSPITALEIRA , UM PARAÍSO ,
    ENFIM , UMA BOA METÁFORA ( MEU CUMPÁDI R. M . É
    BASTANTE METAFÓRICO ) SERIA OBSERVAR UM PATO
    DESLIZANDO SUAVEMENTE NA SUPERFÍCIE DE UM LAGO , ENQUANTO SUAS PATINHAS TRABALHAM FEBRIL-
    MENTE PARA ELE SE DESLOCAR COM NOTÁVEL
    DESEMPENHO . PORTANTO , DOUTOR , POR SUA JOVIA-
    LIDADE E BOA FÉ , NOS SEUS CONTATOS COM AS
    ELITES E “AUTORIDADES” DESSA TERRA , TENHA CUIDADO COM O CANTO DAS SEREIAS . . . ÔMI !

  • Luiz

    Caro Ricardo Mota.
    Em primeiro lugar, a Polícia Federal brasileira está totalmente esfacelada, tendo em vista a problemas estruturais internos graves – veja a taxa de suicídios na Policia Federal * http://www.istoe.com.br/reportagens/321921_ONDA+DE+SUICIDIOS+ASSUSTA – por culpa exclusiva do egocentrismo emanado por Delgados de Policia Federal encastelados nas tetas do poder com domínio absoluto, tudo isso para consolidar o exagerado e cruel ápice do “Empoderamento da classe de Delegados” em detrimento das demais classes que compõem a Carreira Policial Federal e da sociedade brasileira.
    Em segundo lugar, essa “prioridade de combater a corrupção” a que se refere, parece-me que não há como prosperar, haja vista a grande desmotivação instalada no ambiente interno de toda a Polícia Federal brasileira, onde há algumas exceções quando há a presença do Ministério Público federal em suas operações. O resto é só bravatas de impressionismo.
    Pois bem, para se ingressar na carreira de policial federal, é necessário que o candidato tenha se formado em uma faculdade, ou seja, o nível superior é condição básica para que um cidadão possa se tornar um policial federal. Atualmente, este órgão é completamente chefiado e dominado por Delegados de Polícia Federal, de modo que os demais policiais não têm a oportunidade de comandar qualquer setor, estando todos submetidos à ditadura dos Delegados de Polícia Federal por culpa exclusiva da Lei 4.878/65 tida como o chicote de tortura aos verdadeiros policiais, cuja nefasta norma foi editada no regime da ditadura e ainda vigente.
    É fato notório que o Brasil é o único país do mundo no qual existe a figura do Delegado de Polícia, assim como só no Brasil há um procedimento chamado inquérito policial, peça informativo/administrativa sem ampla defesa, sem contraditório, sem partes litigantes, o qual não produz provas (apenas as provas periciais, também conhecidas como provas cautelares) e que é LEGALMENTE DISPENSÁVEL. A atividade primordial do delegado é instaurar e presidir o tal inquérito – atravessador da persecução criminal – que deverá passar pelos crivos do MP e do Judiciário. Enquanto isso, os demais policiais que têm o mesmo grau de escolaridade dos delegados, são tratados como subalternos, como se fossem uma espécie de “capitães do mato”.
    Não entendemos por que um órgão de tamanha importância para a segurança nacional é gerenciado por detentores de um cargo que eles mesmo se intitulam como “cargo jurídico” pois em nenhuma lei diz que o cargo de Delegado é pertencente a Carreira Jurídica, sendo que há milhares de policiais com formação em direito, economia, administração, contabilidade, jornalismo, publicidade, engenharia, entre outras profissões.
    Em outra banda, a população não sabe, mas, em quase todos os aeroportos de fronteira e outros pontos estratégicos , senão em todos, faltam aparelhos de Raio-X apropriados para se fazer vistorias em grandes bagagens (geralmente só serão encontrados pequenos aparelhos, pertencentes à INFRAERO e não à Polícia Federal, que não possuem memória de imagem e só comportam bagagens de mão).
    O efetivo das equipes que se revezam no controle de entradas de armas e drogas é quase sempre menor do que a quantidade de policiais disponíveis para efetuar a segurança de autoridades publicas e seus familiares. Os policias federais não querem fazer outra greve, mas o Governo Federal, o Ministério da Justiça e a própria Direção do Órgão não querem cumprir com a Lei 9.226 de 15 de Março de 1996 e Lei 13.034/2014 e pagar a esses policiais o salário de nível superior (ao contrário dos agentes da ABIN e dos auditores da Receita Federal, carreiras análogas a dos policiais federais, porém sem quase nenhum risco de vida, recebem o salário condizente ao seu grau de instrução; os policiais federais recebem salários de nível médio).
    A Polícia Federal do Brasil é a única polícia do mundo que não oferece um plano de carreira aos seus policiais! Aí a sociedade não compreende por que tantas armas e narcóticos entram no Brasil, criando o caos que temos visto em São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Paraná etc.
    A Polícia Federal está passando por um período histórico de evasão de policiais que, insatisfeitos com a maneira pela qual são tratados, prestam outros concursos, diminuindo o contingente deste órgão. Sabedores da grave crise, os Delegados de Polícia Federal não estão nem aí para o problema, apenas, estão preocupados na sua campanha mortal, pois, jogaram uma “cangalha” (Emenda) na PEC 443/2009 (PEC dos Advogados da União) aprovada em primeiro turno pela Câmara dos Deputados – esta semana – para obterem 90,25% dos subsídios dos Ministros do STF e, ainda tem mais uma obra prima, a PEC 89/2014, que querem ser transformados em Juízes de Instrução.
    A sociedade brasileira precisa saber urgentemente que o atual sistema comandado por atravessadores – Delegados de Policia – não se sustentam, em razão de cada 100 homicídios praticados, apenas, 5 os Inquéritos Policiais chegam a materialidade dos delitos com sua consequente condenação.
    A sociedade tem o direito de saber os problemas que esses bravos e esquecidos policiais – Agentes, Escrivães e Papiloscopistas – pilares da policia federal os quais são os únicos que vão para as ruas enfrentar os bandidos, ao contrario dos Delgados que ficam encastelados em seus gabinetes apenas recebendo informações dos Agentes – estão enfrentando.
    Por derradeiro, não enxergamos uma saída para essa longa crise que assola a Polícia Federal, mas, tenho certeza absoluta que com a extinção do Inquérito Policial – peça meramente informativa e ineficaz – a luz no fundo do túnel há de renascer para uma sociedade menos violenta.
    * Fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/321921_ONDA+DE+SUICIDIOS+ASSUSTA

  • Luiz

    Caro Ricardo Mota.
    Para ser bem mais claro sobre as atribuições dos Delegados quando afirmamos na postagem acima, que esses cargos exercem uma função meramente “atravessadora” tendo em vista que os policiais (Agentes, Escrivães, Papiloscopistas e Peritos) ao tomarem conhecimento de um delito, imediatamente entram em cena para as investigações e, que após a sua conclusão poderiam encaminhar diretamente ao Ministério Público ou ao Juiz competente para os procedimentos judiciais cabíveis, sem que necessariamente tenham que passar as conclusões das investigações para Delgados de Polícia.
    Portanto, entendo, que há uma redundância nessa sistemática, ou seja, as conclusões das investigações são repassadas para os Delegados que posteriormente em relatório faz os encaminhamentos ao Poder Judiciário para os devidos procedimentos, vejo isso como uma função meramente “atravessadora”.