O maior desafio, neste momento, ao piloto do Plano Nacional de Segurança é a desconfiança – ou descrença – por parte da população.

E não trato, aqui, daqueles que investem, por ofício, no fracasso do que ainda nem começou.

A desconfiança a ser enfrentada não é a remunerada, mas sim a do cidadão comum, vítima da violência que atingiu níveis insuportáveis.

São milhares de famílias que choram a perda dos seus entes queridos.

E mais: é a sensação de insegurança que se converte, já, em ira contra o governo de Vilela, principalmente em relação aos que atuam na segurança pública.

É claro que só o tempo pode dizer se tudo, de fato, é uma falácia, propaganda enganosa como afirmam com convicção pessoas comuns, já desesperançadas de viver em um lugar mais tranquilo.

Tenho conversado com várias autoridades que participaram das reuniõesem Brasília. Peço-lhes, simplesmente, que me digam das suas expectativas em relação ao plano.

De nenhum, até agora, ouvi a voz da descrença. Pelo contrário, eles ressaltam a firmeza com que o ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, que comandou todas as reuniões, em afirmar que o plano foi elaborado durante um ano e não pode dar errado.

O momento para implementá-lo é agora. Se ele fracassar, repetiu o ministro por diversas vezes, não há um outro plano para colocar no lugar. Ressaltam, também, o compromisso – a ser formalizado – entre os três poderes no enfrentamento à violência.

É claro que a desconfiança dos alagoanos tem como base a realidade – construída ao longo dos anos. Todas as ações adotadas pelo governo do Estado resultaram inócuas, praticamente, até agora.

Ainda ontem, foi divulgada a informação, com base em dados do IBGE, que Alagoas continua sendo o estado brasileiro em que mais se mata.

Os números: 59,3 homicídios por cem mil habitantes. Os dados são de 2009. Em 2007, diz a matéria publicada nos sítios de internet, este número era de 59,7 mortes para cem mil habitantes.

Não se pode falar em redução, até porque a realidade mostra que esses números só têm aumentado de lá para cá.

Só quem pode vencer a descrença é o resultado concreto do piloto do Plano Nacional de Segurança Pública.

PSC

 

O presidente do PSC em Alagoas, Marcos Calheiros, confirmou hoje o apoio do partido ao tucano Rui Palmeira, na disputa pela prefeitura de Maceió.

 

Estão filiados à legenda a ex-secretária Municipal de Turismo, Cláudia Pessoa, e o vereador Netinho Barros.

 

MP investiga contrato de R$ 2,5 milhões da prefeitura de Girau
João Beltrão é o primeiro deputado condenado na Taturana
  • marcio vinicius

    Chego a desconfiar até do Senhor com todo respeito, mas que trabalha em grupo que pertence a pessoas ligadas a este governo e não tem como ser 100% imparcial isto seria utopia.
    Ora o que vemos na segurança pública e em outras áreas também é: equivocos, incompetencia, enganação, vaidades, interesses escusos e etc. é bem verdade que existem pessoas que não se encaixam aí, porém não conseguem realizar o correto, por que? bem o Senhor Ricardo Mota é um exemplo e por tanto é a resposta.

  • marcio vinicius

    por que?
    *por que o congresso não formula um código penal correto, decente, com leis que permitam criminosos inclusive ricos e influentes ficarem na cadeia?
    *por que o governo federal vai gastar uma fortuna com um plano de segurança evidentemente grosseiro e equivocado?
    *por que os governos não criam um sistema prisional decente, uma estrutura de segurança decente, melhorando a situação financeira dos policiais e as condições de trabalho?
    *por que até hoje os gestores não implantaram vídeo monitoramente na cidade?
    *por que as delegacias são prédios que parecem escombros malasombrados com efetivo ridiculo?
    *por que não se implantam tecnologia pesada em favor da segurança pública.
    *por que o governo federal não gasta este dinheiro no fortalecimento das forças armadas e pf e prf e fecham as fronteiras peneiradas do Brasil ao invés de torrarem com um plano ¨salvador¨ aqui em Alagoas?
    * porque não se faz o certo?
    * porque, por que, porquê?
    * porque não temos dinheiro?
    * porque não há vontade política?
    * porque as vaidades pessoais falam mais alto?
    * porque são incompetentes?
    * porque nossa estrutura político social não permite o correto ser implantado?

  • sara

    O maior problema é o Judiciário e os direitos humanos,a polícia prende e a justiça solta.Os direitos humanos foram declarados para proteger todos os humanos da terra,mas no Brasil só protege bandidos,é por isso que o povo brasileiro odeia os direitos humanos,com toda razão!

  • inaldo

    Fugindo um pouco do assunto, não vi nenhuma reportagem sobre o julgamento do processo administrativo do delegado oswanilton, condenado a mais de 30 anos. Fala Ricardo.

  • JOAQUIM BRITO

    Ricardo, a população não desconfia do “plano”. Ele, certamente, foi elabo –
    rado com muito afinco e competência, para
    dar certo. O que a população não acredita
    é na eficiência da execução do plano, res
    ponsabilidade esta, do Governo do Estado.
    Porque são mais de seis anos de desgover-
    no do PSDB e nenhuma ação concreta foi
    implementada, não só na segurança, mais
    também nas demais políticas públicas. O
    Governador disse ontem, que uma das res-
    ponsáveis pelo desespero do povo, é a “IM
    PRENSA”, porque exagera, sensacionaliza,
    no noticiário da violência. Isto é uma
    irresponsabilidade, uma demonstração de
    fraqueza. Disse também, que os indicado-
    res sociais, melhoraram em Alagoas. Eu
    desafio ele apresentar uma melhoria (ver
    dadeira). O tal do “Alagoas tem Pressa” –
    esta demagogia, o que resolveu?

  • JEFF SILVA

    Caro Ricardo,
    Como alagoano também espero ansioso que tal “plano” surta efeitos positivos, ainda que realizado as vésperas das eleições municipais e bem próxima das majoritárias. A desconfiança por parte dos que tem função de ofício, também é justificada, afinal, as reuniões feitas nos gabinetes políticos e com a participação de “tecnocratas” da segurança pública e a não com agentes militantes da realidade social perversa da violência diária, deixa sim, um ar de “tomara que de certo” e não um tom de “tenho certeza que dará” Os alvos serão os mesmos, o que soa a mera política de ações de “gentrification” Retira-se a possibilidade de se visualizar a violência mais não a resolve. Os “agentes causadores da violência”, como os viciados, são tão vítimas quanto os que eles tornam vítimas de seu insucesso. São anos de uma cultura de violência, anos coronelismo, anos de corrupção e impunidade. Os tanques, os helicópteros, os homens bem armados, apenas correm o risco de esconder os reais causadores desta violência. O crime politicamente organizado. Abraços.

  • sergio Dias

    Imagine só, por breve instante se tudo que se está falando, sobre este plano de emergencia para a segurança pública, for verdade, estamos diante da maior indiferença sobre um assunto tao sério.

    Se tudo isto for verdade, alias tem tudo para ser um grade improviso, se nao, porque nao foi feito antes, quando sabemos que nao é de hoje, o titulo de cidade mais violenta do Brasil pertence a Maceió.
    No mimino poderiamos processar o Estado de Alagoas e a Uniao por conivencia com o crime.
    Parece portanto, desespero.
    De qualquer forma, melhor isto, do que nada. Que fique registrado, este plano nao é nada de estudado, é puro improviso.
    Vamos pedir a Deus que nos ajude.

  • san

    Se ele acha que não tem outro plano se esse não der certo! eu tenho um plano que é infalivel!

    educação publica de qualidade!profissionais da segurança publica quafificados,motivados e equipados com o melhor!
    SUS! EFICIENTE!
    UMA JUSTIÇA célere!
    e leis severas para todos os infratores,criminosos,independente da idade!

    esse é infalivel

  • ANALISTA DE SEGURANÇA

    Muito Bem, meu caro Ricardo!
    Você sempre fazendo matérias sérias e comprometidas com a verdade, vc deixa sempre claro que torce pelo melhor de Alagoas e pra isso é preciso ter inteligência suficiente para entender apenas uma coisa: se der errado, o resultado negativo e o pior será pra nós todos, mas os malucos da oposição que nunca conseguem ver um palmo adiante do nariz não sabem o que é isso, eu so contra a quem torce contra e sou favorável que dê certo, assim estou torcendo por mim também.

  • ARTUR

    RICARDO, É DESCONFIANÇA SIM. QUANDO EM VÊZ EM QUEM INVESTIGA E QUANDO EM VÊZ EM NOSAS LEIS ¨JUSTIÇA¨. SÓ VEMOS CONVERSA QUE VAI, QUE VEM E TUDO FICA O MESMO, QUEM MATA CONTINUA LIVRE E QUEM SOFRE A PERDA CONTINUA SONHANDO POR JUSTIÇA QUE NUNCA VEM. QUANDO É JULGADO E CONDENADO,RESPONDE EM LIBERDADE OU COLOCA A TORNOZELEIRA E LIVRE PARA SEMPRE.
    TIRO A CONCLUSÃO QUE NÃO ADIANTA FORÇA TAREFA SEM LEIS DURAS.
    O GOVERNADO TEM DADO SUA CONTRIBUIÇÃO COM O AFASTAMENTO DOS POLITICOS DA SEGURAÇA, CASO CONTRÁRIO SERIA MUITO PIOR.

  • Dirge Fausto

    Ah Ah Ah, governo afasta político da segurança. Que político, se quem prende e quem solta nesse estado é político. Vá para o interior cara, vá para o interior e fica 01 hora na casa de um prefeito, aí você vai ver quantos telefones para o Delegado soltar presos, ou abrandar em processos. Só gostei quando o governador “elogiou” a imprensa… depois que comeu e arrotou na mesa dos jornais, rádios e TV.

  • eduardo

    Apostar num plano milagroso que irá resolver todos os problemas de segurança pública, não resolvidos em 06 anos, é enganação, é brincar de fazer o cidadão de tolo. Não existe mágica ou pirotecnia e sim investimento em pessoal, qualificando o que já existe e suprindo as carências, investimentos em investigação científica, IML, delegacias e equipamentos para as delegacias, etc. Tudo que o nosso governador não fez.

  • YPÊ ROXO

    Marcio Vinicius,sua idade? Parte dessas lideranças da atualidade em Alagoas,no judiciário,legislativo,etc, descende de famílias simples,até humildes e que ascenderam de forma honesta até certo ponto.Temos filhos de coveiro,oficial de polícia,guarda-civil,prefeito à moda antiga(POBRES),comerciante,funcionário público,etc.Observando hoje,vemos como se”MISTURARAM ” e seus descendentes, formando verdadeiros “FEUDOS”.Talvez um trabalho-pesquisa sociológico explique o fenômeno!!! Alagoas e os alagoanos sofrem com e por isso.Até quando? Marcio Vinicius, reflita,estude sobre e,talvez,vc entenda o PORQUE das QUESTÕES!!!!!!!!!!!!!!!!??????????????

  • jacqueline

    Ricardo, infelismente é tudo PROPAGANDA ENGANOSA desse governado.A solução o próprio governador deu quando se candidatou pela 1ª vez e prometeu concurso com 1000 homens POR ANO na PM. SÓ que ele não cumpriu, em 06 anos só colocou 1.000 PMs. Abra concurso para pelo menos 6.000 homens na PM e 2000 na PC. Somente assim TALVEZ alagoas tivesse PAZ.

  • Cético

    Concordo com as palavras do professor Jeff,a cultura da violência, impregnada na sociedade alagoana, obstaculariza o enfrentamento das reais causas da violência,as causas mais subterrâneas e não os efeitos.O “plano” de segurança é mais uma medida para tornar a sociedade refém do Estado militarizado e intolerante,o que ao meu ver cria um efeito contrário ao objetivo, cerceando as garantias individuais previstas na carta magna.

  • jose maria alves

    Opa!Quem é esse piloto do plano?

  • Célio Brechó Monteiro

    NÃO ACREDITO QUE VÁ MUITO LONGE… Já vi esse filme antes e é mais repetitivo do que os filmes da sessão da tarde.Em menos de dois meses, e olhe lá se não menos, apos o real inicio desse tal plano de segurança, tudo voltará a ” normalidade ” da “Republica das Alagoas” a morte voltará a reinar, infelizmente.

  • leonardo

    Óbvio que nós cidadãos que pagamos os nosso impostos pra nada, queríamos que o plano desse certo, só que a probabilidade de dar certo é mínima. por que?
    – As leis estão ultrapassadas
    – Existem políticos corruptos por trás de assaltos para financiar eleições
    – A justiça não colabora,o rico que é preso na outra semana está solto, o cara que rouba um pedaço de carne no supermercado vai preso e apanha
    – O político que rouba nada acontece, na outra eleição ele está aí zombando da cara do cidadão e ainda ganha
    – Não há investimento adequado na polícia e isso estimula os fracos a se corromperem
    – os direitos humanos estão sempre do lado do bandido e nunca do cidadão. Um exemplo disso é quando um cidadão morre, veja se os direitos humanos vão lá? Agora se matarem um bandido na cadeia, eles vão em cima (Tem de acabar com os direitos humanos)
    – O governo atual nunca investiu na segurança, somente em propaganda em favor dele
    – Só sabe o que é violência quem já foi assaltado como fui e até hoje tenho trauma, faço tudo pra não sair a noite e nem vou a mais nenhum restaurante
    – Enfim, os políticos e outras autoridades além do governador, nunca fizeram nada neste Estado

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    Meu dileto, honrado e sempre lúcido R Mota, sinceramente – e já o disse antes – não é questão de CRER, TORCER ou APOSTAR: se CRER naquilo que se tem FÉ; se TORCE por algo em lide ou onde haja disputa e etc.; e se APOSTA em contendas lícitas ou não, infelizmente!
    Se o propalado PLANO é a única alternativa, como alardeado, já nasceu morto, pois todo e qualquer PLANO que se preze e tenha sido planejado, estrategicamente falando, há de ter duas ou três possibilidades de execução ou vias secundárias de sua implantação ou execução – nele há terem sido estudadas todas as hipóteses possíveis e imagináveis e até eventuais e misteriosas ações adversas, porventura existentes, pois que há risco de NEM SER plano e não dispor de nenhuma estratégia.
    Ademais, antes mesmo de EXISTIR um PLANO há ter POLÍTICAS, PROGRAMAS, PROJETOS, DIRETRIZES e NORMAS GERAIS DE AÇÕES para EMPREGO, USO e EFETIVA EXECUÇÃO EM OPERAÇÕES PONTUAIS OU GERAIS, DIÁRIAS, SEMANAIS, MENSAIS OU PERMANENTES DE OCUPAÇÃO DA ÁREA, SUBÁREAS, SETORES E SUBSETORES OPE-RACIONAIS e ETC.
    Caso contrário…
    Mas, independente das “torcidas” se o é sem opções alternativas, JÁ DEIXOU SER PLANO PLANEJADO, deve ter sido um “PERNejamento” – aquele feito às pressas e nas coxas ou pernas. Como soe nalgumas organizações.
    Ah! Aqui transcrevo a fala de uma ilustre alagoana em evento recente e pouco divulgado pela mídia, a saber: (…)eis que sobe ao palco, como uma entre os homenageados, a desembarga-dora Elizabeth Carvalho que decidiu falar e me deixou comovida tal qual toda a plateia. Dizen-do-se lisonjeada pela escolha, lembrou a meritíssima a triste realidade de Alagoas.

    “O momento é de festa, mas não há muito o comemorar fora daqui. Somos o estado mais violento do Brasil e todos os dias nos deparamos com notícias que entristecem. O governador quando percebeu a gravidade pediu socorro a União que enviou a Força Nacional. O problema não foi resolvido, tampouco a tropa federal pode permanecer para sempre em Alagoas”.

    E continuou lembrando a condição da Polícia Militar. “Temos hoje cinco mil policiais, enquanto precisamos de doze mil e o governador oferece um concurso com mil vagas. Isso é inaceitável.. Com todo respeito que tenho pela pessoa do governador, mas não dá para calar diante desse caos. Então hoje não posso deixar de dizer em tom de desabafo acorda governador”.

    AS últimas palavras da desembargadora com tom de indignação sensibilizaram autoridades (deputado, vereadores, advogados, oficiais, militares, desembargadores, assessores) jornalis-tas, empresários e representantes de vários segmentos da sociedade alagoana. Ela fez a pla-teia toda ficar de pé , arrancou fortes aplausos e assobios ao final do discurso quando emocionada mandou o seu recado a Téo Vilela:

    A impressão foi a de que cada um ali se viu naquele momento a desembargadora Elizabeth Carvalho.
    Abr
    JG

  • Sylvio De Bonis Almeida Simões

    Com tantas demonstrações de tão pouco caso com a sensação de insegurança que se enraizou na população fica realmente difícil de acreditar na capacidade deste governo de conduzir o plano em questão. É preciso mesmo “pagar para ver”, infelizmente.

  • Ruslan Queiroz

    100% DESCONFIADO!
    .
    Que Não seja para INGLÊS ver Policiais em PONTOS já ESPERANDO da cidade, Centro, Orla, Evento, este MODUS OPERANDI não tem IMPACTO.
    .
    O que ESPERAMOS contra a DESCONFIANÇA de OUTRAS operações.
    .
    • Colocação na sua Função da FORÇA NACIONAL em ambientes INÓSPITO;
    • INCURSÕES SURPRESA em PONTOS já MAPEADO pela… I-N-T-E-L-I-G-Ê-N-C-I-A da SEDS… ;
    • Operações em CONJUNTO, e APOIO do HELICÓPTERO não em ROTAS de MARKETING “chapa-branca”, mas sim em forma GEO-ESTACIONÁRIA em APOIO as operações de TERRA;
    • Grampo telefônico e se preparar para REBELIÕES EM PRESÍDEOS, para tirar o FOCO da Operação;
    • INFORMAR a população que REVISTAS vão acontecer e serão necessárias, que isso não é INVASÃO e sim PREVENÇÃO em ônibus, transporte alternativos, ruas suspeitas .
    • Responder e não Reagir a possíveis ENFRENTAMENTOS.
    • RETOMAR e FICAR junto com ações Pontuais de Saúde, Educação, Limpeza, locais TOMADOS pelo TRÁFICO, Só retomar e não haver a PRESENÇA do ESTADO naquela COMUNIDADE não ADIANTA.
    .
    Acabar com o Tráfico é IMPOSSIVÉL, mas se “PODE” e se “DEVE” dar um “RECUO” na criminalidade.

  • aldo soares

    O Soldado que vai ao combate já pensando no fracasso, jamais conseguirá vitória.”Se fracassar não há outro plano no lugar”; resumo: estamos ao deus dará, baterão em retirada..”heróis”. Dentro desse plano, “top secret”, mensura o cumprimento severo das leis contra agentes públicos de escalão superior ? que saem ilesos dos crimes, praticados!.. Quem tem de saber das mazelas de segurança de cada estado é o aparato do próprio estado e não ministro da justiça em gabinete. Não precisa ser cientista em nada pra entender o caos atual em AL.; falta: metade do efetivo policial; estrutura prisional padrão, e não “casa- de- mãe-joana”;se fazer cumprir a lei ao pé da letra. ( é bom lembrar do tolerância zero em NEW YORK; em Medelin, Colômbia Jardim Ângela -SP). E, por fim, vontade política; trabalho, afinco, combate sem trégua a criminalidade: SP,é o exemplo não chega a 10 mortes por 100mi/h enquanto, AL.mais de 60; e com uma população infinitamente menor. Pelo que sabemos as polícias da federação interagem, cadê os conhecimentos adquiridos deles .Ou;teremos que importar dos “STATEs”.

  • Bispo Filho

    Caro Ricardo,

    Estamos torcendo para que este plano realmente de certo em nosso Estado, no entanto temos que entender que a violência não é apenas uma questão de polícia, e sim, uma questão de políticas públicas eficazes nas áreas de saúde, assistência social, geração de emprego e renda e principalmente na aplicação correta e honesta do dinheiro público.

  • Anibal Barros de Oliveira

    SEGURANÇA PUBLICA SE FAZ COM AÇÕES FIRMES E MEDIDAS ENERGICAS. NÃO SE FAZ COM MENTIRAS, OMISSÃO, PREGUIÇA, MEDO E DESCASO, É ISTO QUE VEMOS NO NOSSO ESTADO POR PARTE DAS “”””AUTORIDADES”””

  • noel

    Meu caro Blog quem vive aqui quer continuar nessa terra tem que acreditar que “agora vai” é o que nos resta; uma vela pra S. Tomé outra pra Santo Expedito. Nunca em momento algum tomando partido. QUANDO OUTUBRO CHEGAR, ACERTA-SE AS CONTAS..

  • Sátiro

    Os cães ladram,a “CARAVANA” passa…E a lei da MORDAÇA???Haja DEMOCRACIA,que na verdade virou ORGIA, há bastante tempo!!!”Navegar é preciso,viver é impreciso.”

  • Roberto T.Brandão

    Deixaram a violência chegar neste ponto e agora é pouco provável regredir sem traumas.A nossa Constituição Federal atual é branda e benevolente e é tudo que o crime organizado queria.Está dificil porém é o povo acreditar em soluções ‘milagrosas”. O povo quer menos reunião e mais AÇÃO.Já.

  • predadorpr2011

    Não é crítica,imagine uma pessoa que foi assaltada em : Pilar,Satuba,Messias,Rio Largo,Sta Luzia,Coqueiro Seco e parte alta de Maceió após a 18:00Hs,terá que se deslocar até a central de polícia,nem isso diminuiu a violência,será que só a parte baixa precisa de central de polícia?com a palavra o CONSEG.

  • Jose roberto

    “eu sinceramente nao acredito nessa policia que nao tem compromisso de descobrir as mortes dos proprios policiais-ex: policial civil petrucio de santana morto em flexeiras e ate agora nada.

  • Cidadã

    O plano de segurança foi solicitado pelo governo do estado ao Governo Federal para que os alagoanos possam se sentir seguros. O que a população quer é segurança e uma solução para diminuir o índice de criminalidade no local onde vivem, se o governo tem um plano de segurança, e é segurança que as pessoas precisam, não há motivos para desconfianças. De modo que, até o próprio ministro da justiça, “José Eduardo Cardoso, que comandou todas as reuniões, afirma que o plano foi elaborado durante um ano e não pode dar errado”.

  • Cidadã

    A ação de implantar um plano de segurança surgiu para diminuir os índices de violência em Alagoas, problema vivenciado pela população. O povo quer apenas uma solução, se o governo tem um plano de segurança, este deve ser colocado em pratica, pois o cidadão sem duvidadas considera pior sair na pelas ruas sem ter confiança de que algum crime acontecerá e o mesmo, um parente ou amigo perderá sua vida.