A Secretaria de Defesa Social não tem dinheiro para realizar as necessárias reformas em delegacias da capital e do interior.

Pelo menos se considerar os orçamentos apresentados pelo Serveal – Serviços de Engenharia do Estado de Alagoas S/A.

Ligado à Secretaria Estadual de Infraestrutura, o Serveal apresentou as suas detalhadas planilhas de preços para reformar e/ou construir delegacias distritais e regionais em “estado de calamidade”. Os valores são considerados “impraticáveis” pela SDS.

A pasta dispõe, hoje, de R$ 736.133,00, do Banco Mundial, para realizar todas as obras, mas só uma delas – a construção da nova Regional de Palmeira dos Índios –custaria R$ 800 mil, pelos cálculos apresentados pelo Serveal.

Ou seja: o cobertor é curto e ‘o Serveal cobra caro demais’ para fazer as obras, afirmam dirigentes da Segurança Pública.

Não por outro motivo, a direção da Polícia Civil decidiu fazer com recursos próprios a reforma da Delegacia Regional de Matriz do Camaragibe (sem o Serveal, ressalte-se).

Os dirigentes da PC, com o acompanhamento e avaliação de um agente que é engenheiro civil, avaliam que vão gastar na obra algo em torno de R$ 100 mil.

Já a planilha apresentada pelo Serveal para uma construção mais sofisticada chegou a nada menos do que R$ 414.394,99.

A Polícia Civil também vai bancar a reforma da Delegacia de Boca da Mata, cujo projeto foi orçado em R$ 191.840,72, pelo mesmo Serveal. Quanto vai custar? Menos da metade do orçamento apresentado.   

Os valores, em geral, foram considerados “fora da realidade” pelos dirigentes da SDS. Eles avaliam que se forem seguir os parâmetros apresentados pelo Serveal S.A. não conseguirão concluir os projetos em andamento.

Não se trata, ressalta um delegado da PC, de superfaturamento, mas sim de exigências acima do seria necessário para que os prédios das delegacias tenham condições dignas de funcionamento.

Ele lembra que a obra realizada na Casa de Custódia de Arapiraca, em 2010, custou cerca de R$ 60 mil e o resultado é considerado bom até hoje.

Por enquanto, a discussão está no âmbito interno para evitar uma crise entre órgãos governamentais.

A crise maior, no entanto, está na falta de condições de funcionamento das delegacias.

Em tempo

A decisão de assumir as obras – da Polícia Civil – atinge também a Delegacia Regional de Palmeira dos Índios, que será reformada a um custo compatível com as finanças da SDS.

O que diz o Serveal

Sobre a postagem intitulada “Serveal cobra ‘caro demais’ para reformar delegacias”, a Serveal esclarece que todos os orçamentos de obras feitos por este órgão são baseados no SINAPI, que é o Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil, o mesmo utilizado pelo governo federal e pela Caixa Econômica Federal para suas planilhas de custos.

Em Alagoas, a utilização dos índices do SINAPI foi definida pelo decreto nº 3.962, de 4 de janeiro de 2008, após solicitação da própria Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra), à qual a Serveal está vinculada. 

A Serveal já desenvolveu e continua desenvolvendo planilhas de custos para inúmeras obras de todos os órgãos públicos de Alagoas, sempre dentro da realidade do setor da construção civil e, portanto, de forma praticável, ao contrário do que foi informado ao blog. 

Mais do que isso, as detalhadas planilhas de custos são elaboradas de forma responsável por servidores técnicos de carreira e experientes no setor, de forma a atender plenamente às necessidades de cada obra, neste caso a segurança nas delegacias do estado. 

Para a Serveal, as informações contidas nas planilhas das delegacias não são “exigências acima do que seria necessário”, como informa o blog. Pelo contrário, de acordo com as especificações relatadas pelo órgão solicitante, são exigências necessárias – apenas isto, necessárias – para garantir o funcionamento com a devida segurança que se deve exigir em obras públicas, principalmente naquelas da Defesa Social. 

Construir obras públicas de forma independente, fora dos padrões oficiais, é sempre uma opção, mas é preciso entender as responsabilidades desta escolha e arcar com possíveis consequências negativas de uma realidade que muitas vezes não corresponde ao idealizado no papel. 

Sobre os orçamentos mais “baratos”, a Serveal não foi informada da redução nas especificações apresentadas pelo órgão de segurança, nem conhece os orçamentos alternativos elaborados pela Polícia Civil e, por isso, não vai se posicionar sobre os números e valores divulgados pelo blog. A Serveal ressalta apenas que tem convicção da competência, honestidade e transparência de seus profissionais.
Serviços de Engenharia do Estado de Alagoas (Serveal)

Vereadores rejeitam duodécimo de R$ 42 milhões proposto pelo MP de Contas
Rui já sabe por que a Saúde em Maceió é imprestável
  • Gilberto

    Saudades do Barenco e do Zé Edson… esse que está aí é fraquinho igual a caldo de chimbra.

  • Paulo

    Caro Ricardo,
    aposto o que voce quiser que essas planilhas elaboradas pela SDS nao satisfazem a NR-18, nem tampouco deve ter elementos que cubram os custos de administração de obra com a presença de um engenheiro civil. Será que essa obra suportaria uma visita do exigente Ministério do Trabalho? Além disso nao sabia que a PC tivesse engenheiro em seus quadros, pois se tiver usando um agente como engenheiro estará cometendo uma irregularidade com o desvio de função. Será que essa obra agüenta uma fiscalização do CREA???

  • renatosilva

    CARO RICARDO VC QUE CAMINHA PELA ORLA DEVE TER NOTADO UM POSTO DO BOMBEIRO ESTAR COM MAIS DE 1 ANO QUE A REFORMA DE UM SIMPLES TELHADO NÃO FICOU PRONTO DIGA QUANTO CUSTOU 155 MIL E NÃO FICOU PRONTO POR QUE O DINHEIRO NÃO FOI SUFICIENTE ESTE DINHEIRO DARIA PARA FAZER OUTRO POSTO UMA VERGONHA.CADÊ O COMANDO?PIOR E A SITUAÇÃO DOS MILITARES DO AEROPORTO E GUARDA-VIDAS ESTÃO HÁ 4 MESES PAGANDO PARA TRABALHAR TEM QUE COMPRAR AS SUAS REFEIÇÕES E AS DIARIAS NÃO SÃO PAGAS AGORA A RESPOSTA ONDE ESTAR MUITO OBRIGADO RICARDO

  • PERISCÓPIO

    DIANTE DA REPORTAGEM APRESENTADA, RESTA O GOVERNO EXTINGUIR A SERVEAL. DESSE JEITO NÃO HÁ RAZÃO PRA MANTER UM ÓRGÃO FUNCIONANDO PARA FAZER ORÇAMENTO APENAS JÁ QUE SUAS PLANILHAS ESTÃO SEMPRE ACIMA DA REALIDADE DO MERCADO. TAÍ GOVERNADOR UMA RECEITA PARA ENXUGAMENTO DE DESPESAS. EXTINÇÃO DA SERVEAL E MANDA OS ENGENHEIROS PROCURAR EMPREGO NAS EMPRESAS PRIVADAS. COM CERTEZA APREDERÃO A ECONOMIZAR E A TRABALHAR TAMBÉM.

  • Jose Enaldo da Silva Junior

    Também pudera: a SEDS adquiriu com recursos da união um helicóptero que custa 4,9 milhões de reais (valor de mercado) por 6,5 milhões de reais (dados repassados pela propria secretaria), pagando a mais quase dois milhões de reais dos cores públicos.
    Contactei a empresa HELIBRAS que me enviará orcamento confirmando a compra feita nestes valores.
    Se confirmado é caso de ação de improbidade administrativa. Nosso dinheiro não é capim para que este governo e seus péssimos gestores o torrem em negócios no mínimo duvidosos.

  • saulo

    OS PREÇOS DO SERVEAL INVIABILIZARAM A REFORMA E TRANSFERENCIA DO DETRAN, NA GESTÃO DO EMINENTE DESEMBARGADOR SAPUCAIA. SALVO ENGANO, O DESEMBARGADOR PAGOU 8 MILHÕES E MEIO NO PRÉDIO, E O ORÇAMENTO DO SERVEAL PARA A REFORMA FICOU EM ASTRONOMICOS 28 MILHÕES. ISSO NÃO QUER DIZER QUE SERIA “MÁ GESTÃO” DA SERVEAL, MAS A PLANILHA E O PADRÃO UTILIZADOS. VALE CONFERIR.

  • Luiz

    No SERVEAL não existe nenhum perito em delegacias! Delegacia serve para abrigar presos por um curto período de tempo! Delegacia não ter que ter padrão de hotel, tem que ter uma estrutura segura, e uma boa funcionalidade! Em um estado pobre como o nosso, delegacia tinha q ser como antigamente, feita com parede dobrada de tijolo batido! Materiais de luxo arquiteto usa em casa de rico!

  • Sidney

    Prezado Paulo, a PC pode não ter engenheiros em seu quadro, porém a SEDS tem, e diga-se de passagem muito competente. Acontece que, na planilha em questão, colocaram até ELEVADOR, isso mesmo. E aí? Acho que a PC tem sim plenas condições de assumir as reformas e com valores muito abaixo dos que foram “arbitrados” pelo SERVEAL.Fora da realidade!!

  • Máximo

    Os preços colocados em planilhas pelo SERVEAL obedecem ao decreto do Governo do Estado que obriga sejam utilizadas as da CAIXA (SINAPI) e as do Governo do Estado de Sergipe (ORSE), assim como o BDI é tabelado pelo decreto.
    Realmente, delegacia não tem que ter padrão de hotel, mas tem que ter padrão imposto pelos órgãos de segurança do Governo Federal, que, por não escolher os seus hóspedes, tem que se preparar para acolher os mais sabidos, os mais tolos e os mais periculosos.
    Mas é uma boa oportunidade para que o Ministério do Trabalho, CREA, Bombeiros, Prefeituras, Vigilância Sanitária, Caixa Econômica Federal, etc, descubram esse milagre e adote em todas as obras do Governo do Estado. O canal do sertão teria, hoje, pelo padrão SDS, 130 km de extensão. Será que esse padrão de construção é igual ao de segurança do SDS? A SDS descobriu que está no ramo errado? Esses engenheiros da SDS fiscalizaram a reforma de sua própria sede? Seu elevador já sobe e desce (não é pedir muito, é?)?

  • Teogenes Lisboa

    Pelo que conheço dos engenheiros e arquitetos do SERVEAL são sim extremamente competentes. Calcam seus projetos em planilhas honestas e que levam em consideração as leis vigentes como por exemplo a lei de acessibilidade. Se o custo de uma obra é elevado, é porque nenhuma estrutura física, depois de muitos anos de descaso relativos à sua estrutura física, continuaria de pé sem uma reforma bem feita, quiçá procedimento de reconstrução e isso custa caro hoje pois se houvessem procedimentos de manutenção predial anual certamente estes custos seriam fortemente reduzidos. Reconstruir a Delegacia Regional de Palmeira dos Índios (essa é a palavra mais adequada) é trabalho hercúleo e necessário. Então que aportem os recursos necessários na SEDS! Não adianta “brincar de reforma”. Delegacia é coisa séria e exige projeto básico e projetos complementares que devem ser seguidos à risca para segurança dos policiais, dos presos e da população. É isso que nós cidadãos esperamos senhor Governador.

  • Giberto

    O Sr. Sydney e outros babacas desinformados não sabem o que dizem. O que está previsto é uma reforma séria e não uma “gambiarra”. por isso é que o preço está sendo considerado alto. O “elevador”, Sr. Sydney é uma exigência legal em prédios públicos. Será que os sr. esquece que existem deficientes físicos? Os “exageros” que possam existir são em obediências às exigências legais. Os valores das Planilhas não são superiores aos valores de mercado pois os mesmos valores utilizados pela CEF – o SINAPI, incluído BDI e encargos sociais. Antes de denunciar e fazer comentários maldosos, deveriam averiguar como funciona todo o processo. Que as raivas dos governantes não sejam dirigidas a profissionais sérios e honestos. Critiquem quem julgar que merecem…

  • Paulo

    Ah Sidney, agora ta melhorando a história pois do jeito que o Ricardo Mota colocou parecia que os mesmos serviços de 400 mil seriam feitos por 100 mil e na verdade o que houve foi redução de serviços. É preciso esclarecer isso pois todos sabemos que o SERVEAL é um órgão dos mais qualificados e deve ser respeitado.

  • Marcos Cardoso

    Esses preços realmente são altos, não tenha duvida, se obedecer todas as formalidades de empresa particular, mas o Estado tem engenheiro, tem pedreiros, tem serventes e outros…por que não executa as reformas com sua própria equipe, simples, não terá BDI, não terá encargos, não terá lucros e outros custos, aposto que a obra cai para menos da metade.

  • ALOISIO

    Os delegados e policiais só vivem reclamando que a segurança pública está sucateada e que as delegacias não prestam. Quando o governo faz um projeto de reforma, e não uma meia-sola, atendendo a tudo que eles querem e as obrigatoriedades da legislação, eles mudam o discurso de críticas e passam a dizer que o governo está exagerando! Ora bolas, o que os senhores querem afinal?

  • NILTON

    NO LIVRO “REPUBLICA” DE UM GREGO, ESCRITO HA MUITO TEMPO, ELE AVISA,QUE NA DEMOCRACIA, “IMPERATIVO QUE O JUIZ ANDE JUNTO AO POVO, NAS ATIVIDADES MAIS SIMPLES, NAS PRAÇAS, NAS FEIRAS, QUE SE ENVOLVA NOS PORMENORES SOCIAIS, POIS NELE SE DEPOSITA O OLHAR SANEADOR, QUE INIBE PRÁTICAS ABUSIVAS, NO SEU NASCEDOURO”, SEM ISTO A DEMOCRACIA NÃO EXISTE, O JUDICIÁRIO NO BRASIL É EM NÚMEROS E COMPORTAMENTOS MEDIOCRE. POBRE SOCIEDADE…

  • fred

    Mas que banquinho *CARO8, pois veja bem o nosso governador deveria era colocar no orçamento do estado todo ano pelo menos dez reformas nas delegacia, pois isso até hoje nunca ocorreu, mas o preço do SERVEAL deve ser um preço justO?

  • carlos

    Paulo Serveal,este seu comentário tem coisa!!!Paulo,muito precipitado,Paulo Serveal,acusando sem conhecer como e como será possível,executar esta obra sem a burocracia,celula-mãe da corrupção.Paulo,vai com calma,assím julgando sem prova.!!!Calma Paulo!!!

  • Flávio Teles de Farias

    Muito estranho a repentina preocupação dos dirigentes da Secretaria de Defesa Social do Governo de Alagoas com o Erário. Considero bastante, bastante estranho ! Até parece que são estes senhores – ARAUTOS DA MORALIDADE !
    Serão mesmo ? Recentemente a PGE contestou o aluguel de módulos carcerários que custariam 20 milhões de reais a mais do que a sua construção pelo Estado – nessa oportunidade os garotinhos da Defesa Social brigaram titanicamente pela contratação da firma do Rio Grande do Sul ! Como justificar ? Mais recentemente, EXPLODE uma bomba que além de matar e mutilar policiais levou o pânico e a insegurança para centenas de famílias alagoanas. Pergunto ! Os nomes dos IRRESPONSÁVEIS comandantes e subordinados do alto escalão da pasta foram levados a público ? Particularmente, não tenho dúvidas que ainda existem outros locais guardando os mesmos materiais – alguém tem dúvidas ? Volto a palavra para os defensores da nossa segurança e moralidade pública !

  • ELES NÃO ZELAM

    VERDADE QUE EXISTEM PREDIOS ONDE SE ABRIGAM DELEGACIAS, REGIONAIS, ESPECIALIZADAS OU NÃO -, MAS O PROBLEMA É A FALTA DE ZELO. SE NUMA DELEGACIA FALTAR UMA TORNEIRA, VAI DEMORAR MUITO PARA SER REPOSTA, MUITAS VEZES, MENOS OS DELEGDOS, OS POLICIAIS TIRAM DO PRÓPRIO BOLSO E RESOLVEM O PROBLEMA. DEPOIS, O DELEGADO USUFRUE, POR OUTRO LADO TEM DELEGADO “ESPECIALIZADO” EM REFORMAS. ELE JÁ REFORMOU DUAS, HOJE, QUASE CAINDO COM AS DE PALMEIRA DOS INDIOS E SÃO MIGUEL DOS CAMPOS. ZELEM, POR FAVOR. ESPERAR PELO GOVERNO CANSA E, MUITO.

  • Rubem Ramires Malta Filho e Maria Rosangela Visgueiro Maciel

    Senhores “entendidos” em engenharia.
    Os engenheiros do SERVEAL são sérios e quando incumbidos de elaborar uma planilha orçamentária, utilizam um critério máximo de responsabilidade. Para conhecimento,os preços utilizados nas planilhas do SERVEAL, bem como dos demais órgãos do governo, são obtidos das tabelas oficiais do SINAPI (CEF),e do ORSE (Orçamento de Obras do Estado de Sergipe) em obediência ao Decreto Governamental nº3.962, de 4 de Janeiro de 2008.
    Para conhecimento geral, vocês sabem que sobre a mão de obra contratada incidem Leis Sociais Trabalhistas de 124,48%? Sabem também que o percentual de Leis Sociais Trabalhistas também é determinado pelo SINAPI (CEF) e que o cálculo do BDI além de obedecer ao Decreto acima citado, obedece concomitantemente ao Acórdão 2.369/2011 do TCU? Vocês sabem que o BDI (bonificação e despesas indiretas), cujo percentual tem variações máximas de até de 25%, e 30%, a depender do valor da obra (mais uma vez, atendendo ao Decreto do Governo Estadual 3.962/08), e que dentro deste percentual o lucro máximo admitido pelo TCU é de 10% e a diferença corresponde aos custos indiretos ? Caso vocês tenham acesso às planilhas orçamentárias do SERVEAL, perceberá que ao lado de cada preço existe um código numérico e a base do qual foi retirado. Qualquer preço fora destas tabelas é questionado pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) ainda na fase de projeto básico.
    Senhores especialistas, o padrão de acabamento de uma obra é determinado pelas especificações incluídas no projeto arquitetônico. No caso específico do DETRAN, o projeto arquitetônico foi contratado pelo próprio órgão, bem como todos os projetos complementares, os quais já chegaram ao SERVEAL, quantificados e com preços. Quanto ao “elevador” da Delegacia de palmenra dos Índios, trata-se de uma Plataforma de Percurso vertical, equipamento obrigatório em órgãos públicos com dois ou três pavimentos, para locomoção de Portadores de Necessidades especiais (PNE), em obediência ao Código de Acessibilidade (NBR 9050 de 30.05.2004).
    Senhores, é claro que uma obra pode ter um custo muito menor que o determinado nas planilhas do SERVEAL. desde que seja clandestina, ou seja: sem o recolhimento dos impostos, das leis sociais trabalhistas, sem administração da obra, sem o fornecimento de alimentação, transporte e EPI’s, como determina o Ministério do Trabalho. Não é de bom alvitre que o órgão oficial de engenharia do estado sugira o não pagamento dos impostos e o não cumprimento dos encargos sociais. Vale salientar que os engenheiros do SERVEAL não trabalham deste modo,como se a obra fosse a execução de por exemplo, de um “piso em casa própria, quando o material é adquirido pelo proprietário e o pedreiro simplesmente executa o serviço. Os engenheiros do SERVEAL não estão brincando de fazer casinha. Portanto, senhores, a unica coisa que deve ser fechada é a boca de quem fala sem conhecimento de causa.

  • Carlos

    Imagina se vão fazer orsamento de um quartel da PM que estão as quedas, quanto seria,kkkkkkkkkkkkkkkk.

  • antonio cardoso

    Pessoal vamos acabar com a discussão, agora gastar numa reforma 400.000 mil reais numa delegacia, onde o terreno tem o tamanho oito metro por 15 metro é um absurdo

  • Paulo Rostner de Olivença

    Prezado Ricardo, considero lamentável este tipo de discussão, pois todos os orçamentos sob responsabilidade do Serveal tem os Custos Diretos e Indiretos(BDI) obtidos das tabelas oficiais do SINAPI (CEF),e do ORSE (Orçamento de Obras do Estado de Sergipe) em obediência ao Decreto Governamental nº3.962, de 4 de Janeiro de 2008.
    Agora, cabem os seguintes questionamentos:
    1º – Na elaboração do projeto e da especificação técnica para a reforma das referidas delegacias foram consideradas as Normas Técnicas e as reais necessidades de segurança que uma delegacia requer?
    2ª – Como a SDS estimou o valor das obras para solicitar o recurso ao Banco Mundial?
    “A pasta dispõe, hoje, de R$ 736.133,00, do Banco Mundial, para realizar todas as obras”
    A minha preocupação não está no valor orçado pelo Serveal, mas como será conduzido o processo de licitação dessas obras.Pois todos lembram das reformas das escolas da rede estadual de ensino, quando após a entrega das mesmas os telhados desabaram.Sabem por quê? – porque simplesmente não foi executado conforme projeto e especificação, e também mal fiscalizado.
    O ESTADO DE ALAGOAS VIVE ATOLADO NUM MAR DE LAMAS, ESSA É A NOSSA REALIDADE ATUAL, INFELIZMENTE!!!

  • carlos

    Deixem a obra a contecer para provar ou não se existe um grupo com algum interesse para que a serveal continue executando estes projetos.Se a obra fou xula,vocês ganham se não aí tem dente de coelho!!!!