Talvez seja difícil para o cidadão comum compreender como duas pessoas que não se gostam, não confiam uma na outra, vivem vidas absolutamente distintas e ainda  mantêm uma aliança inquebrantável. 

Mas é assim que os senadores Fernando Collor e Renan Calheiros dividem a convivência que se baseia, exclusivamente, no pragmatismo.

E convenhamos: eles não são exceção no meio político.

As relações nesse importante campo da vida humana têm como marca o utilitarismo e nada mais. Aqui não contam afeto, relações pessoais e outras coisas tão caras ao cotidiano da maioria dos humanos.

Collor precisa de Calheiros, assim como o líder do PMDB no Senado necessita do apoio do ex-presidente (ou, no mínimo, que elle não seja seu adversário na política local).

Para que brigarem, romperem, se atacarem, se não ganharão nada como isso politicamente?

Isso é coisa para amador – o que os dois deixaram de ser já há algumas décadas. O que eles dividem é o interesse de se manterem na crista do poder político – local e nacional. O resto será tão somente perfumaria (de segunda).

Se Renan olhar pelo retrovisor, vai ver a eleição de 1990, talvez a maior rasteira que um político local – com expressão nacional – já tenha levado.

Imperdoável? Não há mágoas nem gratidão nesse universo particular. Conta o agora e tão somente o agora.

Collor precisa como nunca de Calheiros; e Calheiros precisa como sempre de Collor.

É o que vale.

A ocasião é que vai fazer a união. Entre ambos existe sempre uma pinguela a ser lançada sobre um rio cheio de crocodilos, quando se fizer necessário. E eles a atravessarão juntos, tendo que acreditar que o encontro com o outro é que os salvará de algum risco mortal.

Que o diga – como disse e não pode dizer mais – Cleto Falcão, que conhecia a ambos como poucos foram capazes de fazê-lo.

O quarteto que derrotou Mellina Freitas em Piranhas
O algoz que mira do espelho
  • ervallins

    a politica e um jogo que tem entre os da politica, ojetivando passa por bobo o eleitor trabalhador pagador de impostos, sendo analfabetos ,desenformados e melhor,a muito que o trabalhador de todas as classes socias ja sentem na quem e o politico brasileiro,taturana,mensalao,e porai vai um peso esse sistema politico que tem o brasil hoje

  • alagoano

    MEU CARO RICARDO MOTA, ESSES NÃO PODEM ROMPER PORQUE ELES SÃO REPROVADOS PELO O ELEITORADO ALAGOANO É SÓ VER O RESULTADO DOS ULTIMOS PLEITOS ELEITORAIS E EÍ TEMOS A RESPOSTA.

  • Tenho Pena de Alagoas!

    Ricardo, tanto o “Rei do Gado” quanto o “Collorido” não têm amigos, e sim interesses, e com certeza o bem de Alagoas não está entre eles!

  • bel

    ESSE PESSOAL ESTÁ ULTRAPASSADO. ALGUÉM TEM DÚVIDAS?

  • Gregório de Matos

    Disse bem: “a ocasião faz a união”. Collor necessita muito mais de Renan que Renan de Collor; razões: sem apoio do Renan, Collor vê seu projeto de reeleição ao senado fazer água, pois Collor, não tem o costume de gastar um real de seu bolso em campanhas, portanto, vai mais uma vêz pegar carona em alguém; enquanto Renan, não quer prescindir de Collor, porque elle tem um império de comunicações em suas mãos, apto a DESCONSTRUIR a imagem de um oponente (seja quem for). Mas, o que mais os une, na verdade, é a AFINIDADE de suas ÍNDOLES.

  • Jose da silva

    Caro Ricardo, como sempre, você é oportuno e inteligente no que escreve, gentileza, como o eleitor alagoano deve fazer para votar de forma correta, pois se correr o bicho pega e se ficar o bicho come?

  • ARTUR

    QUAL O FUTURO POLITICO DO COLLOR SEM RENAN. RUIM COM ELE, PIOR SEM ELE.

  • Barbosa

    Duas frases que meu pai sempre falou, trabalha o feio para o bonito comedor, triste do sabido se não houvesse o tolo. Enquanto existir gente boba, tola, abestada, essa turma vai continuar rindo do povo. É só um politico chegar no interior ou na periferia pra você ver chegar aquele povo desinformando abrindo os braços e achando que é importande aquele aperto de mão ou aquele abraço.

  • Rosita Cardoso Silva

    Em momento algum eles, Collor e Renan, demonstraram realmente interesse pela melhoria da qualidade de vida da comunidade. Convém lembrar que um dia o povo cansa e cria aversão a estes manobristas eleitoreiros. O Lessa é um exemplo recente. Nem com o apoio do Lula, Collor e Renan, Ronaldo emplacou o Boia.

  • carlos

    O homem é um animal racional,dotado de ego,superego e id.Ego racional,superego nos controla e Id o irracional que precisamos suprir nossa necessidades o instintivo!!!Os instintos Collor x Renan!!!!

  • Deivisson Sobral

    O Renan é um cara que realmente trabalha por Alagoas, no meio politico todos sabem a força que ele tem, mas é comum esse tipo de pensamento dos leitores, quando levados por uma leitura tendenciosa. Eu gosto de politica, vejo no Renan um grande politico, articular de primeira, trazedor de recursos para o estado.

  • Walter Tenório

    Na Roma antiga, há mais de 2000 anos, Julio Cesar, Marco Antonio, Brutus e depois Otávio, já mantinham essas relações.

  • ARRUDA

    PRECISAM ELES UM DO OUTRO,ASSIM COMO T.VILELA PRECISA DE DILMA.

  • Narciso de Portela Matos

    Quem quiser que pense que Collor está superado em Alagoas, com um eleitorado de idiotas como é o alagoano?

  • Luiz Antonio Maciel

    São dois grandes brasileiros com grandes diferenças de temperamento mas com grande aptidão para trabalhar pelo Brasil a paulicéia tem que engoli-los a contragosto e também alguns alagoanos com complexo de inferioridade…

  • Simplício Calheiros

    A PETROBRAS ESTÁ FECHANDO AS PORTAS EM ALAGOAS.
    O PIB, PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO, IRÁ DIMINUIR ASSUSTADORAMENTE JUNTO COM A ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS ORIUNDOS DA EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS.
    MILHARES DE EMPREGOS DEIXARÃO DE EXISTIR E A MÃO-DE-OBRA NÃO GERARÁ LUCROS AO ESTADO.
    O POVO ALAGOANO, QUE POSSUI VASTA RIQUEZA PETROLÍFERA EM SEU SUBSOLO, FICARÁ SEM SEU MAIOR TESOURO?!