O médico Hemerson Casado tornou-se uma referência nacional na luta – valente e sem tréguas – contra a ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica), um mal com o qual a humanidade ainda está aprendendo a lidar.  É dele o texto abaixo, que publico na íntegra:

Uma breve história do meu tempo

Todos nós sempre tivemos uma admiração muito grande pela medicina. Esta admiração se estende ao médico, pois ele é o indivíduo que desde os tempos antigos se propôs a estudar a ciência médica e aplicá-la em benefício da humanidade. A mais antiga escola médica é a atual faculdade de medicina de Montpellier na França, que foi fundada em 1289, quando nesta terra Brasilis, os tratamentos e as curas existentes eram feitos pelos habitantes do continente americano, os índios.  

A medicina só foi institucionalizada no Brasil, em 1808, com a Universidade da Bahia, criada através de um decreto de Dom João VI. Existe, portanto, um grande hiato entre a cultura médica Europeia para a Brasileira, não se esquecendo de povos como os árabes, persas, os egípcios da Alexandria, os fenícios, gregos e os povos do norte da África. Sem contar com os desconhecidos conhecimentos da medicina Oriental, que até a atualidade é um mistério para o Ocidente.  

Todos estes povos sempre se preocuparam em entender a medicina como uma forma de sobrevivência, a ciência médica sempre esteve lado a lado com a espiritualidade e, principalmente, com o sentimento de perda que a morte causada por doenças trazia e trás para os humanos. É notório na Bíblia o temor da morte e a redenção que os milagres de Jesus Cristo trouxeram para os habitantes daquela época. 

 Muitos homens se atraíram pela medicina devido a curiosidade que esta ciência continha, os segredos do corpo humano e as situações integrantes que as doenças causavam, fazendo com quer muitos se debruçassem sobre seus estudos criando, a partir daí, suas teorias e tratados.  

Dizem que ser médico é uma mistura de ciência e arte. Houve um tempo que a sociedade que morava em pequenas comunidades ou grandes cidades necessitava da figura do médico, porém poucos tinham este privilégio, pois os que dominavam o conhecimento e a arte da cura consideravam seus serviços como valorosos e costumavam cobrar caro; não importava a forma de pagamento, que poderia ser desde moedas ou escambos, até algo que contivesse valor assim, uma simples ave, uma propriedade, por exemplo. 

Se pensarmos com cuidado, toda essa negociação era de simples compreensão, pois aquela prestação de serviço merecia remuneração digna, tanto pelo seu valor como também pela necessidade que um médico tinha de sobreviver. A importância paga variava de acordo com a compreensão do grau de dificuldade e severidade da doença, e claro, da competência e do resultado do tratamento.  

Muito tempo se passou desde aquela época e o que vimos sempre foi a continuidade da velha estrutura de sociedade. O estudo da medicina era privilégio dos ricos, que podiam pagar para que seus filhos estudassem em escola privada, como também podiam sustentar suas necessidades e seus excessos morando nas cidades onde se situavam as faculdades. 

 Claro que, uma vez formados, ao retornarem para suas cidades cobravam caro por suas atividades e apenas os nobres, autoridades religiosas e classes sociais mais abastardas poderiam dispor de seus serviços. Aos pobres restava os conhecimentos populares, a fitoterapia, conhecimentos indígenas, trazidos com os escravos e a FÉ na cura celestial.  

Ocasionalmente, um ou outro caridoso estendia a mão para algum moribundo. A igreja sempre tentou acolher em seus abrigos e asilos os mais necessitados, e nestes ambientes, com a participação das freiras foi dado surgimento a profissão de enfermeira. O Brasil evoluiu no tamanho das suas cidades, economicamente e politicamente, saindo do imperialismo para uma república democrática.  

A partir daí vieram os grandes problemas da concentração de riqueza, da má distribuição de renda, no crescimento da miséria e da pobreza, do mal planejamento do crescimento das cidades, resultando em péssimas condições sanitárias na ausência de uma política de saúde pública, agravada pela densidade demográfica das cidades e a grande proximidade com as matas,  o que causou o surgimento de epidemias de antigas e novas doenças, associado à um pequeno número de mal treinados agentes de saúde e poucos médicos vinculados ao estado.  

Em 1988, a nova constituição decretava que a saúde era um direito do cidadão e um dever do estado. Esta foi uma decisão de grande louvor político e social, mas de graves consequências administrativas e econômicas, pois naquela época o Brasil vivia uma transição política de ditadura para um regime de exceção e aí sim para o retorno a democracia.

 Nossa economia já se apresentava descontrolada e com os primeiros presidentes este desastre foi ainda maior, com planos econômicos totalmente inconsequentes que fracassaram repetidas vezes, aumentando a crise econômica e com isso o alastramento da pobreza e dos problemas sociais, que incluíam o desemprego, o aparecimento de um maior número de bolsões de pobreza com condições sanitárias incompatíveis com a saúde, uma grande migração para os grandes centros, o que gerou uma densidade populacional, sendo esta população, em sua maioria, analfabeta, sem o mínimo conhecimento e respeito à saúde pública.  

 O governo já tinha em sua estrutura de planejamento programas de construção de moradias, saneamento, vacinação, uma estrutura de postos de saúde e hospitais que atendiam ao recém-criado Sistema Único de Saúde (SUS), o numero de universidades públicas também aumentou, e com a formação de um grande número de médicos, vagas em residências médicas e uma recém-criada tabela de honorários.

Durante a década de 80, ainda foi possível o bom funcionamento deste novo sistema, pois o percentual do PIB destinado à saúde satisfazia aos custos dos honorários, dos exames e dos atos médicos. No final dos anos 80, mesmo com o surgimento das seguradoras de saúde e planos de saúde que, por sua vez, enchiam seus cofres à custa da combinação de uma altíssima taxa inflacionária, estratégias gerenciais, atraso de pagamentos dos serviços, para que assim houvesse lucratividade com a taxa de juros oferecida pelos bancos.  

Esta prática ainda é bastante utilizada por estas empresas, mesmo com a inflação controlada, o que mudou foi o aumento na demora para o pagamento dos serviços, que durava de três a seis meses. Desta forma, os governantes resolveram utilizar o dinheiro destinado a saúde para cobrir os rombos da previdência social, o que espantou, foi o desenvolvimento de um esquema de corrupção por parte dos médicos, que usurpavam de forma escandalosa o dinheiro da saúde.  

Chegando neste ponto, é válido salientar que o comportamento de um médico no sistema público nunca foi igual ao do sistema privado, o tratamento oferecido aos usuários do SUS era infinitamente inferior, com uma péssima relação médico-paciente, comprometimento com o diagnóstico e tratamento de nível assustador, um tempo de consulta tão curto e totalmente incompatível com o recomendável. 

Para se ter ideia, os médicos concursados que deveriam trabalhar entre 20 ou 40 horas semanais – mas que não fazem nem 1/10 do obrigatório – se ausentavam e usavam licenças médicas justificadas, atestados falsos, registro em cartão de pontos, mas uma vez que, comprovada a não apresentação no trabalho, cirurgiões fantasmas abriam e fechavam os corpos dos pacientes sem realizar qualquer procedimento, ou faziam cirurgias desnecessárias para retiradas de órgãos sem grandes utilidades, como o apêndice e  vesícula;  grande número de cirurgiões para realizações de múltiplas cirurgias e até cirurgias em órgãos incompatíveis com o sexo do paciente, sem contar os desmandos na realização de exames. 

Tudo isso foi detectado e combatido com a ajuda do Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Ministério da Saúde, houve então, a descentralização do SUS. Para que a remessa de verba fosse maior e para que fosse minimizada a crise foi criado o imposto chamado CPMF, idealizado pelo professor Adib Jatene, ministro da saúde da época, que de forma honesta criou este imposto para ser temporário, mas os inescrupulosos da política o tornaram permanente, mais uma vez se aproveitando do povo para criar dinheiro através de novos impostos. 

Hoje, vivemos problemas semelhantes, mas de natureza deferente. O número de usuários dos planos de saúde é mínimo, e muitos destes planos, apesar da aprovação da ANS, funciona de maneira insuficiente – e alguns de maneira criminosa – associado a isto, houve um grande aumento no número de usuários do SUS, mas o percentual do PIB destinado a saúde continua o mesmo. Temos ainda a inclusão de novas técnicas e tecnologias, uma inflação tecnológica derivada do surgimento dessas novas tecnologias, mas que não é computada na contabilidade do sistema. Temos ainda o superfaturamento das órteses e próteses, a corrupção dos gestores hospitalares e gestores do sistema de saúde, isso associado à ausência do estado, que insiste em terceirizar suas obrigações a instituições, que tem o compromisso com o lucro e não com o bom atendimento, entidades que só visam prestar serviços na área de alta complexidade, pois estes são os geram maior lucro.

 Além disso, parte do dinheiro da saúde vem sendo usado para cobrir os custos de alguns programas sociais. Outro problema que enfrentamos é um número reduzido de hospitais e postos de saúde nas regiões mais distantes do nosso imenso país, além da tendência que próprios médicos possuem em quer se instalar em cidades de porte médio e metrópoles. O resultado disto é uma carência enorme de profissionais e o governo, por sua vez, resolveu de forma escabrosa criar o Programa Mais Médicos, sem a mínima satisfação as normativas do Ministério da Saúde e da Educação que criaram o Revalida, um exame de revalidação de qualquer médico brasileiro formado no exterior ou estrangeiro, que queira praticar medicina neste país. Escolheram Cuba como a milagrosa fonte de médicos e os trouxeram em navios negreiros contemporâneos, para serem usados como mão de obra escrava, sem a mínima avaliação  da capacidade de praticar a medicina e cuidar dos brasileiros. Neste caso, o Congresso Nacional e as entidades médicas não foram fortes o suficiente para evitarem o problema.  

Estes hospitais estão oferecendo, cada vez menos, serviços de média complexidade, mesmo aqueles que são complementares, as cirurgias oncológicas, que tratam o paciente com câncer junto com a radioterapia e a quimioterapia, por exemplo. 

Mais uma vez, as estratégias administrativas são as soluções usadas por essas instituições para o uso indevido das mesmas, o que deveria ser usado em favor dos menos favorecidos, o que infelizmente não acontece. Um exemplo claro são as instituições filantrópicas, que convenceram Ministério da Saúde a chamada abertura da segunda porta, onde elas passam a comprar ou arrendar hospitais medíocres de pequeno porte para justificar as isenções fiscais e os benefícios tributários, enquanto o povo é submetido a constrangimentos, no seu direito assegurado na constituição. 

A situação se agrava, quando saliento que estes hospitais não sofrem nenhum tipo de intervenção por parte das entidades médicas, como sindicato, a AMB e o CRM, que deveriam averiguar a veracidade dos dados emitidos sobre a prestação de serviços, como também as denúncias de excesso de poder sobre o exercício da profissão. 

A medicina é uma coisa linda, mas ser médico é padecer no paraíso, você acaba virando refém dos gestores hospitalares que querem a toda força assegurar o total domínio administrativo e financeiro, querem tornar modelo de gestão a coisa mais importante em um hospital, enquanto que o mais importante em um hospital é o médico, pois uma vez que adquirem confiança  e bom relacionamento com a  população, são procurados pelos pacientes esteja onde quer que ele estiver. 

Por último, quero dizer que restaria a vigilância da imprensa sob estas instituições, porém todos os veículos de imprensa de Alagoas seja ele rádio, televisão ou jornal tem em sua folha proventos de um grande aporte vindo destes clientes, o que faz causar um silêncio que gera a desinformação.

Eu, como alagoano, tenho uma extrema vergonha e insatisfação de como algumas coisas da nossa medicina acontecem na nossa querida Alagoas. 

Hemerson Casado 

Renan Filho confirma George Santoro na Secretaria da Fazenda
O alto preço pago por Renan Filho pela escolha de Mellina Freitas
  • marcus lopes

    Concordo com a maior parte do que foi escrito pelo médico porém acho que o tom com que se referiu aos médicos de Cuba é desrespeitoso pois não se trata de escravidão e apenas os temos por aqui devido ao desinteresse dos médicos brasileiros pelo sanitarismo e pelo atendimento aos pobres e pela desídia dos médicos que trabalham no serviço público,desídia esta mal justificada pois sempre é possível ao funcionário pedir demissão,ainda mais se tratando de profissionais liberais.Também discordo quando o médico afirma que em um hospital ,os médicos são as pessoas mais importantes pois acho que os mais importantes são os pacientes.

  • Joao Miranda de Oliveira Filho

    Grande Medico de quem fui paciente . Colocou-me 04pontes de safena ao lado do dr Heolo no hospital do corarão no Hartur Ramos . Sua grandeza Dr Ermerson Casado como medico , será eterna , suas verdades serão sempre lembradas e seu trabalho jamais esquecido . Um Forte Abraço o Mundo pertence aos que têm coragem de Denuciar sem medo .

  • Sara

    Meu Deus,que país é esse?Ricardo Mota,feliz 2015 a vc e sua família,muita saúde,paz,sabedoria,prosperidade,e continue sendo esse jornalista respeitado por todos nós alagoanos!

  • joao batista da silva

    Parabéns pelo artigo, muito bom.

  • João

    Texto muito bom!
    O Brasil do Pt é uma vergonha! Não se tem ética e nem escrúpulo para nada! E os Ptistas corruptos em grande maioria fecham os olhos e justificam tudo!

  • Tácio

    Excelente texto! Apenas pontuaria que o “estado de guerra” que vivemos na área médica acaba tornado oportuna a contratação de médico sem as cautelas necessárias, afinal, guerra é guerra! Quem espera meses para um atendimento médico no interior do país quando há entende o que quero dizer. Quanto à medicina: virou comércio, salvo raras e honrosas exceções como é o caso do Dr. Hemerson.

  • Antonio de Padua Cavalcante

    Sábias palavras as escritas pelo meu colega Hemerson.Que Deus o abençõe.

  • tania

    Ótimo texto, vale reflexão!!

  • Joaquim brito

    Leia-se Santa Casa

  • SEBASTIÃO IGUATEMYR CADENA CORDEIRO

    ESPANTOSAMENTE INFALÍVEL E DESCONCERTANTEMENTE FIEL , A NARRATIVA DO AUTOR , QUE DESENROLA COM , EXATIDÃO INSUPERÁVEL , A TRAJETÓRIA CRUA E NUA DA HODIERNA MEDICINA BRASILEIRA . PARABENS , COLEGA,
    ASSINO EMBAIXO !!!

  • ASCANIO CORREIA

    O artigo é interessante somente em alguns pontos, principalmente quando fala do sub financiamento do SUS pois sem dinheiro no sistema é impossível fornecer um serviço de qualidade, outro ponto é a omissão dos médicos e suas entidades que não se preocupam com o dinheiro público investido no sistema e que sai pelo ralo por gestores públicos e particulares inescrupulosos. O dedo na ferida é quando ele fala dos veículos de imprensa de Alagoas que possuem profissionais pagos para defender os interesses particulares de grupos hospitalares que sugam a saúde do povo alagoano.

  • Antonio

    E em Cuba? E os CUBANOS. 1,8 bi pra Fidel. Agora a MERRECA para esses miseráveis que chamam de médicos..,
    A saúde pública , como tudo mais nesse país, está APARELHADA, e a CORRUPÇÃO vadiando!!!Tudo pelo e para o COMUNISMO! Ainda PIORA MUITO!!!Quer apostar? Falar em OMISSÃO dos médicos? Tem TABACUDO PRA TUDO!!

  • A MEU VER!

    Não fossem os governos do PT – a saúde dos necessitados deste país estava em situações piores. Parabenizo a Presidenta Dilma pelos MÉDICOS CUBANOS QUE TRABALHAM POR VOCAÇÃO e amor aos pacientes, parabenizo também pela criação de faculdades de medicina em cidades com mais de 70 mil habitantes – nos próximos 5 anos teremos mais de 10 mil médicos – espero que eles cumpram a ética médica, como os cubanos cumprem. Lamento a situação física do médico Hemerson Casado ao qual votei e pedi voto para deputado. Recentemente fiquei indignado com um médico que quis substituir a consulta com cr´ticas aos governos do PT. Acredito que se nosso pAÍS FOSSE GOVERNADO PELO psdb e pelo pior senador do BR em 2014; a situação estava pior e ficaria caótica. FELIZ ANO NOVO PARA TODOS – especialmente para o médico Hemerson Casado e Família – Deus é nossa esperança e não podemos entristecer-mos pelos imprevistos deste mundo.

  • Antonio

    Pra esses “sinistros” de última hora uma pregunta: Adonde o COMUNISMO deu certo. DESGRAÇA, DESGRAÇA,DESGRAÇA! URSS, Alemanha oriental , Vietnã, Camboja , Cuba, Coréia do Norte , que diz ter uns artefatozinhos que ainda pode explodir esse vale de lágrimas.Mais prantos e ranger de dentes. Esqueci de citar mais alguma DESGRAÇA?

  • Antonio

    Colega portador de E.L.A. , viemos do pó e a ele voltamos. Inexoravelmente!!! Estamos evoluindo. “Com passos de formiga e ,,,,O resto é com Papai do céu, em quem os comunas não acreditam. Que vão todos pro INFERNO, ou melhor, Já estão!!!!!!!Mire e veja.

  • Antonio

    E o Quincas? PELEGO!!!!!!Comunista caviar! A vez dele chega….

  • SEBASTIÃO IGUATEMYR CADENA CORDEIRO

    ESSE CARA “AO MEU VER ” É MÉDICO E NÃO PRECISAVA SE ESCONDER USANDO TERMOS APÓCRIFOS , A NÃO SER DO VIÉS COMUNISTA E PETISTA QUE CARREGA EM SUA OPINIÃO . NÃO DISCORDO , PORÉM , QUANDO O “BIG BROTHER ” AFIR-
    MA , QUE SE FOSSE O OUTRO PARTIDO , ETC . A COISA ESTARIA PIOR . . . POLÍTICO BRASILEIRO , EM SUA
    ESMAGADORA MAIORIA , SÃO MOVIDOS À DINHEIRO E
    SEU MANTRA COTIDIANO É A MENTIRA . TAMBEM VOTEI
    NO HEMERSON , QUE NÃO TIVE O PRAZER DE CONHE-
    CER , SOMENTE O FAZENDO , ATRAVÉS DE SEU IMENSO
    DRAMA PESSOAL . ALIÁÁÁÁÁÁSSSSS , NENHUM DOS ME-
    US CANDIDATOS FOI ELEITO , O QUE ME REVELA COMO UM CIDADÃO DIFERENCIADO E QUE NÃO FAÇO PAR-
    TE DESTA IMENSA MEDIOCRIDADE INSTALADA NESTE
    ESTADO . ALIÁS , CADA DIA ESTÁ MAIS CRISTALIZADO ,
    PELO MENOS PARA MIM , O PROVÉRBIO QUE CRIEI E
    QUE ASSIM GRITO , AOS QUATRO CANTOS DO TRIÂN-
    GULO DAS BERMUDAS SULAMERICANO : “A PROMISCUI-
    DADE , AQUI EM “APPALLOSA” (ALAGOAS , PARA SEUS
    AMANTES ) É TÃO ESTARRECEDORA E IMBATÍVEL , QUE , NINGUEM É INOCENTE , ATÉ PROVA EM CONTRÁRIO ! ”
    FINALIZANDO , EU ACHO , EU CREIO , QUE DEFENSOR
    DESTE PAÍS E , PRINCIPALMENTE , DESTE ESTADO , É UM
    INOCENTE ÚTIL , COMO JÁ O FUI , OU ESTÁ MAMANDO
    EM ALGUMA TETINHA DO PODER ( NAQUELAS MAIS RE-
    MOTAS E QUASE DESAPERCEBIDAS ) . ÔMI !

  • rosivaldo ferreira martins

    O Governo de Renan Filho comessa bem, entretanto, está pecando de forma que é de entristecer na condução do Sistema Prisional, que pode trazer sequelas terríveis. Porém, o Secretário da SEDES, é um homem ilibado, só posso alertar, cuidado muito cuidado.E que não se permita enganar por aqueles cidadãos remanescentes do governo anterior, repito cuidado muito cuidado.