O vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, Emannuel Fortes, apresentou um dado assustador, no Ricardo Mota Entrevista desta semana.

Ele afirma que Alagoas perdeu quatro mil leitos de hospital nos últimos vinte anos. Hoje, calcula, o estado precisaria de pelo menos 4.500 novos leitos, além do que possui hoje.

O quadro local, diz ele, é nacional: foram mais 220 mil leitos fechados em todo o país, no mesmo período.

Ele aponta alguns pontos fundamentais no desmonte da Saúde Pública no Brasil. Começando pela extinção da Fundação Sesp, em 1991, durante o governo Fernando Collor (na presidência).

Até então, lembrou Fortes, havia médicos residindo no interior dos estados brasileiros, trabalhando em unidades com boa capacidade de solução da maior parte dos problemas da população local – e da região do entorno -, com os médicos recebendo salários dignos e atraentes.

Ele cita o caso dos hospitais de Pão de Açúcar e União dos Palmares, que vivem  em permanente crise.

O SUS, com a anunciada descentralização, criou uma obra ficcional, o que dá margem ao surgimento de soluções que se apresentam “milagrosas” – mas que terminam mesmo por ser mentirosas (é onde entra o “Mais Médicos”).

Ele garantiu que o Conselho Federal de Medicina está concluindo um trabalho – de muitos anos – a ser apresentado ao Ministério da Saúde.

Além do crescimento real do financiamento público da Saúde no Brasil, o estudo também trará sugestões – necessárias – à mudança do currículo dos cursos de medicina.

Enquanto isso, vamos continuar vivendo de pequenos espasmos, reações dos governos à cobrança da população.

O SUS continua sendo a obra de visionários. E a setor  privado, “fiscalizado” pela ANS, vai permanecer faturando em nome da prebenda chamada Agência Nacional de Saúde Suplementar.

O ex-PT e o PT 2.0 em Alagoas
Os médicos cubanos e o"protesto" do Brasil pedante
  • antonio xavier da silva filho

    E esses comunistas tupiniquins,ora no poder,cubanizando o Brasil,pelas “beiradas”.Um verdadeiro delírio,como em Cuba:Eles no poder,o resto na TUIA!

  • Jose Carlos

    O dr. Fortes deveria também falar dos hospitais parculares que são administrados pelos médicos e que estão todos sucateados, muitos deles com estrutura feitas de arranjos, com qualidade péssima de atendimento, com muitos profissionais sem preparo.

  • Andrei

    Ricardo, sou alagoano mas não resido em nosso Estado. Onde posso ler a entrevista na íntegra? Obrigado.

    Resposta:
    Acesse o TNH1 -o portal – e veja a programação da TV (TNH1). É a mesma que vai ao ar diariamente. Clique em PSCOM e você tem lá o que procura.
    Abraços e boa sorte.
    Ricardo.

  • Pedro

    Caro Ricardo, hoje pela manhã, passou no jornal do SBT, médicos de uma cidade do interior de SP registrando o ponto e saindo em seguida, isso acontece em todo Brasil, esse pessoal ainda vem falar em dignidade, é revoltante a situação dos postos de saúde em todo Brasil, só fica do lado desses semideuses quem não sabe o que pegar uma ficha em um posto de saúde.

  • Feitosa

    Parabéns ao Dr. Emanuel Fortes, pelo incansável Trabalho em prol de sua classe e dos alagoanos.

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    O ilustre conselheiro do CFM, Téo Fortes, no programa ENTRE ASPAS de uma emissora de TV a cabo e privada ou paga ou fechada deixou um senador petista de sais-justas e gaguejando e cheio de evasivas e até usando dos jargões que lhes são apropriados (num ouvi, num sei, num vi, num tô sabendo e etc.) Vejam mais aqui, a saber: http://gouveiacel.blogspot.com.br/2013/08/programa-maus-medicos-ma-saude.html
    Abr
    JG