O deputado Cícero Almeida não fica mesmo no PRTB, o partido pelo qual foi eleito.

Ele aposta, assim como a sua assessoria jurídica, que a “janela da infidelidade” vai sair a tempo de ele se filiar a uma nova agremiação partidária.

O “plano b” – sem janela – é uma judicialização do embate com o Levy Fidelix (presidente nacional do PRTB) e aliados locais.

As alternativas mais prováveis de Almeida, hoje: o PL ou o PSD, que são praticamente o mesmo partido, ambos nas mãos do ministro das Cidades, Gilberto Kassab.

Os dois partidos têm algo que o deputado persegue com tenacidade: tempo de televisão, fundamental numa campanha eleitoral.

Cada um ao seu modo, Collor e Renan se unem na caça a Janot
Presidente do TJ reúne secretários e sindicalistas
  • Cicero

    Ciço, vc ñ vai se filiar no partido do tapa na cara de moleque ñ né!
    Se for vai se ferrar.

  • Maria José

    Volta meu eterno Prefeito.
    Maceio precisa do seu empenho e trabalho novamente

  • Servidora Publica

    Deputado não se preocupe com o tempo, pois nós servidores estamos contando os dias pra sua volta!!! Volta logo!!! Chega de sofrimento!

  • Servidor Público

    Cícero Almeida entrou pobre… Pierre Chalita não aguenta um sereno, máfia do lixo e dos ônibus. Prefeito que agradou o povo com festa e propaganda.

  • Renan, do Senado eu vejo tudo!

    PL? Não é PR do Maurício Quintella?

  • Pedro filho

    Nem o mais pululante dos macacos, pulou tanto de galho em galho como esse cidadão mudou de partido.

  • Marcelo Santos

    Almeida precisa procurar um partido novo pra ele, toda vez que ele resolve entrar em um partido “tradicional” ele esbarra nos problemas de ideias incompatíveis… Nesses partidos antigos são muitos nomes que costumam ser esquecidos e que Almeida adora lembrar toda hora, a exemplo de “Deus”, “Amor”,”povo”, “acordar cedo”, “trabalho”, “simplicidade”… Força Almeida, sabemos quem está com a razão!!!

  • Rogerio Barboza

    O ex-prefeito é refém de sua inexpressividade. Já vai tarde, pra onde queira. Ele nunca se impôs como liderança popular que um dia fora, sempre refém dos caciques e das oligarquias. Falta-lhe personalidade como político, não se faz respeitar, enquanto liderança, ou ex.