Falar da violência desenfreada em Alagoas é mais do mesmo.

Mas temos de entender que esta é uma construção histórica e, como tal, há de ter uma reversão de médio e longo prazo.

Desde que, é claro, as ações de Estado se mantenham permanentemente, independente do governo que venha a assumir daqui para frente.

Acreditar que tudo vá se resolver numa operação devastadora das forças de repressão – responsáveis pelas ações policiais – é reduzir a discussão a um único ponto. E, para mim, não o mais importante.

O que acontece agora, com o lançamento do piloto do Plano Nacional de Segurança Pública (Brasil Mais Seguro – Alagoas) é atuação sobre as consequências do modelo social, econômico e cultural que resultou na nossa tragédia de hoje.

As operações iniciais, com uma presença mais efetiva das polícias e da Força Nacional – militar e civil – podem ter um efeito importante quanto à percepção da violência, reduzindo a sensação de em que cada esquina nos espera um criminoso, pronto para nos abater.

Evidentemente, há uma grande má vontade por parte de alguns setores políticos quanto ao plano – que não é de Vilela, de Dário César, de José Eduardo Cardozo.

Como disse o próprio ministro, é uma construção coletiva que não tem pais definidos – todos são responsáveis, numa referência às instituições envolvidas – o que inclui o Judiciário, o Ministério Público e a Defensoria Pública.

Mas esta rejeição, a que me referi, é racional, baseada num cálculo político.

A que efetivamente importa é que vem da população, em forma de desconfiança, de raiva mesmo, que busca encontrar um responsável por este quadro dantesco, que, repito, é uma construção histórica.

O governo de Teotonio Vilela Filho tem responsabilidade direta por este quadro? É claro que sim. Mas isso não teve origem apenas nos últimos cinco ou seis anos.

Já escrevi aqui e vou repetir: meus dois filhos foram assaltados, com revólver apontado contra eles, há mais tempo: dez anos e sete anos.

São vários os aspectos que contribuíram decisivamente para que a violência – notadamente os homicídios – crescesse de forma assustadora a partir de 2009 (como mostram os dados mais recentes).

Há um baixo efetivo policial – nas duas polícias -, com tropas desmotivadas e envelhecidas.

Não se valorizou nem se investiu – o que agora está mais do que evidente – no trabalho da perícia, apontada pelo Ministério da Justiça como fundamental no combate à criminalidade.

Tanto que boa parte dos investimentos que serão feitos em Alagoas contempla a área científica das polícias.

Mas agora, neste primeiro momento, deve haver uma concentração de esforço para reduzir essa coisa que nos adoece a todos: a sensação de violência.

A operação de hoje, acredito, deve ser entendida como uma demonstração de força, da ação de Estado em socorro à população.

Combater a desesperança passa, também, diretamente, pela presença ostensiva das polícias nas ruas.

Mas a construção de uma nova Alagoas demanda muito mais tempo e investimentos. Principalmente para a infância e a juventude. Que não vê perspectiva de futuro e se torna o alvo mais fácil do crime – potencializado pelo crack. 

O que vivenciamos hoje são os sintomas de uma doença que ataca a sociedade alagoana como um todo: medo e desesperança, descrédito nas ações do poder público. 

Repito: são sintomas. E o remédio que requer urgência é a apresentação de resultados concretos do plano que está sendo inaugurado em Alagoas.

As causas da doença, entretanto, vão exigir muito mais: dos governos e da população.

Já se foi há muito o tempo dos milagres.

Renan: "O Ibama tem má vontade com Alagoas"
Demonstração de força inaugura Plano
  • CARLOS MAURICIO

    Caro Ricardo, que vergonha a ausencia politica de senadores e deputados federais no lançamentodoplano.Torcem contra, para ter palangue. É preciso que o população tome conhecimento desse fato.Um manda um figurante inexpressivo, os demais dáo as costas.LAMTAVEL E VERGONHOSO.BELO TEXTO

  • Deivisson Sobral

    Ricardo, é claro que a violência não nasceu hoje, mas também fica claro que hoje ela é fomentada pela falta de ação do governo estadual. Isso fica claro nos dados oficias, perdemos feio para as estatisticas, e isso é fruto de um processo de desgovernos que enfrentamos. Mas esse atual é o cúmulo, lento, sem vontade, até pra fazer política o Governador é devagar. Esperamos vencer nossos medos!

  • Roberto Bastos Costa

    A desconfiança é uma das grandes dificuldades a enfrentar. A população já foi chamada a participar em outras ocasiões e…Só nos resta acreditar como cidadãos que os agentes envolvidos também acreditem, se empenhem e esqueçam o ano politico nas suas critícas. É bom que surjam, mas venham acompanhadas de propostas e sugestões. Espero o melhor como alagoano que ama este pequeno Estado.

  • ANDRÉ PEPES

    RICARDO, JÁ DIZ O DITADO QUE A ESPERANÇA É A ÚLTIMA QUE MORRE. O PROBLEMA É QUANDO ELA JÁ NASCE MORTA!

  • VIVIANNE BARBOSA

    Ricardo,
    Concordo plenamente com vc!
    Não será dessa maneira que irá se extirpar a violência no Estado de Alagoas.
    Precisamos de políticas públicas mais efetivas, uma maior responsabilidade do Poder Público.
    Os “nossos” políticos precisam pensar menos nas eleições e trabalhar mais por seus eleitores.Precisamos de mais escolas, pois nunca vi tanto jovem e criança fora da sala de aula como aqui em Alagoas.Digo isso, porque como Assistente Social viajo bastante pelos interiores e percebo que os pais não estão muito preocupados com isso e sim apenas com o bolsa-família que se tornou um fardo para Alagoas. Hoje as pessoas de baixa renda não querem mais trabalhar, pois se acomodaram com a miséria do bolsa-família e com isso a violência só aumenta, pois jovens na ociosidade pendem para o lado ruim.
    A minha profissão se tornou uma profissão de risco, pois tem comunidades aqui em Alagoas que não conseguimos entrar e fazer um bom trabalho em conseqüência do tráfico de drogas.
    Outro problema é a desqualificação da polícia militar e civil e principalmente a civil, pois são pessoas totalmente despreparadas para qualquer tipo de abordagem.Falo isso porque na madrugada de domingo,estava indo para o aeroporto de taxi e nas proximidades da FUNASA, um carro da Polícia Civil deu sinal para o taxista e o mesmo passou para a pista da direita, mas o carro da polícia continuou atrás e dando sinal de luz e com a sirene ligada e em segundos emparelharam com o nosso carro e mandaram para na frente.O motorista parou e eles pararam do lado e desceram logo 4 policiais civis todos armados e vieram na nossa direção.Na hora tive uma reação inesperada, pois abri aporta do carro. Quando eles me viram , disseram que não era nada e foram embora sem nenhuma justificativa e nem desculpa pelo ocorrido. Naquela hora nós podíamos ter sido baleados sem nenhum motivo.Isso só vem mostrar o despreparo da nossa Polícia, infelizmente.
    A intenção do Governo Federal é louvável, mas não acredito que irá resolver. Será apenas um paliativo.
    Mesmo assim temos que acreditar que Alagoas voltará a ser aquela cidade tranquila que eu escolhi para morar e criar meu filho.Que Deus ilumine a todos!

  • wilson

    Concordo que este quadro de violência seja de zil anos,pois se assim não fossea política em alagoas estaria sem o seu Jeca TAtu e a mídia sem ter o que falar. Deveriam mandar uma caçamba de educadores para o estadoe nao matar alafalbetos e negros so isso que força nacional faz.

  • bel

    DEVERIA PROCURAR OS INQUERITOS, QUE SUMIRAM MISTERIOSAMENTE.

  • Pablo do Carmo

    Por mais audacioso que seja o plano de segurança que o Governo de Alagoas muitos torcem para que tudo dê errado, temos de ter a partir de agora um sistema integrado e com isso venha otimizando envolvendo instrumento de prevenção, coação, justiça, defesa dos direitos, saúde e social. Espero e desejo que este Plano de Segurança tenha sucesso à sociedade alagoana não suporta mais tanta violência

  • sara

    Espero que esse plano dê certo,Alagoas sempre teve o chamado¨crime de mando¨,mas hoje temos a droga organizada destruindo os jovens,na grande maioria sem esperança de um futuro melhor,sem escola de qualidade,emprego,saúde etc.Até quando o nosso estado continuará sendo favela em prol de políticos inescrupulosos?Espero que a maioria do povo alagoano,tire a venda dos olhos e enxergue a verdade sobre esses políticos!

  • Celso Tavares

    É isso.

  • Pereira PMAL

    Muito bom Ricardo, finalmente vc tocou no ponto referente ao material humano de nossa corporação,que precisa urgentemente ser renovada e incentivada,como falei na postagem anterior não precisava ir muito longe pra se colher coisas boas pra serem implantadas, Pernambuco tem o pacto pela vida que deu bastante certo, com incentivos financeiros, pagamento de horas extras e estabelecimento de metas, outro ponto o qual vc tocou com bastante sabedoria é a questão social, esta resultante de anos de coronelismo e que levará anos pra que seja corrigido,com muita propriedade foi dito que todo problema social não começou no atual governo, Alagoas tem uma longa caminhada, espero que haja o engajamento de todos os poderes, e que haja um plano de segurança a longo prazo independente de governo que ganhe eleição seja mantido e intocado.

  • marcio vinicius

    MINHA OPNIÃO: SOLUÇÕES.

    Não vou apenas criticar, mas opnar apontando soluções, embora são medidas corretas e dificilmente temos políticos hoje para agir como realmente deveria.
    PLANO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA
    1º) VALORIZAÇÃO DO SER HUMANO
    (Investir no humano profissional policial com salários dignos e condições de trabalho dignas e profissionalização da sua atividade, INCLUSIVE PASSANDO A TER METAS PARA CUMPRIREM OBRIGATORIAMENTE Criando um sistema de produtividade dos policiais e acrescimo na remuneração de acordo com o desempenho, ora vivemos num mundo capitalista claro.E um sistema que o policial cresça na sua carreira)
    2º) LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
    O congresso criando um sistema de leis que realmente puna o criminoso seja quem quer que for e enalteça o cidadão de bem, atualmente não é bem assim e em certas coisas no Brasil o crime compensa sim. Aí sim policial=fiscal da lei que o respauda.
    3º) REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍCIAS
    Fim da PM e PC e a criação de uma só polícia (ostensiva e investigativa) e deixando de ser estadual e sim municipal.
    4º) TECNOLOGIA, APARELHAGEM E EQUIPAMENTOS NAS POLÍCIAS
    Sistema informatizado único nacional e ligado com PF e PRF.
    sistema de polícia técnica com setor de perícias de 1º mundo.
    5º) REESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA PRISIONAL
    Preso trabalhando em benefício da sociedade querendo ele ou não.
    sistema que proporcione ao preso educação e profissionalização, (não será para todos os presos, evidente)
    sistema que proporcione também punição ao preso acabando com regalias e fazendo-os sentir punidos de acordo com o grau do crime claro.

  • Joao Azevedo de Lima

    Muito bem RM,o plano por si so nao ira resolver de forma alguma o problema da violencia na terra dos Marechais.Estamos mil anos luz atrasados.A populaçao aumentou,os problemas aumentaram incomensuravelmente, todavia, nossos governantes, preocupados ,tao somente,em locupletar~se esqueceram do povo e tai o resultado.O efetivo da PM e PC ha 20 anos atras nao era tao diferente do atual, pode pesquisar.Evidentemente,que isto prejudicou o poder de enfrentamento a criminalidade, associado aos parcos salarios e recursos materiais, nao teriamos outro resultado senao este avassalador e gritante aumento da violencia.

  • teresa marta silva rocha

    A notícia é um alento, combater a violência ininterruptamente é desejo de todos, a curto prazo.Entretanto, para perdurar, é preciso olhar as ESCOLAS: se estão com professores em sala de aula; se tem atividades que preencham horas ociosas;se tem merenda escolar e todo uma assistência a meninada que são as maiores “vítimas de serem violentas”

  • juanito

    Paulo Freire foi quem primeiro usou a esperança como verbo ESPERANÇAR, NO SENTIDO DE BUSCAR, PROCURAR E NÃO DE ESPERAR. Alagoas ainda vive da esperança de esperar pelas ações desencontradas de um governo que está se perdendo pela desesperança a sua população.

  • INDIGNADO

    Como pode dar certo, se delegados não comparecem as delegacias para trabalharem? O Código de Processo Penal, diz que que o delegado de policia tem que estar no local do crime, efetuando os primeiros levantamentos e arrolandos testemunhas.Em Alagoas ou em Maceió, quem faz é a policia militar. Tudo perdido.E ainda querem aumente e só andam de camionetes modernas.Como pode ganhando l3 mi reias?

  • rogerio barboza

    A VIOLÊNCIA NÃO SERÁ BANIDA DE ALAGOAS NEM DE NENHUMA OUTRA PARTE DO MUNDO POR UM SIMPLES “DECRETO”, ELA É INERENTE AO SER HUMANO E O ACOMPANHA DESDE OS PRIMÓRDIOS. ESSA INICIATIVA DO GOVERNO DO ESTADO É LOUVÁVEL E TEM UM CUNHO PEDAGÓGICO, MOSTRA A “EXISTÊNCIA DO ESTADO”. PORÉM, OS PROBLEMAS DE ALAGOAS, PARA NOSSA TRISTEZA, VÃO MUITO ALÉM DA VIOLÊNCIA. HÁ QUE SE CONSIDERAR A ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL PORQUE ALAGOAS VEM PASSANDO POR MUITOS E MUITOS ANOS, ATÉ POR CONTA DE SUA ESTRUTURA SOCIAL, DEVERASMENTE CONCENTRADORA DE RENDA E OLIGÁRQUICA. CARECEMOS DE MEDIDAS ESTRUTURANTES, DE ESCOLAS QUE ENSINEM, DE UMA JUSTIÇA LIVRE E COMPROMISSADA COM SUA FINALIDADE, LIVRE DAS INGERÊNCIAS AS QUAIS SEMPRE SE DEIXA SEDUZIR,PRECISAMOS TAMBÉM DE HOSPITAIS QUE ATENDAM DIGNAMENTE O CIDADÃO, CIDADÃO ESSE QUE SEQUER HOJE CONSEGUE UM SEPULTAMENTO DIGNO, FRUTO DO DESCASO COM A COISA PÚBLICA. AS CONSEQUÊNCIAS DESSES DESMANDOS PRATICADOS AO LONGO DO TEMPO COMEÇAM A BATER AS PORTAS DA ELITE POLÍTICA ALAGOANA, A IMPUNIDADE, O NEPOTISMO E A CORRUPÇÃO ESTÃO COBRANDO SEU PREÇO.

  • marcio vinicius

    Que cena bizarra aquelas autoridades na foto da inauguração da del de homicidios.

  • Mendonça

    A sensação de insegurança realmente adoece, faz a gente dormir menos, nos tira da nossa rotina, se torna uma constante ameaça. E saber que qualquer coisa que se crie, construa ou planeje não chega perto da solução é mais deprimente ainda. Precisamos de educação, saúde, emprego e também de polícia, mas acima de tudo, precisamos de uma sociedade mais valorizada e com os direitos assegurados.

  • Silva

    Enquanto não se combater a criminalidade do topo da piramide, tudo isto será perfumaria, mera satisfaçã,pois o que leva a violência é o roubo do dinheiro público, falta de investimentos em qualidade de vida, empregos,respeito etc, tudo será em vão.
    Na realidade vai aumentar a representação contra a população pobre,na periferia, nada mais do que isto!!!!

  • maksu

    Muito bem Ricardo Mota: O problema existe, não é de hoje, e, não será resolvido simplesmente com a POLICIA nas ruas, pois se assim fôsse, São Paulo seria um dos maiores exemplos do mundo em ausência de criminosos. A policia por si só, não é onipresente, nem pode estar em todo lugar. Impossível, não é? Para a ação policial atingir todos os objetivos, primeiro teria que ser criada uma vara especial na JUSTIÇA e um Sistema Prisional em que todos os julgados e condenados por essa vara específica, não tivesse privilégios nem regalias na prisão e cumprisse, integralmente, o período a que fôsse condenado, Aí, sim, começaríamos a tirar das ruas os criminosos. Tipo TOLERÂNCIA ZERO!

  • Raimundo Jorge de Lima

    Olha ai sociedade, o governador em meio a toda esta situaçao pavorosa,está precupado mesmo em criar mais cargos comissionados na PGE e DER, enquanto os PM e PC clamam por melhores salários.Isto é uma falta de respeito aos policiais que arriscam suas vidas defendendo a sociedade alagoana.

  • Denis Cedro

    Criou-se uma imensa expectativa a respeito desse tal Plano Nacional de Segurança, lançado em Alagoas. Pelo que li, até agora, me parece que em alguns pontos a coisa foi feita às pressas, ou, como se diz por aqui “nas coxas”, pois toda essa operação vai, com certeza, gerar mais prisões. E daí eu pergunto: Quem vai tomar conta de tanta gente a mais nas penitenciárias? Pois, há 6 anos havia aproximadamente 1150 agentes penitenciários concursados no estado. Hoje são apenas 600. Então vem o governador e anuncia concurso para a PM e Civil, tudo bem, até que é necessário, mas, e para os presídios? Será que vão dar armas a meio mundo de gente (serviços prestados) sem preparo nenhum? Se assim for, o que em ano eleitoral parece ser uma prática muito comum, quero lembrar que cerca de 80% dos crimes como sequestro e homicídios são comandados de dentro dos presídios.

  • Esperança existe.

    Para acabar com as desesperanças em Maceió, só tem uma solução, votar na renovação, votar em RUI PALMEIRA. Político jovem que se preocupa com os pobres, que conhece de perto os problemas de Maceió, que vai as grotas e ver os sofrimentos dos mais pobres, os que estão na linha da miséria absoluta. Não se engane, esperança existe, é RUI PALMEIRA.

  • Sylvio De Bonis Almeida Simões

    Tomara que a pirotecnia de lançamento do Plano se transforme em ações concretas e vitoriosas, para o bem da sociedade alagoana.
    O prosseguimento da ação, de forma eficiente, eficaz e efetiva só se dará mediante o emprego de agentes realmente capacitados para o exercício de cargos e funções em cada um dos segmentos da Secretaria de Estado de Defesa Social, seja qual for o nível, a fim de que não incorramos no velho ditado em “darmos com os burros n’água”.

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    R Mota, já que todos hão de colaborar para o fim do PLANO com êxitos que ele exige e se TORCE, é de muito simples solução – já o desafiei antes, lembras o jantar?
    Bastante, para êxito do tal PLANO, que o tenho como inócuo, pífio e sem nenhuma estratégia, FARDAR o contingente de COMISSIONADOS, CONSELHEIROS e CARGOS DE CONFIANÇA DO guVERNO DO BEM E da ONDA AZUL – pois que o vice-rei bradou: ALAGOAS NÃO PRECISA DE MAIS POLCIAIS!
    O concurso apenas porá 250PM/Turno de 6hs, quando se precisa de, no mínimo, 6vezes mais que o ofertado: 1040vagas.
    Aí, com todos esses NEOFARDADOS armados de Tablets e PASTAS NOVAS e mais, mais uma vez, a FNS, biiiiiiiingo! Estaremos em PAZ, de novo, né não?
    O ABSENTEÍSMO é igual. Logo, meu dileto amigo, PAGO PARA VER!
    Ah! Peraí, o papai-noel acabou de bater à porta…depois termino!