O Diário Oficial do Estado, de 19 de fevereiro de 2008, trouxe a portaria de nº 005/2008, assinada pelo então presidente do Tribunal de Contas, Isnaldo Bulhões.

Respondendo à cobrança da OAB, através do presidente Omar Coelho de Mello, Bulhões decidiu criar, oficialmente, uma comissão formada por servidores do TC para realizar uma auditoria no Departamento da Assembleia, o que incluía a fantasmagórica folha 108.

Coordenada pelo procurador Moacydes Caparica, a comissão deveria fazer uma devassa nos gastos com pessoal na Casa de Tavares Bastos, que outra auditoria – da PF – apontou como fonte maior de um desvio de R$ 302 milhões.

Faziam parte também da comissão: o procurador Roberto Lúcio Palmeira Rodrigues e os técnicos Dário Cesar Barbosa da Silva, Maria de Fátima Silva de Santana e Marcos Benigno de Oliveira Maia.

Em tempos de nova “auditoria” na folha da Assembleia, há de se perguntar: qual o resultado do trabalho da tal equipe especializada do TC?

Há de se entender: no palácio de vidro da Fernandes Lima não é a atuação dos técnicos que prevalece, mas eles bem que podiam dar conhecimento público ao que fizeram – a não ser que a publicação do D.O. do Estado  tenha sido só para inglês ver.

Recurso do Grupo JL contra falência fica com o desembargador Fábio Bittencourt
A risada do meu pai
  • carlos

    Auditoria de 2008,fez o que sempre fez,dependendo dos interesses “regularizar”o que está irregular.Se a auditoria for numa prefeitura que não tem um conselheiro protetor orientado por um deputado o que esta certo pode se tornar errado e tomarem a prefeitura!!

  • Jose Luis da Silva

    VERDADE É QUE SE O TRIBUNAL DE CONTAS FOSSE EXTINTO NENHUMA FALTA FARIA A SOCIEDADE, PELO CONTRÁRIO SERIA UMA ENORME POUPANÇA!!! A UTILIDADE QUE ELES TEM É FISCALIZAR ORGÃOS QUE NÃO “COMEM NA MÃO DELES E DO GOVERNO”.

  • jobson

    O que esperar deste Tribunal?

  • João Batista

    A verdade, Ricardo, é que boa parte desses “técnicos” mantém de algum modo relação com os conselheiros, seja de amizade – o que, por si, já dificulta o exercício imparcial do cargo – seja de proteção, em troca de vantagens não necessariamente ilegais, a exemplo de funções gratificadas e outros mimos. Na verdade, o trabalho do controle, interno ou externo, precisa de autonomia técnica. Sem isso, tribunais de contas e controladorias são meros instrumentos de faz-de-conta.

  • Observador

    Onde está o Gigante? Acordou? Que nada, foi só uma vontade de dar aquela mijadinha que nos acorda no meio da noite, depois adormeceu novamente.

  • WAL

    Mais, para que serve TC-AL ?

  • Luiz Carlos Godoy

    Prevaricação, é o combustível que mantém acesa a chama da impunidade e perpetua a podridão nos órgãos, poderes e instituições estaduais e municipais nas terras dos Marechais.

  • noemia

    O TCE FISCALIZA A ASSEMBLÉIA EGISLATIVA PARECE ATE VERGONHA OS QUE VÃO FISCALIZAR SÃO DA ASSEMBLÉIA AÍ VEM MUITA GRANA PARA OS CONSELHEIROS O MP DE ALAGOAS SABE DE TUDO QUE SE REFERE A ASSEMBLÉIA eO TCE TODO DEPUTADO QUE IR PARA LÁ

  • marcelo

    ôxe, e essa auditoria já não foi feita por uma empresa de São Paulo, na gestão deste mesmo presidente Toledo?

  • Luis Cavalcante

    1. Os tribunais de faz de contas dos estados são orgâos AUXILIARES dos poderes legislativos!! Então quem fiscaliza quem? quem faz auditoria de quem? Isso tudo que “FIZERAM”? ná época não passou de uma mera “PIADA”. Chamaram técnicos da UFAL para fazerem o que pelo amor de Deus Ricardo? Vou parar por aqui por que tô é com vontade de chamar umas personas ingratas de nosso estado e você sabe de que.

  • Paulo Rostner de Olivença

    Caro Ricardo Mota, no melhor estilo do TC-AL, só se publica no D.O. aquilo que é do interesse dos “Conselheiros”, principalmente quando um “nobre” parlamentar A ou B que cometeu um desvio que contraria a alta cúpula do Palácio de Vidro da Fernandes Lima.
    Mudando de assunto:
    “Maceió terá Nova Avenida Joseja de Mello em 60 dias.”
    “Garantia é do prefeito Rui Palmeira, que visitou obras hoje pela manhã; projeto iniciado na gestão anterior foi revisado para evitar erros como na Pierre Chalita.”
    Caro jornalista, desculpe a ignorância, mas quem foi ou quem é esta Senhora Josefa de Mello? – Pergunto isso, porque o comentarista esportivo, Márcio Canuto, ainda estava(e está) bem vivo quando foi homenageado na gestão do Prefeito Cícero Almeida.
    Taí uma boa oportunidade da administração/engenharia do Prefeito Rui Palmeira provar como se deve fazer uma Avenida dentro das Normas Técnicas de trânsito e geometria viária, prevendo ciclovias, passarelas de pedestres e faixas de pedestres com iluminação adequadas, acesso nas calçadas para pessoas com mobilidade reduzida, sinalização viária refletiva, corredores exclusivos de transporte coletivo e fiscalização eficaz da SMTT.
    VAMOS AGUARDAR!

  • Omar Coêlho de Mello

    Naquela época, a do TC/AL nunca foi divulgada, mas a nossa, OAB/PGE, em 30 dias, já demonstrou muitas irregularidades, servindo de base para manter o afastamento dos deputados, conforme constou da decisão do Dr. Sapucaia. Sendo o único documento que o MP teve acesso com informações precisas. Fizemos a nossa parte.

  • Alari Romariz Torres

    RICARDO, SERIA INTERESSANTE UMA COMPARAÇÃO ENTRE A FOLHA DE 2008 E AS DE HOJE, 2013. A SOCIEDADE ALAGOANA FICARIA ESTARRECIDA COM TANTA ILEGALIDADE.