Ainda que o cenário não seja definitivo, afinal o imponderável é soberano, como ficará o discurso da chamada base aliada de Alagoas em relação a presidente Dilma , daqui para frente?

Até agora, todos os integrantes do ex-Chapão se apoiavam no fato de que são aliados fiéis e leais do Palácio do Planalto. E, por isso, precisam ser eleitos ou reeleitos para que o amor e a amizade prosperem “em favor do povo alagoano”.

A situação local de Marina Silva ainda está indefinida. Por ora, só a vereadora Heloísa Helena conta com seu apoio incondicional, que pode valer muito se a presidenciável continuar crescendo nas pesquisas.

O contrário também faz parte do jogo.

E os demais, os que garantem a “governabilidade” da presidente Dilma, continuarão vivendo essa relação desinteressada?

Ou já cantam: “Doença de amor só cura com outro”?

A "governabilidade" no Brasil explica de frieira a câncer
O "efeito Marina" nas eleições de Alagoas
  • Romão

    Rsrssrsrs, você é demais, Ricardo Mota!

  • ARTUR

    o tamanho do amor é a esperança de se aproveitar das sobras do poder.
    Não vejo no Brasil um político de referencia e carismático a ponto de alegrar-me quando aparece. Hoje tenho admiração pelos políticos sem expressão para a atual conjuntura.
    Não tenho nada contra a DILMA do PT, acredito que ela se deixar ser governada pelos partidos que se vendem para garantir a tal governabilidade.
    Apesar de não termos opção de confiabilidade nos atuais políticos para o cargo de presidente, temos que votar no menos ruim para tentar mudar o triste cenário atual.

  • Carlos dos Anjos

    Ricardo, por que é que quando alguém morre logo vira santo. Até um dia desses o ex governador de Pernambuco, Eduardo Campos, era um zé ninguém. Tava lá em baixo nas pesquisas. O cara morre, a viúva Marina Silva, agora é a salvadora da pátria, exemplo de político que vai consertar o nosso país. Se ela se eleger vamos trocar 6 por meia dúzia. Oh povo inteligente esse nosso. Vamos refletir minha gente para depois não reclamar.

  • ricardo .

    Já deu o que tinha pra ir pra rua, Dillma/Barba/PT, tchau !

  • ARTUR

    É triste mais é verdade. Quando vejo politico ficha limpa ralando para se reeleger a exemplo do JUDSON que não tem a simpatia de seus colegas de partido e vejo TATURANA suplente pedindo voto na TV para se reeleger com apoio de quem não tem referencia, porém com força no poder atual, advinha quem ? RELAXA E GOZA. Podemos atender e votar em um pedido desse ?

  • José da Silva

    Só espero que MARANA cumpra a palavra, e se eleita mande para o oposição nome como Renan, Collor, Sarney, dentre outros que gravitam em torno de qualquer Presidente, em nome da praga chamada governabilidade!

  • José Carlos Milito

    Não acredito que alguém tenha amor por essa coisa.O que acontece é que esse pt está com seus asseclas mamando há muito tempo, e não querem deixar de mamar,só isso.Mas essa mamata vai acabar.MARINA VEM AÍ.

  • JEu

    Não creio que a imensa maioria dos políticos de hoje morram de amores pelos próprios partidos, pois que, na primeira crise de compatibilidades eleitoral (aqui se entenda como no primeiro risco de não ser eleito naquele partido) logo muda para outra sigla mais “favorável”… A bem da verdade, não existe mesmo um partido com um programa definido por uma doutrina ou por preceitos e ideais reais, verdadeiros que norteiem seu papel na política. Hoje se diz que tal ou tal partido é mais de direito, de centro ou de esquerda; mais socialista ou conservador, etc … mais não apresentam ao público, por escrito uma como “carta constitucional” que demonstre claramente seu direcionamento, que , ao que me parece, é mais de acordo com o “momento político” do que algo plenamente definido, é mesmo mais “ocasional”… para agradar ao eleitor… e no frigir dos ovos… o que importa mesmo é ser eleito e ter acesso ao poder… Lógico que, como fruto da própria sociedade, os partidos devem se atualizar e acompanhar a evolução do pensamento da população, sem, no entanto, negar suas bases e preceitos fundamentais…. porém não é isso que vemos por aí… Além do mais, depois da reforma eleitoral que permitiu o surgimento de tantos partidos (até parece sopinha de letras), fica difícil saber quem é quem ou quê é o quê…. E os seus integrantes vão tirando “proveito” das situações… para não dizer que vão de “galho em galho”…

  • wal

    Não se deve comprar o Amor com a imundice que está a política, isto a nível de Brasil…

  • Vencedor

    A justiça divina tarda mais não falha! Nem a compra de votos vergonhosa através da bolsa esmola evitará a derrota dos PTralhas.

  • Claudierbh

    Pois é não intendo como funciona a infidelidade partidária, mais acho que a candidata Heloísa Helena teria por obrigação apoiar a candidata do partido ao qual é filiada (PSOL) Luciana Genro e no entanto ela apoia Marina Silva de outro partido e o PSOL fica alheio a este desrespeito, mais como em politica se pode tudo fico só reparando de longe estes procedimentos eleitorais.

  • Daniel

    Carlos dos Anjos você ta muito equivocado. A marina apenas não saiu como candidata a presidente porque ficou sem partido. A marina sempre teve brilho próprio.

  • roose

    Votarei em Marina para quebrar essa polarização entre PSDB e PT, Todavia, espero que ela cumpra o que expressou Eduardo Campos: Collor, Renan Calheiros e Sarney podem permanecer na oposição, no governo do PSB não irão integrar.

  • Francisco Teixeira

    Passado os anos vejo que Collor é melhor que Heloísa Helena. Mas, em 1989 o melhor candidato a Presidente era o LULA, fiz campanha , pedi voto, não adiantou o Collor venceu, depois com a sua saída, passei a procurar por seus eleitores, não sei se isso aconteceu com vocês, sumiram , isso mesmo, ninguém tinha coragem de dizer que havia votado nele.
    Pois bem, com a Marina será a mesma coisa, ela é dissimulada, adorada por banqueiros e latifundiários, vive com o discurso de ambientalista mas está a favor do capital selvagem. Caso venha a ganhar as eleições, no futuro acontecerá o mesmo, ninguém vai dizer que votou nela, mesmo porque não se pode adorar a Deus e ao Diabo ao mesmo tempo. Eu não tenho dúvidas de que o melhor é Dilma. O PT fez com que o salário mínimo passasse a valer o equivalente a 300 dólares, coisa que nunca aconteceu, nen sequer chegava aos 100 dólares, sem contar com a melhoria geral na renda da população, reduzindo drásticamente os índices de pobreza e miséria. Depois digam que eu não falei.