– Quando você vai começar a usar óculos?

Do outro lado da linha, minha mãe, aos 84 anos, se mostrava ansiosa com a “novidade” na já longa vida do integrante mais escuro da sua prole. A voz, que já não tem o mesmo vigor, o viço da juventude, se mantém firme, acentuando cada sílaba pronunciada.

Expliquei para ela que as lentes ainda iriam demorar um pouco a ficar prontas, talvez uma semana, dez dias, não mais do que isso.

Ela:

– Vai ficar lindo!

– Lindo como, mãe? Com essas bochechas imensas, a barba branca, careca, as sobrancelhas amputadas de nascença… Não tem como melhorar.

Ela, encerrando a conversa:

– Mas eu acho lindo. E as minhas amigas, também.

Calma, gente, são todas senhoras octogenárias e piedosas. Aliás, eu acredito que as mães veem os filhos com os olhos da compaixão, perdoando-lhes até o que não merece ser perdoado. Nada da tal “corujice”, uma espécie de cegueira a que foram condenadas pelos que não compreendem a sua essência. É uma lente especial, implantada no globo ocular ainda nos primeiros meses de gestação.

Não se trata de mentir para proteger, mas de proteger e, se for preciso, aí sim, mentir com a certeza de que usou a melhor das verdades.

Às vezes, reconheço, não sai do jeito esperado.

Um amigo meu, muito querido, há tanto alçado à condição de irmão, acompanhou o cotidiano da despedida de sua mãe. Uma bela mulher que trazia no DNA da alma o mais agudo instinto materno.

Recebendo, no leito de hospital, a visita de um amigo do filho, ouviu um comentário jocoso sobre aquele sujeito de cara larga, calvície quase que total, uma pança à moda, e reagiu, a doce senhora, com singela sinceridade:

– Não tem quem diga, mas ele era um menino lindo.

Você riu?

Eu também, logo que me contaram a historieta acima. Até entender que a inesperada resposta daquela senhorinha, fragilizada pela doença, confirmando o que estava ali à frente de todos, ocultava outra verdade, quase imperceptível: fora a última manifestação da mãe-leoa, que buscou, sabe-se lá onde, as forças que lhe pareceram necessárias para defender o seu filhote. Ele mesmo: o menino “que era lindo” e que ela guardava tatuado nas suas retinas em tempos de partida.

Não que eu, aos 57 anos, tenha problema de autoestima por causa do rascunho que virou arte-final. Sempre estive por ali, na categoria do “bonitinho”, sabem como é, pertinho do… E aqui cheguei, se não inteiramente satisfeito, pelo menos conformado.

Agora, cá pra nós, dona Lucinha: lindo, eu?

Jamais!

Mas meus filhos são.

Está mais próxima a nova aliança entre Dilma e Renans
Deputado Rodrigo Cunha dá 'nota 5' para o governo Renan Filho
  • Iranildo José Matos Costa

    Não sou seu leitor, faço apenas de vez em quando……Mas, sem muita delonga, tu escreve bem pra caramba……..Parabéns.

  • Frederico Farias

    De óculos, então……..

  • Roberto

    Não é só sua mãe que te acha lindinho, não…Você é muito gato! E ainda por cima, inteligente! O maior e melhor conhecer e crítico da vida pública alagoana. Quer mais o quê? Sou seu admirador, leitor e telespectador assíduo. Grande abraço.

  • Há Lagoas

    Excelente crônica, amigo!
    Nestas minhas andanças e hoje longe de minha querida Alagoas, percebi por experiencia própria que a honra de um pai – mãe – só o filho pode dar. E, mesmo assim, não chega aos pés de um amor materno!

  • izabel cristina de lima almeida

    Ricardo,

    Como sempre, seus textos são maravilhosos. Assim, como o olhar “lindo” de nossas mães, sempre utilizamos a “lente” de aumento para as qualidades dos nossos amigos de coração.

    E, meus filhos também são Lindos. !!!!

    Continue lindo.

    Abraços.

  • Marcus Toledo

    Texto emocionante, doce, suave e sincero como beijo de mãe num domingo pela manhã. Valeu, mestre Ricardo.

  • tania

    Olhos de mãe…….somos assim, vemos nossas crias lindas, perfeitas rssssss, apesar de entendermos que eles possuem defeitos como qualquer um mas sempre os atenuamos!!!!!!

  • Frederico Farias

    Pai “corujo ” de carroça na cara. Presepada!

  • SEBASTIÃO IGUATEMYR CADENA CORDEIRO

    ADMITES QUE A “CEGUEIRA” É GENÉTICAMENTE
    TRANSMITIDA . TEM UM DITADO POPULAR QUE NÃO VOU CITÁ-LO , POR SER PORNÔ , MAS , TEM SIMILARIDA-
    DE COM O SEU BELO E EXISTENCIAL TEXTO . O QUE
    VALE É A IMAGEM QUE SE ETERNIZA EM NOSSAS RETINAS , EM DETERMINADO MOMENTO DE AMOR E
    CONEXÃO QUE SE EDIFICA ENTRE DOIS SERES HUMA-
    NOS . MUDANDO DE ASSUNTO , APRECIEI O COLÓQUIO,
    REGISTRADO ONTEM , NA TV MACEIÓ , ENTRE OS DOIS
    EXCELENTES MAGISTRADOS , JERÔNIMO E DIÓGENES , QUE REALIZARAM , NO CONJUNTO DA OBRA , UM PER-
    FEITO JUÍZO DO JUDICIÁRIO ALAGOANO E SEUS DES-
    DOBRAMENTOS PESSOAIS , DENTRO DE UM CONTEXTO
    EXCLUSIVAMENTE REGIONAL , IMBUÍDO , DEVE-SE DESTA-
    CAR , DE ENCORPADO PONTO DE VISTA ÉTICO E
    CONSTITUCIONAL , QUE ATÉ SURPREENDEU AOS CRÍTICOS DE PLANTÃO , NOS QUAIS EU , HUMILDEMEN-
    TE , ME INSIRO .

  • Edson Luis

    As sobrancelhas amputadas é ótimo, esqueceu de dizer que elas tem vida própria…às vezes eu não presto atenção no que você diz porque elas não param quietas kkkkk

  • Paulo Sérgio Moreira

    Domingo, um bom café da manhã com os amados, um passeio na orla, um mergulho no Atlântico que banha esse lugar da gente e o texto dominical de Ricardo Mota. Tudo perfeito, então, para encarar os duros desafios da semana q chega!

  • Julieta de Medeiros

    O texto é Amor, Amor na sua essência, de mãe, das entranhas, de filho que ver e sente esse AMOR.Mais um lindo texto que me emociona todos os domingos, para sua mãe um cheiro, para D.Leônia a minha meu Amor e gratidão.Ah! o todo é belo, você.Bjss.

  • Glorinha, que não é a Gadelha.

    Lindo você? Sim, lindo demais, Ricardo querido. E, pelo visto, duvida piamente do quanto.

    Saudade!!

  • Glorinha, que não é a Gadelha.

    E, sim!!, linda Dona Lucinha. Quanta ternura, quanto amor… Sempre falo que Mainha, a minha, é sempre Mãe. Dona Lucinha, também.

  • Flávio Lins

    Lindas palavras, lindas não, perfeitas! Texto simples, curto e emocionante. Mães são o que há de mais divino nesse reles mundo cruel. Feliz aquele que tem a sua por muito tempo…

  • J. Monteiro

    Meu caro Ricardo Mota, minha saudosa mãe repetia sempre que necessário o seguinte ditado : “quem o feio ama, bonito lhe parece”. Eis aí a mais pura verdade. E se um pai ou uma mãe não acha seus filhos bonitos é porque ainda não se deteve a olhá-los com a superdosagem do amor. Então você é lindo, seus filhos são lindos, os meus, enfim, todos somos lindos sob o olhar mágico, (impregnados de amor), dos nossos pais. Parabéns pelo belo texto.

  • Leitor Distante

    Adorei todo o texto. A última frase foi genial. Parabéns, mais uma vez!

  • maria jose da silva

    Parabéns pelas palavras – são lindas demais.

  • cirlene

    Você é lindo!8

  • Eduardo Lopes

    Quem ama o feio, bonito lhe parece. É, isso aí Mota. Quem está precisando de óculos mesmo? Kkk abraço e boa semana.

  • Rosa Ferro

    Mais uma delicadeza de texto. Imagino você contando esta história nas nossas conversas matinais de uns tempos atrás…
    E só para constar, eu acho você lindo!

  • Renan

    Veja o lado bom, é um excelente jornalista! kkkkkk

  • SEBASTIÃO IGUATEMYR CADENA CORDEIRO

    CONCORDO COM O EDSON LUIS . . . KI-KI-KI—KI-KI-KI . . . ÔMI !!