Do conhecido infectologista Celso tavares, integrante da Ditretoria de Vigilância à Saúde de Maceió, o blog recebeu esta mensagem. Publico-a na íntegra para que nos sirva de reflexão:

Ricardo,

A situação é bem mais grave do que a matéria sugere. O descaso com a Saúde Pública nos últimos anos determinou uma situação inimaginável, considerando que dispomos de conhecimento, tecnologias e recursos para enfrentar todos os problemas que ameaçam/afligem Maceió.

A Diretoria de Vigilância à Saúde (DVS) é a responsável pelas ações de promoção da saúde e prevenção das doenças, mas no decorrer desses oito meses pouco pudemos fazer. Marcelo Constant e eu, que a dirigimos, temos a honra de trabalhar com um excepcional grupo de técnicos, dignos de todo o respeito, mas que ainda são prejudicados pelos que tornaram a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), ao longo dos anos, um cabide de empregos, um “bico” etc.

Ressalto uma situação ‘sui generis’: a nossa equipe, nas mais diversas Coordenações, torce para ser convocada pelo MP, com a esperança que seja assinado mais um TAC e assim eles possam vir a exercer plenamente os seus papéis. Fui ao MP com o Secretário, prestei declarações, sugeri que o nosso Coordenador de Endemias também fosse ouvido (o que ocorreu nessa terça-feira) e na próxima segunda-feira será a vez do nosso Diretor.

A denúncia que justificou a ação do Promotor tratava basicamente da falta de condições de trabalho (veículos equipamentos e insumos), com contornos de uma questão trabalhista que poderia causar problemas. As declarações do Secretário e as da nossa Diretoria deram a dimensão exata da ameaça que ronda Maceió: uma epidemia de grande magnitude, com equipes de campo desmobilizadas e serviços de saúde inoperantes, o que pode redundar em muitas mortes.

O dengue é prioridade, mas todas as outras zoonoses, prioritárias também, estão na mesma situação. O quadro não é pior porque alguns técnicos abnegados apagam “incêndios” que irrompem aqui e acolá. Posteriormente poderemos discutir a situação da tuberculose, hanseníase e sífilis, cujos indicadores nos levam a temer pelo futuro de uma Capital que não para de ‘inchar’.

Desde que a SMS criou o seu quadro de agentes de endemias, foi somente em 2010 eles receberam um par de botas! A falta de fardamento, EPI, impressos, exames de rotina (colinesterase), equipamentos, insumos diversos (protetor solar), veículos, treinamentos regulares, raticidas, por exemplo, impossibilitam que as nossas equipes possam trabalhar decentemente. Os Pontos de Apoio (PA), locais que deveriam abrigá-los com um mínimo de conforto, são uma vergonha. Temos a situação bem documentada, com fotografias fornecidas por nossos supervisores e, também nesse caso, tomamos as providências cabíveis.

Para garantir que a SMS cumprisse as suas atribuições, abrimos algumas dezenas de processos visando a superação dessas carências. Criamos uma instância para acompanhá-los diariamente, mas, inexplicavelmente, os veículos, equipamentos, insumos e serviços não foram licitados.

Dada a gravidade da situação de saúde de Maceió, passamos a trabalhar com outros setores da SMS, com a SESAU e outras secretarias na tentativa de criar soluções para algumas deficiências que muito nos preocupam (isso não acontecia, friso). O Dr. Jorge Villas Boas é um grande homem público e realizamos diversas reuniões com a sua equipe, pois somente integrando todos os órgãos envolvidos e os homens de bem de Maceió poderemos, por exemplo, garantir que os pacientes com quadros graves de dengue sejam devidamente assistidos. Na SESAU discutimos essa situação e já temos alguns encaminhamentos – assumiríamos o MPS D. Fenelon Câmara e teríamos uma parceria com a UNCISAL, garantindo que o Hospital Hélvio Auto possa cumprir o seu papel nas epidemias.

Pretendemos assumir o II Centro de Saúde (Maravilha) para podermos garantir um atendimento decente aos nossos pacientes. No que tange às doenças de notificação compulsória, o panorama é sombrio e, nesse particular, nossos pneumologistas e dermatologistas trabalham sem condições no PAM Salgadinho e no antigo I Centro de Saúde (Praça das Graças).

A DVS tem em torno de R$ 4 000 000,00 para gastar até dezembro, mas nos faltam até canetas! Temos uma sala em que se forma uma fila para usar os três computadores que ainda funcionam. Se o profissional for tomar água, perde o lugar. Qual a implicação desse fato: trabalhamos ‘on line’ com o Ministério da Saúde e se não mantivermos uma alimentação regular dos bancos de dados a Capital deixará de receber repasses. O Programa Nacional de Imunização (PNI), ilustrando a situação, dispõe de recursos para adquirir 60 computadores para equipar as salas de vacinação dos nossos Postos de Saúde. Se isso não ocorrer imediatamente sofremos grandes perdas.

Nesses mais de 30 anos de atividades, jamais me deparei com um desafio de tal monta. Acredito, porém, que podemos superá-lo, uma vez que sabemos o deve ser feito, como fazer, além de dispormos de recursos para viabilizar as ações. Por não vislumbrar outras saídas, nesse momento, apesar de desconhecer as implicações políticas da decisão, torço para que o prefeito Rui Palmeira declare Emergência na Saúde de Maceió.

Assaltos crescem e Força Nacional reduz efetivo à metade em Alagoas
Berg Holanda pede para entrar no PT - veja outros candidatos a lulistas
  • JEu

    Pois é, enquanto as Secretarias Municipais e Estaduais forem cabides de emprego eleitoreiros; enquanto os governos municipais e estadual continuar adotando a política de desmerecer e desestimular o servidor público de carreira, continuaremos a assistir as demonstrações de descaso para com os serviços e as políticas públicas que visem realmente beneficiar o cidadão contribuinte… Vota Alagoas…

  • ALEXANDRE BEZERRA

    Temos um laudo “técnico” de uma realidade da Saúde, apresentado pelo Dr. Celso. Sabemos que a vontade do prefeito é a de cumprimento à bandeira levantada com relação a uma saúde de excelência e acredito. Porém, sou realista em falar que enquanto alguns gestores “saltarem de paraquedas” em cargos relevantes o papel tenderá a se agravar.

  • tania

    Triste quadro porém real……o II Centro de Saude, na pça. da maravilha está há mais de 3 anos em reforma e esse ano ainda não sai…..O I Centro na pça. das Graças funciona sem um pingo de humanização ao usuario, filas interminaveis e cobrança de marcação de consultas…….a imprensa pode ir lá e constatar!!!!

  • Barra Legal

    Isto ocorre práticamente em todos os municipio, na Barra de São Miguel, não é diferentre, falta carro, EPI, e Chefia.

  • Nilson

    Dr. Celso Tavares , moro em Maceió um pouco mais de 29 anos,não sou médico sou engenheiro, mais vejo que esta situação nunca mudou, não há nenhum interesse em resolver estas questões , porque são cargos oferecidos aos que ajudam na campanha politica, e exercem como um bico para melhorar sua situação financeira, sabendo que a qualquer momento podem ser substituidos, portanto não há uma continuidade nem planejamento, A saúde não é levada a serio.Tenho convicção que com uma equipe preparada com profissionais da sua qualidade , haverão de mudar este quadro .Abraços Nilson

  • carlos

    Nesse caso o ministério público ajuda ou atrapalha!Onde estes podem sentarem e resolverem este grave problema sem estrelhas de onde não importa!

  • Carlos Henrique

    Ricardo, é alarmante a situação exposta pelo Dr. Celso.
    Por outro lado, procurei muito aqui no site do THN1, e não consegui achar os programas do “Ricardo Mota Entrevista” para conseguir assistir!!!!
    Os programas estão disponíveis para assistir aqui no site Ricardo, ou não tem jeito???
    Obrigado.

    Resposta

    Estão sim. Acesse PSCOM na parte de cima da primeira página.
    Você verá os horários em que o programa vai ao ar.

    Grande abraço,

    Ricardo Mota

  • Vivo

    Ricardo,

    favas contadas … CA deixou o município uma desgraca … ainda mais, que pegou devidamente desgastado pela KB, maquiou e devolveu pior ainda … sem lei, impossível punir … veja-se a ALE … se o STF decidiu desdecidir sobre o mensalao,apos haver sido descaracterizado por LDSilva .. a exemplo da Venezuela …

  • Jose Ronaldo Lessa Peixoto

    Caro amigo Ricardo … trabalho no município há quinze anos e posso dizer que concordo com cada letra do que foi dito pelo Dr. Celso , porem o que mais me entristece é ver diariamente e ser sabedor que somente uma pequena parcela da população , mais esclarecida , está realmente preocupada com o que está acontecendo … a maioria das pessoas fazem piada quando fazemos palestras sobre educação e saúde ou até agem em tom de ameaça quando se sentem incomodados … infelizmente são essas pessoas que mantêm os políticos ” honestos no poder ” … enquanto não tivermos uma sociedade educada , a dengue , a sífilis , a tuberculose , a violência urbana , serão sempre invencíveis na luta contra uns poucos que ainda acreditam em fazer o melhor em seu compromisso com o trabalho … aqui esses são heróis !!!

  • Lucas

    É isso que precisamos. Pessoas de boa índole que acreditam e que estejam dispostas a fazer as mudanças necessárias!

  • ANDRÉ TOMAZ

    Caro Ricardo, sou um cidadão que apoia o Dr. Celso, estou intensamente comprometido com a saúde pública e vejo que muitos estão torcendo contra. Afinal a minha concepção é aqueles servidores que não querem trabalhar com a saúde deveriam ir para outro lugar, e sei que existem muitos que podem e devem contribuir com sua experiência, eu mesmo tenho feito a minha parte no posto de saúde e vejo ótimos resultados, a população tem me agradecido. Sou um homem que chego em casa e durmo feliz, cansado de trabalhar no posto de saúde, mas sabedor que fiz um bom trabalho, temos que ter pessoas determinadas a mudar a situação da saúde pública.

  • Plínio Lins

    Ricardo, com tantos problemas que afetam a população mais pobre,e ainda vem o CRM, com a mesma má-vontade corporativa dos demais conselhos regionais e do federal, atrasando o início do trabalho dos médicos que vêm de fora para ajudar. Não querem ir para as brenhas e grotas, e não querem deixar que os outros vão. Mesquinharia corporativa disfarçada de legalismo.

  • Maria Aparecida

    O problema maior Dr. Celso, é a ignorância do povo. Um povo atento,cooperativo é o que nos falta.Quando tem shows o povão aparece. Chame esse mesmo povo para o conselho de saúde, ninguém está nem aí. Quando a Dilma lançou o mais médicos muita gente concordou. Quero ver até quando .Vou fazer igual o Chico Anísio quero que se ….explodam.

  • Lucas tenório

    Prezado Ricardo,
    O mais interessante é que entra prefeito e sai prefeito e um chama o outro de larápio e ninguém vai preso.A farmajud destinada a atender processos judiciais está faltando quase tudo e a explicação ? Bla,bla,bla…pacientes entregues a própria sorte,o judiciário anda a passos de tartaruga e cumprir ordem judiciais só no país da fantasia Lulista.O MPE,com o grupo de trabalho da saúde não comparece nem na vara da infancia e juventude onde expede diariamente vários madatos judiciais que sobrecarregam a defensoria e o cartório da 28ª VARA. Será que a tal PEC37 não ter sido aprovada foi bom para os mortais alagoanos ? Pelo visto não fez muita diferença mesmo com processos transitados e julgados tem crianças sem receber as medicações e assim vai a SMS desobediência explicita e impunidade a mil.

  • SEBASTIAOIGUATEMYRCADENACORDEIRO

    MATÉRIA ; COMO ESTOU HÁ MUITOS ANOS LABUTANDO
    NESTA ÁREA , ULTIMAMENTE , COM A MATURIDADE E O
    BOM SENSO QUE A SOBREVIVÊNCIA NOS TRÁS ( E AÍ
    LENILDA , QUE TAL UMA ENTREVISTA INFORMAL COM O EX-COLEGA DE COMUNICAÇÃO ? ) ESTOU SEMPRE
    LIVRE ( EPA ! ) E PRONTO PARA UM “BARTPAPO” . SIN-
    CERAMENTE , O QUE O BRILHANTE COLEGA INFECTO-
    LOGISTA , QUE NÃO CONHEÇO PESSOALMENTE , APE –
    SAR DE CONHECER AS ABNEGADAS E COMPETENTES
    PROFISSIONAIS DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA , COMO TAM-
    BEM , QUERO PARABENIZAR AOS INTERNAUTAS QUE
    PARTICIPARAM DESTE TEMA , ENVIANDO COMENTÁRIOS
    DE ALTO NÍVEL EM TERMOS DE VERACIDADES E
    CONHECIMENTOS . ÔMI !

  • Frederico Maia

    A situação da Saúde pública no estado de Alagoas é vexatória. Não é apenas em maceió que faltam insumos para o desempenho perene dos trabalhos. Admiro muito a iniciativa do Celso Tavares em poucas linhas descrever a vergonha e a esculhambação que está a Saúde.
    Os Gestores devem tomar vergonha, deixar de se locupletarem
    e dar a devida atenção a população.

  • lindomar machado dos santos

    sou médico veterinário funcionário público municipal em maceió, represento estes profissionais lotados no ccz negociando uma pauta desta categoria com o governo municipal.fico muito feliz de ler esta mensagem de dr celso tavares explicitando um diagnóstico verdadeiro da real situação da saúde pública de maceió,no caso do ccz,local onde trabalho a dez anos,o descaso histórico que os gestores municipais trataram e ainda tratam este orgão público municipal e evidente,tivemos a iniciativa em 2010 de elaborar um relatório técnico sobre a situação do ccz e entregamos ao governo municipal,ministério público,crmv-al e imprensa,infelizmente a situação em 4 anos só piorou!parabenizo dr celso em nome dos colegas veterinários do ccz pela coragem de reconhecer perante toda sociedade de alagoas esta grave situação da vigilância a saúde do município de maceió e solicitar providencias urgentes ao prefeito rui palmeiras,antes que epidemias graves venham a acontecer na cidade.

  • Fernanda A. Rodrigues

    Inestimável minha admiração pelas palavras do nosso Diretor ao conseguir retratar neste texto, a caótica situação em que se encontra a Saúde de Maceió!
    Se os que conseguirem ler se sentirem incomodados, imaginem os que convivem diariamente com esta situação!Porem, mesmo diante da frustração que me aflingle como servidora pelas inúmeras situações que nos são postas e impostas, sigo em frente com esperança da real moralização da saúde de maceio!

    #noaguardopordiasmelhores

  • GUILHERME GUERRA

    A minha maior tristeza é saber que profissionais como o dr. celso, e tecnicos abnegados que tem na sms não possam exercer suas funções com dignidade, falo com conhecimento que tenho. Que DEUS nos ajude!